Celso Pixinga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Agosto de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Celso Pixinga
Informação geral
Nome completo Celso Claudio Cascarelli
Nascimento 12 de Julho de 1953 (61 anos)
Origem São Paulo
País  Brasil
Gênero(s) Rock
Blues
Jazz
Fusion
MPB
Instrumento(s) Baixo, guitarra, piano
Página oficial [1]

Celso Claudio Cascarelli, conhecido como Celso Pixinga, é um baixista brasileiro, professor e coordenador do IB&T (Instituto de Baixo e Tecnologia) na EM&T (Escola de Música e Tecnologia).[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

"A troca da guitarra pelo baixo foi a coisa mais importante da minha vida musical".[2] É com essa frase que Celso Pixinga define sua história musical. É considerado um virtuoso dos instrumentos de quatro, cinco e seis cordas.[3]

A carreira[editar | editar código-fonte]

Reconhecido no Brasil como um dos mais rápidos contrabaixistas[3] [4] nos baixos de 4 cordas com a utilização da técnica do SLAP. Na década de 80, Celso Pixinga tornou-se professor de contrabaixo e no ano de 1987, lançou seu primeiro trabalho: "Pixinga"[5] e no ano seguinte, apresentou-se no Free Jazz Festival.

"Mr Funk", o segundo disco de sua carreira, foi lançado no ano de 1990, que acabou por trazer faixas como "Gas Truck" e "Gol do Miller". Em 1995, conhecido em todo o país, depois de ter tocado com Evandro Mesquita, Gal Costa, Wanderléa e outros artistas e bandas, tais como o T.N.T, o baixista lançou "Voo Livre", que mostrou com clareza as influências do funk, do jazz e da música brasileira no som produzido por Pixinga.

Em 1997, o músico foi o primeiro contrabaixista a lançar um disco, "Wake Up", no Blue Note de Nova York, conhecido como o templo do jazz, além de tocar com Gonzalo Rubalcaba.[4] Apesar da pouca divulgação da música instrumental no Brasil, Pixinga conseguiu manter-se no cenário dos grandes músicos e gravar seus CDs. Em 2000, chegou às lojas "O Sonhador", no qual Pixinga tocou acompanhado pela PX Band.[carece de fontes?] No mesmo ano, tocou ao lado do baterista americano Dave Weckl.[4]

Uma das características de suas músicas são os ritmos variados. No CD "Quase Acústico", lançado no ano de 2001, o baixista mesclou seu estilo com o samba e outros ritmos brasileiros. O disco lançado no ano de 2002, "Celso Pixinga & A Gig", trouxe os vocais das cantoras Rita Kfouri, Cida Souza, Tatiana Parra e Maria Diniz em músicas dançantes. Além disso, fez releituras de canções de Ivan Lins e Vitor Martins e homenageou os DJs na faixa "Mr DJ".

O CD "O Condutor", foi lançado em 2002 e contou com a participação de apenas dois músicos: ele mesmo, no contrabaixo, e João Carlos Godoy no teclado.[5] O disco é uma junção sutil da música brasileira, latina e os vários estilos do jazz, entre eles o rock, o latino e o tradicional. Os destaques desse trabalho são as canções "Pro Gol", "Intervalo" e a versão de "Milestones" de Miles Davis. Em 2003, lançou "Celso Pixinga".

Em 25 anos de carreira, o contrabaixista conta com 7 vídeo-aulas,[3] 1 contrabaixo e 1 amplificador com seu nome, 2 DVDs e a coordenação do Instituto de Baixo e Tecnologia da EM&T (Escola de Música & Tecnologia). Entre os artistas que já acompanhou estão: Evandro Mesquita, Ângela Rô Rô, Gal Costa, Mozart Mello, Fat Family, Gonzalo Rubalcaba, o baterista Dave Weckl, Taj Mahal, o guitarrista Kiko Loureiro e outros. Além disso, Pixinga já se apresentou em países da Europa, Ásia, América do Norte e América do Sul.[4]

Em 2009, 2010, 2011 e 2013 participou do New Hampshire Bass Fest (Berklee)[3] dando aula e tocou em Boston no "House of Blues com o quarteto "Two Four".[4]

Discografia[editar | editar código-fonte]

[3]

  • Bauru genuíno (ponto Chic) - Berimbau LP, 1982
  • Concentração (Celso Pixinga, 440 e Zona Sul) Jazz and Blues LP, 1986
  • Pixinga - independente LP, 1987
  • Mr. Funk - independente LP, CD, 1990
  • Celso Pixinga e Pavio Curto - A Light At The End Of The Tunnel - 1992
  • Celso Pixinga - O Sonhador - 1994
  • Celso Pixinga & PX Band - Vôo Livre - 1995
  • Celso Pixinga & PX Band II - Wake Up - 1996
  • Celso Pixinga Trio - Quase Acústico - grav 98/ 2001
  • Celso Pixinga - O Condutor - 2002
  • Celso Pixinga & A Gig - 2002
  • Celso Pixinga - 2003
  • Celso Pixinga Ao Vivo - 2004
  • Celso Pixinga - todos por um - 2004
  • Ao Vivo No Sesc Paulista - 2004
  • S.O.S. Baixo - 2005
  • S.O.S. Baixo Ao Vivo - 2005
  • Celso Pixinga - Coletanea Slap
  • Celso Pixinga & Giba Favery -[6] Dupla Dinâmica
  • Bossa Jazz - 2006
  • O Jogo - 2007
  • Celso Pixinga - One More Step - 2008
  • Celso Pixinga - Four - 2009
  • De volta as origens - 2012

Video Aula[editar | editar código-fonte]

  • Celso Pixinga e Giba Favery - Dupla Dinâmica
  • Celso Pixinga - Slap Mania
  • Celso Pixinga - Se meu baixo falasse
  • Celso Pixinga - Super Slap

Referências

  1. Verbete no Dicionário Cravo Albin, página visitada em 6 de agosto de 2013.
  2. Letícia Zakia (2007). Celso Pixinga clicknoticia. Página visitada em 07 de agosto 2013.
  3. a b c d e Baixista Celso Pixinga faz workshop em São Carlos Primeira pagina –jornal de São Carlos (6 de maio 2013). Página visitada em 07 de agosto 2013.
  4. a b c d e Celso Pixinga masteraudio.ind.br. Página visitada em 07 de agosto 2013.
  5. a b Celso Claudio Cascarelli. Celso Pixinga Dicionario Cravo Albin.. Página visitada em 8 de agosto de 2013.
  6. Giba Favery drumchannelbrasil. Página visitada em 07 de agosto 2013.

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • Método de Contrabaixo - SLAP - Celso Pixinga

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre baixistas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.