Celso Giglio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{subst:rec}}


Celso Giglio
Deputado Estadual por São Paulo São Paulo
Mandato 1 de Janeiro de 2007
até 1 de Janeiro de 2015
2 mandatos
10º Prefeito de Osasco Bandeira Osasco.gif
Mandato 1 de Janeiro de 2001
até 1 de Janeiro de 2005
Antecessor(a) Silas Bortolosso
Sucessor(a) Emídio Pereira de Souza
Prefeito de Osasco Bandeira Osasco.gif
Mandato 1 de Janeiro de 1993
até 1 de Janeiro de 1997
Antecessor(a) Francisco Rossi
Sucessor(a) Silas Bortolosso
Vereador por Osasco Bandeira Osasco.gif
Mandato 1 de Janeiro de 1989
até 1 de Janeiro de 1990
Deputado Estadual por São Paulo São Paulo
Mandato 1 de Janeiro de 1990
até 1 de Janeiro de 1993
Vida
Nascimento 19 de fevereiro de 1941 (73 anos)
Campinas,SP São Paulo
Nacionalidade  Brasil
Dados pessoais
Cônjuge Gloria Giglio
Partido PSDB
Profissão Médico e político

Celso Giglio (Campinas, 19 de fevereiro de 1941) é um médico e político brasileiro filiado ao PSDB. Foi casado com Glória Giglio, com quem teve cinco filhos e quatro netos. Formou-se em Medicina, na Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro, foi residente de cirurgia na Associação de Combate ao Câncer do Brasil Central e especializou-se em Cirurgia Geral e Obstetrícia na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Formou-se em Administração Hospitalar pela USP e especializou-se em Ginecologia e Obstetrícia.

Em 1988, Celso Giglio foi eleito vereador em Osasco. Em 1992, foi eleito prefeito da mesma cidade, com 54,12% dos votos. Celso teve sua administração reconhecida por todo o país. Quando seu mandato acabou, recebeu o indíce de 92% de aprovação popular, se tornando o prefeito que teve a nota mais alta do Brasil.

Em 2000, voltou à prefeitura de Osasco, com o lema "Cidade Trabalho", fazendo importantes intervenções, construindo uma cidade melhor e mais humana para as futuras gerações. Em 2004 tentou a reeleição, mas perdeu para Emídio Pereira de Souza no segundo turno , quando deixou o caixa da prefeitura com dívidas a pagar desacompanhadas da devida previsão orçamentária para pagá-las, além de ter permitido que o déficit da administração municipal subisse 80% durante sua gestão. Em meados das eleições municipais de Osasco de 2012, foi cassada a candidatura de Celso Giglio. A decisão foi unânime, tendo sido aprovada por 5 votos a 0 no TRE-SP.

Tambem foi autor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) apresentada pela primeira vez em 1999, quando era deputado federal.

A PEC número 54 foi batizada pela grande imprensa de “trem da alegria”. A proposta permitia efetivar funcionários públicos não concursados: cerca de 260 mil no total. Assinado por Celso Giglio e com parecer favorável do relator Antônio Fleury (PTB), a proposta recebeu diversos requerimentos pedindo a sua colocação na ordem do dia (para ser votada). O projeto de 1999 dava estabilidade a cerca de 60 mil servidores contratados sem concurso entre 1983 e 1988. No entanto, emendas apresentadas mais tarde estenderiam o benefício a funcionários contratados para serviços temporários em estados, municípios e na União (cerca de 200 mil).

O deputado Celso Giglio foi procurado para falar sobre o projeto, mas não retornou às ligações.

Foi eleito deputado estadual em 2006, tendo sido o deputado com o maior número de votos da cidade de Osasco. [1]

Foi superintendente do IAMSPE, no governo de Geraldo Alckmin, após perder as eleições para prefeito de Osasco.

Além de tudo, Celso Giglio é um líder municipalista. Em 1995 coordenou o movimento "União pelo Município" que teve adesão de 2.700 prefeituras de todo o país, que defendeu os interesses municipais durante o processo de discussão da reforma tributária.

Em 1997 assumiu a presidência da Associação Paulista de Municípios. Em 1998, foi eleito deputado federal (o 5º mais votado de São Paulo e o 1º mais votado da coligação PTB-PSDB, com 190.047 votos), sendo a voz dos municipalistas no Congresso Nacional. [2]

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Site oficial

Referências

  1. [eleicoes.uol.com.br/2006/placar/1turno/sp/index.jhtm?idcidade=67890/| Uol Eleições 2006 em Osasco]
  2. [www.celsogiglio.com.br/biografia/|Biografia de Celso Giglio]
Precedido por
Silas Bortolosso
Prefeito de Osasco
20012004
Sucedido por
Emídio Pereira de Souza
Precedido por
Francisco Rossi
Prefeito de Osasco
19931996
Sucedido por
Silas Bortolosso
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.