Centão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Centão é uma técnica de composição poética através da colagem: o centonista utiliza-se de versos amplamente conhecidos pelo público para compor uma obra nova, de conteúdo totalmente diverso da obra original.

Ausônio é o primeiro a definir a técnica na introdução do seu Cento Nuptialis(composto sobre versos de Virgílio)[1] .


As fontes dos versos dos centões[editar | editar código-fonte]

Virgílio é a fonte dos versos da quase totalidade dos centões latinos que chegaram até nós. Ausônio, no seu Cento Nuptialis diverte-se fazendo Virgílio cantar "segredos do quarto e do leito"[2] .

Principais centonistas[editar | editar código-fonte]

Pagãos[editar | editar código-fonte]

Entre os centonistas pagãos prevalece a busca de efeitos cômicos gerados pela intertextualidade: o leitor ri ao ver os grandiosos hexâmetros virgilianos cantando banalidades ao mesmo tempo em que é capaz de resgatar o significado original daqueles mesmos versos. Um exemplo, é o já citado Ausônio e seu Cento Nuptialis.

Uma exceção entre os pagãos é Hosídio Geta,centonista cartaginês que usa os versos de Virgílio para construir a sua Medeia (uma tragédia). Hosídio consegue efeitos curiosos: fazendo Virgílio cantar Medeia o faz cantar Dido, ao mesmo tempo em que reprochando Jasão faz com que, paralelamente, o leitor sinta Virgílio reprochando Eneias[3] .

Outros centonistas pagãos são: Luxório, a quem é atribuído o Epithalamium Fridi; Mavórcio, a quem é atribuído o Iudicium Paridis; São anônimos: Narcissus, Hippodamia, Hercules et Antaeus, Progne et Philomela, Europa, Alcesta, De Panificio, De Alea.


Cristãos[editar | editar código-fonte]

Já os centonistas cristãos, usam os versos de Virgílio para fazê-lo cantar Jesus de Nazaré como um personagem épico, e histórias do antigo e do novo Testamentos. A principal centonista cristã é Proba com seu Carmen Sacrum[4] . Aqui, a técnica centonista constitui um recurso para burlar a proibição do uso de literatura pagã para a formação cristã: Proba constrói uma obra original para cantar a personagem central do cristianismo sem perder a grandeza dos hexâmetros virgilianos.

Alguns centonistas de tradição cristã são: Mavórcio, a quem é atribuído De Ecclesia; Pompônio, a quem é atribuído o Versus ad Gratiam Domini; Proba, a quem são atribuídos o Carmen Sacrum e o Cento Probae. É anônimo o De Verbi Incarnatione.


Traduções em língua portuguesa[editar | editar código-fonte]

Em 2011, Márcio Meirelles Gouvêa Jr. publicou uma tradução integral do Cento Nuptialis de Ausônio [5] . Para traduzir, utilizou-se igualmente da técnica centonista, uma vez que construiu sua tradução a partir do Virgílio Brazileiro (tradução integral da obra do poeta mantuano em decassílabos, pelo maranhense Manuel Odorico Mendes.

Referências

  1. GOUVÊA Jr., Márcio Meirelles. Ostomachion: Ausônio e a métrica dos centões latinos. elo Horizonte,2011.
  2. GOUVÊA Jr. Márcio Meirelles. Ostomachion: Ausônio e a métrica dos centões latinos. Belo Horizonte, 2011
  3. GOUVÊA Jr., Márcio Meirelles. Variae Medeae: a recepção da fabula de Medeia na literatura latina. Belo Horizonte, 2013.
  4. GOUVÊA Jr., Márcio Meirelles. O Carmen Sacrum de Proba. Belo Horizonte 2010.
  5. GOUVÊA Jr. Márcio Meirelles. Ostomachion: Ausônio e a métrica dos centões latinos. Belo Horizonte, 2011