Catedral de Mogúncia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Catedral de Mainz)
Ir para: navegação, pesquisa
Catedral de Mogúncia
A catedral vista do leste
Estilo dominante Românico, Gótico, Barroco, Revivalista
Início da construção c. 975
Fim da construção 1879
Religião Catolicismo Romano
Diocese Diocese de Mogúncia
Website http://www.dom-mainz.de/
Geografia
País  Alemanha
Cidade Mogúncia
Coordenadas 49° 59' 56" N 8° 16' 27" E

A Catedral de Mainz ou Mogúncia, também chamada Catedral de São Martinho (em alemão: Mainzer Dom ou Der Hohe Dom zu Mainz) está localizada no centro histórico de Mainz (Mogúncia), na Alemanha. É dedicada a São Martinho de Tours.

A catedral é predominantemente românica, mas acréscimos exteriores resultaram em uma construção com vários estilos arquitetônicos, incluindo o gótico, o barroco e os estilos revivalistas do século XIX. Em 2009, o edifício completou 1000 anos desde sua fundação.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

A antiga Moguntiacum romana era já sede de bispado e desde o século IV abrigava uma comunidade cristã. O edifício da igreja principal localizava-se próximo à atual catedral, no local da atual Igreja de São João Batista (Johanniskirche). O arcebispo Hatto (891-913) reformou essa igreja, que era já dedicada a São Martinho de Tours, por volta do ano 900.[2] Por um tempo essa antiga catedral abrigou as relíquias de São Bonifácio, que tinha sido bispo de Mogúncia entre 747 e 754. Atualmente as relíquias estão na Catedral de Fulda.[2]

O atual edifício da catedral começou a ser construído após 975, durante o período em que Willigis era arcebispo de Mogúncia (975-1011), e foi inaugurado em 10 de agosto de 1009.[3] [4] O projeto original, que se mantém de maneira geral até hoje, era de uma basílica de três naves separadas por pilares, com duas ábsides com coros, uma no lado oeste e outro no leste. A abside oeste, que era a parte principal da igreja e era utilizada pelo arcebispo e clero, tinha um transepto e uma cúpula sobre o cruzeiro. O lado leste também tinha um transepto e uma fachada flanqueada por torres.[5]

Portal do Mercado (séc. XII) da Catedral. As portas de bronze são da época de Willigis (c. 1000)

Com Willigis, o Arcebispado de Mogúncia tornou-se um dos principais centros religiosos e políticos do Sacro Império Romano-Germânico, e a construção de um edifício monumental foi concebida como forma de reforçar essa ideia. Além do tamanho da catedral, que no momento da inauguração podia abrigar toda a população cristã da cidade, outro aspecto que indicava a ambição do projeto era a posição do altar principal na ábside oeste, em lugar da leste, o que imitava a disposição da antiga Basílica de São Pedro de Roma. Também a entrada leste da igreja tinha um átrio com uma igreja separada (mais tarde chamada Igreja de Nossa Senhora ou Liebfrauenkirche), o que era uma referência tanto a São Pedro de Roma como à Capela Palatina de Aquisgrão. Também as portas de bronze da Catedral de Mogúncia estabelecem uma relação com a capela de Carlos Magno.[5] [6] [4]

Idade Média[editar | editar código-fonte]

O edifício da catedral sofreu um incêndio no dia da sua sagração, em 1009, mas uma reparação foi logo iniciada. Em 1081 foi novamente afetado por um grande incêndio.[3] Com apoio do Imperador Henrique IV, a catedral começou a ser reconstruída a partir de 1100. Até 1125 foi renovado o corpo leste da igreja, com uma grande torre sobre o cruzeiro. Em 1137 foi construída a Capela de São Gotardo (Gotthard-Kapelle) pelo arcebispo Adalberto I, e por essa época começou a reconstrução das três naves.[3] [7] A partir de 1190, com o arcebispo Conrado I, foi erguido o corpo oeste, com transepto e torres, e as naves ganharam suas abóbadas de pedra. Também data dessa época o "Portal do Mercado" (Portal am Markt), que servia como via de entrada triunfal para os arcebispos. Como sala do capítulo foi construída a chamada "Memorie", mais tarde usada como capela funerária. Finalmente, a 4 de julio de 1239, a nova catedral foi consagrada pelo arcebispo Siegfried III. Esse é o edifício românico que, de maneira geral, se mantém até os dias de hoje.[3] [7]

