Cecília de França

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Casamento das filhas de Filipe I de França (iluminura da Historia de Guilherme de Tiro e continuação, século XV, Biblioteca Nacional de França)

Cecília de França (1097 — depois de 1145) era filha do rei Filipe I de França, do seu matrimónio com Bertranda de Monforte.[1] Foi esposa dos soberanos cruzados Tancredo da Galileia e Pôncio de Trípoli.

O seu primeiro casamento foi combinado quando Boemundo I de Antioquia visitou a corte francesa procurando apoios para o seu principado. Cecília viajou por mar até Antioquia no final de 1106 e casou-se no mesmo ano com Tancredo da Galileia, na época regente do Principado de Antioquia e do Condado de Edessa.

Ao morrer sem descendência em 1112, Tancredo fez Pôncio de Trípoli, filho de Bertrando de Toulouse, prometer que se casaria com a sua viúva, oferecendo como dote as fortalezas de Arcicanum e Rugia. Este segundo matrimónio ocorreu em 1115 e deste nasceram:

  • Raimundo II de Trípoli (1116 — 1152)
  • Filipe (1126 — 1142)
  • Inês (m. antes de Março de 1183), casada com Reinaldo II, senhor de Marqab

Em 1126 tornou-se Senhora de Tarso e Mamistra (antiga Mopsuéstia, próximo a Adana), na Arménia Cilícia. Em 1133 Pôncio foi cercado no seu castelo de Montferrand por Zengi, atabei de Mossul, e Cecília apelou ao seu meio-irmão materno Fulque, rei de Jerusalém, para o ajudar. Zengi abandonou o cerco mas, durante um segundo cerco em 1137, Pôncio foi aprisionado e morto, sendo sucedido no Condado de Trípoli pelo filho Raimundo.

Notas

  1. Cecília é referenciada na Historia Regum Francorum Monasterii Sancti Dionysii (História do Reino dos Francos do Mosteiro de São Dionísio), que fala de "Philippum et Florum et filiam unam" (Filipe e Fleury e uma filha) como a descendência de "Philippus rex [et] Fulconi Rechin Andagavorum comiti uxorem" (Rei Filipe e Bertranda), especificando que a filha não nomeada casou com "Tanchredus Anthiochenus" (Tancredo de Antioquia). A filiação de Cecília também foi registrada por Guilherme de Tiro, arcebispo de Tiro e cronista das cruzadas, que escreveu sobre os seus dois casamentos.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cecília de França