Caverna dos Cristais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Imagem dos cristais no interior da caverna.

Caverna dos Cristais (em castelhano Cueva de los Cristales) é uma caverna situada na mina de Naica no estado mexicano de Chihuahua. Esta caverna, com dimensões aproximadas de 10 por 30 metros, contém no seu interior cristais gigantes de selenite, alguns dos maiores cristais naturais já encontrados no mundo.[1] [2] O maior cristal tem 11 metros de comprimento[3] (algumas fontes alegam ter 12 metros),[4] 4 metros de diâmetro e pesa cerca de 55 toneladas. O ambiente no interior da caverna é extremamente agressivo, com a temperatura a atingir máximos de 58 °C e 90 a 100 % de umidade.[5]

Formação dos cristais[editar | editar código-fonte]

A mina de Naica se encontra numa falha por cima de uma câmera de magma, o que gera as condições necessárias para formação dos cristais. O enorme calor gerado pelo magma aqueceu a água que se encontrava retida nas câmeras, que ficou saturada/impregnada de diversos minerais, nomeadamente Gipsita. Estas câmeras encontraram-se submersas e saturadas de minerais, durante 500.000 anos aproximadamente, durante os quais a água manteve uma temperatura estabilizada de 50 °C, o que permitiu aos cristais crescerem e tomarem dimensões bastante elevadas.

Descoberta[editar | editar código-fonte]

Em 1910 os trabalhadores descobriram uma câmera abaixo dos trabalhos da mina de Naica, a gruta/caverna das Espadas (es. cueva de las Espadas). Encontra-se a 120 m de profundidade acima da Caverna dos Cristais e contem espetaculares, embora pequenos em dimensão (1 m comprimento), cristais em forma de espada. Crê-se que nesta zona as temperaturas de transição tenham diminuído mais rápido, o que interrompeu o crescimento dos cristais. A câmera com os cristais gigantes foi descoberta em 2000, por trabalhadores que escavam um túnel de ligação. A Caverna dos Cristais tem a forma de U e encontra-se em solo calcário. O seu chão está coberto de incríveis cristais tendo o maior aproximadamente 11 m de comprimento e 4 m diâmetro. As grutas encontram-se acessíveis hoje pois os trabalhadores da mina extraem a água com bombas de água. Se a extração fosse interrompida as câmeras encher-se-iam novamente de água. Duas outras câmeras foram descobertas em 2000, a caverna de Queen’s Eye e a caverna das Velas (Candles's cave) e, em 2009 numa outra escavação, foi descoberta outra câmera, a maior profundidade, a que chamaram Palácio do Gelo/Palácio Gelado (Ice Palace) que fica a 150 m de profundidade e não se encontrava submersa o que não permitiu aos cristais desenvolverem-se. A exploração destas grutas é bastante difícil, por não ser segura uma vez que esta coberta de cristais afiados, mas também devido às condições. A sua temperatura e umidade não permite ao ser humano uma exposição superior a 10 minutos. Como tal cientistas criaram fatos adequados às circunstancias, com circuitos de arrefecimento ligados a uma mochila de aprox. 20 kg cheia de água gelada e gelo, o que lhes permitiu períodos de aproximadamente 30 minutos de exploração.

Futuro encerramento[editar | editar código-fonte]

Os exploradores creem na existência de outras câmeras, tanto abaixo como em frente da Caverna dos Cristais, entretanto, sua exploração não é viável, uma vez que teriam de destruir os cristais existentes. Ficou estabelecido que mais tarde as câmeras seriam novamente seladas e o nível da água irá assegurar o crescimento dos cristais.

Referências

  1. Lovgren, Stefan (6 de abril de 2007). Giant Crystal Cave's Mystery Solved National Geographic News.. Página visitada em 2009-06-12.
  2. Equipe da BBC visita Caverna dos Cristais no México (em português)
  3. Giant Crystal Cave Comes to Light (em inglês)
  4. The Giant Crystal Project Site (em inglês)
  5. Shea, Neil (novembro 2008). Crystal palace National Geographic Magazine.. Página visitada em 2009-06-12.
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia do México é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.