Catarina da Grécia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde outubro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Catarina da Grécia e da Dinamarca
Governo
Consorte Richard Brandram
Casa Real Casa de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg
Vida
Nascimento 4 de Maio de 1913
Morte 2 de outubro de 2007 (94 anos)
Londres, Inglaterra
Sepultamento Cemitério Real, Palácio de Tatoi, Grécia
Filhos Richard Paul George Andrew Brandram
Pai Constantino I da Grécia
Mãe Sofia da Prússia

Catarina da Grécia e Dinamarca (Catarina zu Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg, Princesa da Grécia e Dinamarca; Πριγκίπισσα Αικατερίνη της Ελλάδας και Δανίας) (4 de maio de 1913 - 2 de outubro de 2007) foi a sexta filha (a terceira do sexo feminino) do rei Constantino I da Grécia (1868-1923) e da rainha Sofia (1870-1932).

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Os seus avós paternos eram o rei Jorge I da Grécia, filho do rei Cristiano IX da Dinamarca e Olga Constantinova da Rússia. Os avós maternos eram Frederico III, o imperador alemão e a imperatriz Vitória, a filha mais velha da rainha Vitória e do príncipe Alberto.

Catarina nasceu no Palácio Real de Atenas poucas semanas após o assassinato do seu avô, o rei Jorge I da Grécia, em Salonika. Tinha três irmãos (Jorge, Alexandre e Paulo - todos seriam reis dos Helenos) e duas irmãs (Helena, que se casou com Carlos II da Roménia e Irene, que se casou com o príncipe Aimone de Saboia, duque de Spoleto). O príncipe Filipe, Duque de Edimburgo, era seu primo directo. Quando foi baptizada, todos os membros do exército e marinha gregos foram seus padrinhos.

Vida no exílio[editar | editar código-fonte]

O seu pai abdicou em 1917 e foi substituído no trono pelo seu irmão Alexandre. Ela e os pais foram exilados na Suíça. Voltaram a ser aclamados após a morte de Alexandre em 1920, mas voltaram a abdicar em 1922. Quando estavam novamente exilados, desta vez na Sicília, o seu pai morreu em Palermo em 1923. A família mudou-se para Villa Sparta em Florença, onde Catarina adquiriu um gosto pela pintura. O seu irmão Jorge tornou-se Rei dos Helenos em 1922, mas foi deposto em 1924.

Catarina foi educada na Inglaterra, num colégio interno em Broadstairs e depois na North Foreland Lodge. A sua mãe morreu em janeiro de 1932, porém ela e a irmã Helena continuaram a viver na Villa Sparta. Ela e a futura rainha Isabel II foram damas-de-honor no casamento da sua prima em primeiro grau, a princesa Marina, com o Duque de Kent em 1934. É interessante notar que, através de Cristiano IX da Dinamarca, Catarina era prima em primeiro grau do príncipe Filipe e prima em terceiro grau de Isabel II. Partindo da rainha Vitória, ela era prima em terceiro grau de ambos.

Regresso à Grécia e casamento[editar | editar código-fonte]

O seu irmão Jorge voltou a assumir o trono da Grécia em 1935 e Catarina regressou ao país com a irmã Irene. Juntou-se à Cruz Vermelha grega quando se iniciou a Segunda Guerra Mundial em 1939. Em 1941 mudou-se para a África do Sul com o seu irmão Paulo. A viagem foi feita num hidroavião Sunderland e Catarina continuou o seu serviço de enfermeira na Cidade do Cabo. Ela não teve notícias da sua irmã Helena durante quatro anos. Regressou à Inglaterra em 1946, tendo realizado a última parte da viagem desde o Egipto a bordo do SS Ascania. Aí conheceu o major Richard Campbell Brandram MC (5 de agosto de 1911 - 5 de abril de 1994), filho de Richard Andrew Brandram e Maud Campbell Blakeran, um oficial da Artilharia Real. Ficaram noivos três semanas depois de chegarem à Inglaterra e casaram-se no dia 21 de abril de 1947 no Palácio Real de Atenas. O seu irmão Jorge morreu a 1 de abril, três semanas antes do casamento e foi sucedido pelo irmão, Paulo. O agora Paulo I da Grécia foi o padrinho de casamento e reinou até 1964.

Catarina acompanhou o seu marido quando este foi colocado em Bagdad em serviço ao exército britânico, mas os dois acabaram por estabelecer residência em Inglaterra. Ela foi autorizada a usar o tratamento de Dama Catarina Brandram e o rei Jorge VI também lhe atribuiu o estatuto de filha de duque. Porém este tratamento era válido apenas no Reino Unido e ela continuou a ser conhecida como princesa Catarina da Grécia e Dinamarca. Ela e o marido viviam em Eaton Square em Belgravia e, mais tarde mudou-se para Marlow.

A partir da morte da infanta Beatriz de Espanha em 2002, Catarina passou a ser a penúltima bisneta viva da rainha Vitória, assim como a última neta viva de Frederico III, Imperador da Alemanha e de Vitória, Princesa Real. Ela viveu quase mais 87 anos depois da morte do seu irmão, o rei Alexandre I da Grécia e a sua morte fez com que o Conde Carl Johan Bernadotte (nascido a 31 de outubro de 1916 - 5 de maio de 2012) passasse a ser o último bisneto vivo da rainha Vitória. Com a morte da sua irmã, Helena da Grécia, Rainha-mãe da Roménia, em 1982 até à sua morte, Catarina foi a mulher mais velha entre os descendentes da rainha Vitória. A sua morte marcou o fim da linha de herdeiras directas do sexo feminino de Frederico III e da princesa real Vitória.

Filhos e netos[editar | editar código-fonte]

A princesa Catarina da Grécia e Dinamarca e o major Richard Campbell Andrew Brandram tiveram um filho:

  • Richard Paul George Andrew Brandram (n. 1 de abril de 1948). O seu primeiro casamento foi com Jennifer Diane Steele, filha do tenente-coronel Robert Steele e de Gyllian Diane Greville-Williams, a 12 de fevereiro de 1975 em Londres, Inglaterra. O casal teve três filhos:
    • Sophie Elia Brandram (n. 23 de janeiro de 1981)
    • Nicholas George Brandram (n. 23 de abril de 1982)
    • Alexia Katherine Brandram (n. 6 de dezembro de 1985)