Na época gótica foram realizadas várias alterações na catedral. Entre 1279 e 1319, uma série de capelas foram abertas nas paredes das naves laterais, tanto no lado sul como no norte.[8] Em 1361, a torre do cruzeiro do lado leste foi reconstruída em estilo gótico (suprimida no século XIX por outra neorrômanica), e entre 1390 e 1410 um claustro gótico substituiu o antigo, românico. O arcebispo João II de Nassau construiu, em memória da sua dinastia, a Capela Nassau, de dois andares (o segundo piso foi destruído no século XVII). A "Memorie" ganhou um portal em estilo gótico tardio, decorado com estátuas de santos, no lado sul da igreja. Em 1482 foi a vez da torre do cruzeiro do lado oeste de ser reformulada em estilo gótico, mais tarde modificado. [9]

A Catedral em 1632, num desenho de Wenzel Hollar. A grande torre da abside oeste está do lado esquerdo no desenho; no centro se vê a torre leste as as duas torres mais delgadas flanqueantes. Ligada à catedral, no lado direito no desenho, se observa a abside gótica e torre da Igreja de Nossa Senhora (Liebfrauenkirche, já demolida)

Séculos XVII e XVIII[editar | editar código-fonte]

Em 1683, em plena era barroca, o edifício foi novamente reformulado. No interior foi removido o coro alto gótico da parte oeste da igreja para assim melhorar a visibilidade do altar principal da abside oeste. Também foram criadas tribunas para o órgão e orquestra ao lado do altar principal, e os altares da parte oeste foram todos renovados no novo estilo barroco.[9] [10]

A caída de um raio em 1767 causou um grande incêndio que afetou as torres do lado oeste, o lado norte do transepto e a Capela Gotthard. Franz Ignaz Michael Neumann, filho do célebre arquiteto Balthasar Neumann, foi o encarregado da reconstrução da parte superior da torre do cruzeiro oeste em estilo barroco-rococó, obra que foi terminada em 1774. No interior, Franz Anton Hermann realizou um cadeiral em estilo rococó para o coro oeste.[9] [10] Em 1793, durante o cerco a Mogúncia na guerra da Primeira Coligação, no contexto da Revolução Francesa, a parte leste da igreja foi atingida por fogo da artilharia, causando um incêndio nas torres daquele lado do edifício e no telhado da nave.[9] [11]

Restauros historicistas[editar | editar código-fonte]

Entre 1803 e 1814, Mogúncia foi governada por um prefeito francês, Jeanbon de Saint-André, que chegou a considerar a demolição da catedral.[12] A decoração interna do edifício foi retirada ou destruída, com algumas exceções como o cadeiral rococó de madeira, que foi recuperado após ter sido vendido.[11] Por outro lado, parte da decoração interior da Igreja de Nossa Senhora, que se localizava em frente à catedral e tinha sido destruída, foi transferida à catedral, incluídas as portas de bronze da época de Willigis (c. 1000), uma pia batismal de 1328 e um grupo escultório da Deposição no Túmulo de 1495.[12]

A Catedral vista do lado sudeste. Destaca-se a torre oeste do cruzeiro, com piso superior barroco (1774).

O Arcebispado de Mogúncia, que havia sido eliminado pelos franceses em 1798, foi reestabelecido como bispado em 1802. José Luis Colmar, o primeiro bispo desse novo período, conseguiu em 1803 que o edifício voltasse a ser a catedral da cidade, após ter sido usado pelos franceses como depósito militar. Colmar consagrou a catedral novamente a 15 de agosto de 1804.[11]

No contexto dos trabalhos de restauro da catedral, em 1828 o arquiteto Georg Moller reformou a torre gótica do lado leste, adicionando uma cúpula de estrutura de ferro em forma oval.[12] [13]

