Cecil Thiré

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cecil Thiré
Cecil Thiré
Nome completo Cecil Aldary Thiré
Nascimento 28 de maio de 1943 (71 anos)
Rio de Janeiro, RJ
 Brasil
Ocupação ator e diretor
Cônjuge Nancy Galvão (2006 - presente)
Carolina Cavalcanti (1985 - 1990)
Norma Pesce (1968 - 1984)
Atividade 1952 - hoje
IMDb: (inglês)

Cecil Aldary Thiré (Rio de Janeiro, 28 de maio de 1943) é um consagrado ator e diretor brasileiro. Atua em cinema, teatro e televisão e é professor de interpretação. É filho da consagrada atriz Tônia Carreiro e do artista plástico Carlos Arthur Thiré. É pai dos Miguel Thiré, Carlos Thiré e Luísa Thiré.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho único da atriz Tônia Carrero e do diretor de cinema e artista plástico Carlos Arthur Thiré, recebeu este nome em homenagem ao diretor e produtor norte-americano Cecil B. DeMille. É neto do professor Cecil Thiré, companheiro de Malba Tahan na escrita de livros de Matemática, ambos professores do Colégio Pedro II. Foi uma criança muito fechada e quieta, pois sofria com a ausência da mãe, envolvida com sua carreira de atriz.

Aos 17 anos estudou interpretação com Adolfo Celi e trabalhou intensamente em teatro na década de 1960. Mas, carregando o peso de ser apenas o filho de Tônia, precisou fazer oito anos de análise para superar este estigma e conviver bem com a profissão. A partir de então, trabalhou diversas vezes ao lado da mãe.

Aos 19 anos, dirigiu seu primeiro filme, o curta metragem Os Mendigos. Em 1967, assinou a direção do longa metragem O diabo mora no sangue e, depois, de O Ibrahim do subúrbio. Como ator, esteve no elenco de mais de vinte filmes, tendo começado aos nove anos, numa pequena aparição em Tico-tico no fubá, estrelado por Tônia.

Inicia-se na direção teatral em 1971, em Casa de Bonecas, de Henrik Ibsen. Em 1975, dirige A noite dos campeões, de Jason Miller, e ganha o Prêmio Moliére. Segue ininterruptamente com trabalhos no teatro como ator e diretor, às vezes como ambos, até 1984. Neste ano, afasta-se dos palcos, para se dedicar ao ensino de teatro, retornando dez anos depois, em três montagens consecutivas. São mais de quarenta peças como ator e outro tanto como diretor.

Na televisão, atuou em vinte novelas e minisséries e esteve por oito anos em programas humorísticos da Rede Globo. O ponto alto de sua carreira televisiva aconteceu na novela Roda de Fogo, onde interpretou o vilão gay Mário Liberato, que caiu no gosto do público global. Também destacou-se em outras tramas, como O Espigão, Escalada, Sol de Verão, Champagne, Top Model e A Próxima Vítima, esta última onde viveu Adalberto Vasconcelos, o grande assassino da trama.

Em 2006, saiu da Globo, onde participava do humorístico Zorra Total, e assinou contrato com a TV Record para participar da novela Cidadão Brasileiro, de Lauro César Muniz. Participou da novela Vidas Opostas, de Marcílio Moraes. Atualmente tem um contratado de longo prazo pela emissora para atuar como ator e diretor.

Foi responsável pela implantação, em 1986, da Casa da Interpretação, na Casa das Artes no bairro carioca de Laranjeiras, e foi fundador da Oficina de Atores da Rede Globo. Ministra regularmente cursos de interpretação nessas e em outras instituições, tendo colaborado na formação de atores em várias cidades do país.

É proprietário de um sítio em Piraí, onde cria gado, e de um restaurante no balneário de Rio das Ostras.

Em 2006, está casado com a diretora teatral Nancy Galvão. De seu primeiro casamento com a produtora musical Norma Thiré teve os filhos Carlos, Luiza e Miguel, todos ligados à arte de interpretar. De sua união com a modelo Carolina Cavalcanti, nasceu João, em 1989.

Desde a década de 90, Cecil Thiré participa do espetáculo A Paixão de Cristo, apresentado em Angra dos Reis e nos Arcos da Lapa, no Rio de Janeiro, no papel de Pôncio Pilatos.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Na televisão[editar | editar código-fonte]

No cinema[editar | editar código-fonte]

No teatro[editar | editar código-fonte]

  • 2002 - Variações Enigmáticas
  • 2006 - O Último Suspiro da Palmeira
  • 2011 - A Lição (Governanta Maria) & A Cantora Careca (Sr. Smith)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

aqui.