Caverna de Escoteino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Caverna de Skotino)
Ir para: navegação, pesquisa
Caverna de Escoteino
Σπήλαιο Σκοτεινού
Entrada da caverna de Escoteino
Localização atual
Caverna de Escoteino está localizado em: Creta
Caverna de Escoteino
Localização da caverna de Escoteino em Creta
Coordenadas 35° 18' 17" N 25° 17' 51" E
País  Grécia
Região Creta
Unidade regional Heraclião
Localidade mais próxima Escoteino
Altitude 220 m
Área 2 500 m²
Dados históricos
Fundação Minoano Médio (ca. 2 000 a.C.)
Abandono Período romano
Início de ocupação Idade do Bronze
Civilização Minoica
Notas
Escavações 1933 • 1953 • 1962
Arqueólogos Arthur EvansJohn PendleburyPaul FaureCostis Davaras
Acesso público Y
Interior da caverna

A caverna de Escoteino[1] (em grego: σπήλαιο Σκοτεινού; transl.: spílaio Skoteinoú) ou caverna de Skotino, também conhecida como caverna de Agia Paraskevi (ou Agía Parasceví), é uma das maiores e mais impressionantes entre as centenas de cavernas de Creta. Foi usada como santuário pagão desde o 3º milênio a.C. até ao período romano, quando foi transformada num santuário cristão, uma tradição que de certa forma ainda se mantém, pois por cima dela há uma capela dedicada a Santa Parasceva, onde todos os anos se realiza uma romaria em 26 de julho.[2] Na opinião do arqueólogo Paul Faure, a caverna poderia ter sido o célebre labirinto de Creta.[3] [2]

Localização e descrição[editar | editar código-fonte]

A caverna situa-se no alto de uma colina, a 225 metros de altitude, a noroeste da vila de Escoteino, na unidade municipal de Goúves e na unidade regional de Heraclião. Em linha reta encontra-se a 1,2 km de Escoteino, 1,6 km a oeste da aldeia de Goúves e 3,3 km a sul da costa do mar de Creta (Cató Goúves); as distâncias por estrada são, respetivamente, 3,7 km, 6,3 km e 9 km.

A caverna tem cerca de 2 500 m² de área, 160 m de profundidade, 36 m de largura e percorrê-la na totalidade implica um percurso de 450 metros. Tem várias formações complexas de estagmites e estalactites, algumas lembrando figuras humanas e de animais. Após a entrada, há uma câmara principal, chamada Mega Nao, com 130 m de comprimento por 33 de largura e 30 de altura. Mais abaixo e à direita há uma profusão de estalactites, algumas que chegam até ao chão. Continuando a descer, encontra-se uma câmara mais pequena, conhecida como "Altar", com 24 m de comprimento por 8,5 de largura e 25 de altura, onde eram realizados sacrifícios. No chão há drenos que provavelmente eram usados para libações e oferendas às divindades do submundo (sangue, azeite, vinho, etc.).[2]

À esquerda da primeira câmara, há uma outra, chamada "Adyton", com 15 por 8 m e 2,3 m de altura, que conduz a outra entrada. A câmara considerada mais espetacular, conhecida como a "Sala de Adoração", entre o "Altar" e o "Adyton", situa-se 50 metros abaixo do nível da entrada; é abobadada e mede 12 por 12,5 m por 10 a 15 m de altura. No inverno esta câmara ficam alagada até um terço da sua altura. O acesso é feito por um corredor com 12 m de comprimento e 2 m de largura. Mais acima, o chamado "Quarto de Orações" tem apenas 7,5 por 5 metros; tem inúmeras estalactites e estalagmites, que formam colunas. Há ainda um outro pequeno espaço, conhecido localmente como "a capelinha", com 12,5 m de comprimento e 1,5 a 5 metros de largura.[2]

A capela dedicada a Santa Parasceva situa-se na parte norte da ravina onde se encontra a entrada principal. Foi construída durante o período veneziano.[4]

Escavações[editar | editar código-fonte]

As escavações na caverna foram realizadas em 1933 por Arthur Evans e John Pendlebury, em 1953 por Paul Faure e em 1962 por Costis Davaras. Os achados indicam que o sítio foi utilizado como um santuário do período minoano médio até o período romano, quando foi transformado em um santuário cristão. A caverna era um santuário importante dedicado a uma divindade feminina da fertilidade, presumivelmente Britomártis. Durante as épocas clássicas grega e romana, a deusa da fertilidade Ártemis ou seu equivalente Diana substituiu a divindade minoica.[2]

Entre os achados arqueológicos há um número considerável de oferendas votivas na forma de objetos de bronze e de cerâmica, uma tradição que, quatro mil anos depois do seu início, tem continuidade nos inúmeros ex-votos deixados na capela por peregrinos.[5]

Referências

  1. Gómez, Manuel Guerra (2002) (em espanhol), Historia de las religiones, Biblioteca de autores cristianos, p. 23, ISBN 9788479144487 
  2. a b c d e Skotino cave (em inglês) Interkriti.org. Visitado em 19 de fevereiro de 2014.
  3. Howarth, Nicholas A. A. (2010), "Labyrinth Lost: From ancient maps to filming for National Geographic" (em inglês), Christ Church Library Newsletter 6 (3): 16–17, ISSN 756-6800, http://www.chch.ox.ac.uk/sites/default/files/Newsletter%20Tri10.pdf, visitado em 19 de fevereiro de 2014 
  4. Skotino cave (em inglês) Cretanbeaches.com. Visitado em 19 de fevereiro de 2014.
  5. Fisher, John; Garvey, Geoff (2007) (em inglês), The Rough Guide to Crete (7ª ed.), Nova Iorque, Londres, Deli: Rough Guides, p. 120, ISBN 978-1-84353-837-0 

Bibliografia complementar[editar | editar código-fonte]

  • Sphakianakis, D.; Kanta, A. (2007), "The Neopalatial Chalice: Forms and Function in the Cave of Skoteino", in Betancourt, P. P.; Nelson, M. C.; Williams, H. (em inglês), Krinoi kai Limenes: Studies in Honor of Joseph and Maria Shaw, 277-283, p. 277-283 
  • Tyree, L.; Kanta, A.; Robinson, H. L. (2008), Evidence for Ritual Eating and Drinking: A View from Skoteino Cave, in L. A., Hitchcock; Laffineur, R.; Crowley, J., "DAIS: The Aegean Feast" (em inglês), Aegaeum (Liège, Austin) (29): 179-185 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Caverna de Escoteino