No século XIX, o bispado de Mogúncia esteve marcado pela ação do bispo Wilhelm Emmanuel von Ketteler (1850-1879), um dos renovadores do catolicismo alemão, com importante atividade nos campos político, social e religioso. Durante sua administração a catedral passou por uma grande reforma.[14] No interior, as superfícies da igreja foram pintadas com afrescos a partir de 1859.[12] Devido ao risco de derrocada, decidiu-se em 1870 modificar a cúpula do lado leste construída 40 anos antes por Moller. Até 1879, o arquiteto Peter Cuypers deu à cúpula octogonal o estilo neorromânico que tem até hoje. Também a estrutura interior do coro leste foi modificada, e a parte superior das torres do lado leste ganharam um estilo igual ao da cúpula. Em 1878 foi terminada a pintura dos afrescos no interior do templo, dos quais restam hoje cenas da Vida de Cristo do pintor Philipp Veit.[13] [12]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Entre 1909 e 1928 os fundamentos do edifício foram reforçados com concreto (betão). Em 1925 foi criado o Museu Catedralício e Diocesano (Dom- und Diözesanmuseum) na antiga sala do capítulo e claustro.[12]

Durante a Segunda Guerra Mundial, o bombardeio aéreo de 11 e 12 de agosto de 1942 causou um incêndio no claustro e nos telhados da nave. Em 8 e 9 de setembro de 1944, outro ataque destruiu partes do claustro e das capelas laterais da nave. Também a Capela de São Gotardo foi muito afetada.[12] As tarefas de reconstrução foram terminadas em 1975, quando o edifício ganhou uma capa de pintura protetora, em tons avermelhados, que a caracteriza. Nessa data foi consagrada uma nova cruz de bronze do altar principal.[12]

Catedral de Mogúncia, vista aérea do sul. Do lado oeste (esquerda) e leste (direita) se observam as torres sobre os cruzeiros dos transeptos, as absides, e as torres flanqueantes. Em primeiro plano, a sul do edifício, se observa o claustro gótico, enquanto que do lado norte localiza-se a praça do mercado (Marktplatz)

Coroações[editar | editar código-fonte]

A Catedral de Mogúncia foi um lugar central para os reis e imperadores do Sacro Império Romano Germânico.[15] Em particular, o edifício teve uma relação especial com a Dinastia saliana, que produziu quatro reis entre 1024 e 1125. O arcebispo Aribo coroou na catedral o primeiro rei da dinastia, Conrado II, em 1024. Quando a catedral foi reinaugurada após um restauro, em 1036, estiveram ali Conrado, já imperador, e seu filho Henrique III.[16] [3]

Em 1044, foi coroada ali Inês da Aquitânia, esposa de Henrique III. Rodolfo da Suábia, anti-rei do Império, foi também coroado na catedral.[15]

Após o incêndio de 1081, o imperador Henrique IV promoveu a reconstrução do edifício, usando como modelo a Catedral de Espira (Speyer).[16] Foi coroada ali, a 25 de julho de 1110, Matilde de Inglaterra, noiva de Henrique III. Os noivos se casaram na catedral no dia 5 de janeiro de 1114.[16]

O grande imperador Frederico II da Germânia, da dinastia dos Hohenstaufen, foi coroado na catedral em 1212 pelo arcebispo Sigisfredo II de Eppstein.

Também a catedral foi o lugar escolhido para a realização de várias cortes (Reichtage) do Sacro Império, a última das quais ocorreu em 1517.[15]

Referências

  1. Catedral de Mainz comemora mil anos, Deutsche Welle, 19 de setembro de 2009.
  2. a b Der alte Dom no sítio oficial da Catedral.
  3. a b c d e Romanik. Von der Gründung bis zur Domweihe no sítio oficial da Catedral.
  4. a b Der Neubau des Doms no sítio oficial da Catedral.
  5. a b Willigis-Urbau no sítio oficial da Catedral
  6. Bauidee no sítio oficial da Catedral
  7. a b Baustile. Romanik no sítio oficial da Catedral
  8. Baustile. Gotik no sítio oficial da Catedral
  9. a b c d Gotik, Renaissance & Barock. Von der Erweiterung bis zur Zerstörung no sítio oficial da Catedral
  10. a b Baustile. Barock no sítio oficial da Catedral
  11. a b c Französische Revolution no sítio oficial da Catedral
  12. a b c d e f g h Historismus & Moderne. Vom Wiederaufbau bis heute no sítio oficial da Catedral
  13. a b Baustile. Historismus no sítio oficial da Catedral
  14. 19./20. Jahrhundert no sítio oficial da Catedral
  15. a b c Mittelalter no sítio oficial da Catedral
  16. a b c Baukunst der Salier no sítio oficial da Catedral

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Catedral de Mogúncia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]