Catherine Deneuve

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Catherine Deneuve
Deneuve no Festival de Cabourg, em 2013
Nome completo Catherine Fabienne Dorléac
Nascimento 22 de outubro de 1943 (71 anos)
Paris, Ile-de-France
 França
Nacionalidade França Francesa
Ocupação Atriz
Cônjuge David Bailey (1965-1972)
Atividade 1957 - presente
César
Melhor Atriz
IMDb: (inglês)
2010

Catherine Deneuve, nome artístico de Catherine Fabienne Dorléac, (Paris, 22 de outubro de 1943) é uma atriz francesa, considerada um modelo de elegância e beleza gálica e uma das mais respeitadas atrizes do cinema francês e mundial.

Filha do ator de teatro e cinema Maurice Dorleác e irmã da também atriz Françoise Dorléac, Deneuve estreou no cinema aos 13 anos, em 1956, e durante a adolescência trabalhou em diversos pequenos filmes com o diretor Roger Vadim até chegar ao estrelato mundial em 1964, em Os Guarda Chuvas do Amor, do diretor Jacques Demy.

Nos anos 1960, Deneuve fez a reputação de símbolo sexual frio e inacessível através de filmes em que interpretava donzelas lindas e frígidas como A Bela da Tarde de Luis Buñuel e Repulsa ao Sexo de Roman Polanski.[1]

Trabalhou com alguns dos maiores cineastas de todos os tempos como Luis Buñuel[2] [3] , François Truffaut[4] , Manoel de Oliveira [5] [6] [7] , Jacques Demy[8] , Lars von Trier[9] , Roman Polanski[10] e Tony Scott[11] .

Carreira[editar | editar código-fonte]

Descoberta por Roger Vadim, (também descobridor de Brigitte Bardot e responsável pela transformação de Jane Fonda em símbolo sexual com o filme Barbarella) com quem teve um relacionamento amoroso e um filho (Christian Vadim), Deneuve foi casada com o famoso fotógrafo de moda londrino David Bailey[12] (em quem o diretor italiano Michelangelo Antonioni se basearia para criar o principal personagem na sua obra-prima cinematográfica Blow-Up), e após o fim do casamento, envolveu-se com o ator italiano Marcello Mastroianni, com quem teve uma filha, Chiara Mastroianni, em 1972.[13]

Durante os anos 1960 e 70, Catherine Deneuve teve uma rica carreira cinematográfica, estrelando filmes de sucesso internacional como A Sereia do Mississipi, Mayerling, Tristana, Pele de Asno, entre outros, que além de a afirmarem como a grande estrela do cinema europeu da época, a transformaram no sinônimo de beleza francesa, fazendo dela a musa da alta costura da França, principalmente do estilista Yves Saint Laurent e o rosto dos perfumes Chanel (o Chanel Nº 5, ligado ao seu rosto e sua imagem, foi o mais vendido e famoso perfume do mundo por mais de duas décadas), levando-a a substituir Brigitte Bardot como a efígie de Marianne, a figura feminina oficial da República da França, estampada em selos e moedas do país.

No festival de Cannes de 1995.

Nos anos 1980, Deneuve continuou fazendo trabalhos importantes em O Último Metrô de François Truffaut e Fome de Viver, de Tony Scott, junto com Susan Sarandon e David Bowie, no papel de uma vampira gótica e bissexual, que a transformaria num ícone de lésbicas, gays, góticos e novos artistas da década de 1980.

Deneuve sobreviveu como ícone do cinema nos anos 1990, recebendo seu segundo César (o maior prêmio do cinema francês) e uma indicação ao Oscar de melhor atriz pelo filme Indochina, de 1992, que naquele ano ganharia o Oscar de melhor filme estrangeiro da Academia de Hollywood. Seus últimos filmes de sucesso mundial foram Dançando no Escuro, de Lars Von Trier, com a cantora e atriz islandesa Bjork, Palma de Ouro no Festival de Cinema de Cannes em 2000 e 8 Mulheres, de 2002, ao lado de algumas das maiores atrizes francesas como Fanny Ardant e Emmanuelle Béart.

Prémios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar[editar | editar código-fonte]

Indicação

BAFTA[editar | editar código-fonte]

Indicação

Prêmio César[editar | editar código-fonte]

Indicações

David di Donatello[editar | editar código-fonte]

Golden Camera[editar | editar código-fonte]

Moscow International Film Festival[editar | editar código-fonte]

  • 1997 Contribuição ao mundo do cinema

Satellite[editar | editar código-fonte]

Indicações

Festival de Cinema de Veneza[editar | editar código-fonte]

Filmografia selecionada[editar | editar código-fonte]

Filmografia principal
Vício e Virtude (1963) | Os Guarda Chuvas do Amor (1964)  | Repulsa ao Sexo (1965) | Duas Garotas Românticas (1967) | A Bela da Tarde (1967)  | Manon 70 (1968)  | Mayerling (1968)  | A Sereia do Mississipi (1969)  | Tristana (1970)  | Pele de Asno (1970)  | Expresso para Bordeaux (1972)  | O Selvagem (1975)  | O Último Metrô (1980)  | Fome de Viver (1983)  | Place Vendôme (1998)  | Dançando no Escuro (2000) | 8 Mulheres (2002) &nbsp| Um Filme Falado (2003)  |Um Conto de Natal (2008)

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons