Celular e câncer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pesquisas não conseguem obter um consenso a respeito da relação entre celulares e câncer.[1]

A relação entre celulares e câncer há anos vem ganhando a atenção de diversos pesquisadores ao redor do mundo, mas no entanto as pesquisas apresentam resultados bastante díspares, distanciando a comunidade científica de um consenso. Enquanto algumas pesquisas mostram que a radiação emitida por aparelhos celulares pode ser maligna para o ser humano,[2] outras no entanto afirmam que nem mesmo as torres de transmissão podem causar mal algum.[3] Contudo, um estudo supervisionado pela OMS que deveria ser publicado no final de 2009 indicava segundo os resultados preliminares que o uso do telefone celular pode ter relação com vários tipos de câncer, em especial tumores cerebrais.[4] O estudo é um projeto cooperativo denominado Interphone[5] Segundo a engenheira e pesquisadora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Adilza Condessa Dode, mais de 80% dos óbitos de pacientes de Belo Horizonte que tinham casos de câncer relacionados à radiação eletromagnética tratava-se de casos de pessoas que moravam a cerca de 500 metros de distância das antenas de telefonia da cidade.[6]

Em 31 de maio de 2011, a Organização Mundial de Saúde publicou um relatório classificando a radiação emitida por telefones celulares portáteis como "possivelmente cancerígena para seres humanos".[7] Esta classificação foi feita após reexames dos estudos preliminares feitos por cientistas sobre a segurança de telefones celulares. Uma destas pesquisas mostrava um aumento de 40% de risco de aparecimento de gliomas na categoria de usuários de uso mais constante do aparelho. (30 minutos por dia durante um período constante de 10 anos).[8]

Mas um estudo, o primeiro a analisar especificamente crianças e o risco de câncer associado a celulares, descobriu que pacientes com tumor cerebral não eram mais propensos a serem usuários regulares de celulares do que os indivíduos de controle que não tinha câncer.“Se o uso de celular fosse um fator de risco, seria de se esperar que pacientes com câncer usassem mais o aparelho”, disse o professor Martin Roosli, que conduziu o estudo no Instituto Tropical e de Saúde Pública, na Basileia, Suíça.[9]

Tabela[editar | editar código-fonte]

A tabela abaixo traz os dez aparelhos de celular com maior taxa de radiação que eram vendidos no Brasil entre 2008-2009.[10]

Fabricante Modelo SAR (W/kg)
HTC HTC Touch Dual P5530 1,834
Apple Inc. A1241 (iPhone) 1,68
LG MD120 1,62
Huawei C218 1,61
LG LG-BX7000 1,56
Motorola V3690 1,55
Motorola V8160 1,51
Samsung SCH-N375 1,47
Motorola C331 (T) e C332 (T) 1,47
Motorola 182c 1,47

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]