Central (Bahia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Central
Bandeira de Central
Brasão de Central
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 1958
Gentílico centralense
Prefeito(a) Monteiro (PT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Central
Localização de Central na Bahia
Central está localizado em: Brasil
Central
Localização de Central no Brasil
11° 08' 09" S 42° 06' 46" O11° 08' 09" S 42° 06' 46" O
Unidade federativa  Bahia
Mesorregião Centro Norte Baiano IBGE/2008 [1]
Microrregião Irecê IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Uibaí,Irecê, Itaguaçu da Bahia
Distância até a capital 510 km
Características geográficas
Área 606,999 km² [2]
População 18 061 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 29,75 hab./km²
Altitude 698 m m
Clima Tropical Atlântico
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,596 baixo PNUD/2010 [4]
PIB R$ 47 658,803 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 2 658,34 IBGE/2008[5]
Página oficial

Central é um município brasileiro do estado da Bahia.

História[editar | editar código-fonte]

O português Alberto Pires de Carvalho partiu de Jacobina para Xique-Xique, e mais tarde para Tiririca, residindo nesse povoado e adquirindo por compra as terras. No povoado de Saco dos Bois, vizinho a Itaguaçu, morava um fazendeiro que com a ajuda dos vaqueiros, cachorros e ferrões aprisionaram uma índia que denominaram de Felícia que com quatro anos estava mansa. Chegando ao conhecimento da Sr. Alberto Pires de Carvalho a fama da beleza da índia, foi conhecê-la, apaixonando-se, encontrando ali a futura esposa e mãe de seus vinte e quatro filhos que aumentaram a população de Tiririca e iniciaram futuramente a de Central.

Conhecida também como "Roça de Dentro", Central era o lugar preferido pelos fazendeiros ricos para plantar e cultivar o feijão e o sisal.O povoado de Riacho Largo serviu como ponto de apoio, daí as famílias cresceram, o que fez com que alguns começassem a procurar terras de maior produtividade. Foi assim que Izidro José Ferreira cuidou de fazer uma rocinha na região do Juá da Espera, ao nascente de Riacho Largo, em 1870. Não se contentando com as conquistas até ali, Izidro e outros começaram a trabalhar em novos objetivos, novas conquistas, com picadas na caatinga trabalhado por vários dias, eram quatro sendo os outros três os dois filhos Manoel, Lúcio Ferreira e o seu genro Francisco Ferreira dos Santos, vulgo Chico Ferreira.

Trabalhavam arduamente e dormiam na mata, sempre em direção ao nascente. No quinto dia de serviço, após ultrapassarem a área hoje, Central, voltaram um pouco, mas à noite não dormiram por causa da sede, pois não mais servia a água de coroá e outras plantas. Pela manhã, entretanto, viram pássaros voando numa só direção e Manoel Ferreira, destemido e curioso, viajou na direção do voo dos pássaros e, ao sair do sol, encontrou as pedreiras da Toca Velha, mas sendo a toda de dentro, ao sul da outra e nela havia um pouquinho de água. Manoel Ferreira gritou seus companheiros e todos beberam à vontade, permanecendo ai por dois dias, planejando a volta para o Riacho Largo, até que encontraram a área que atualmente encontra se Central[carece de fontes?].

Hoje Central se encontra ao oeste da Bahia e graças à Sr. Alberto Pires de Carvalho além da cidade possuir escolas, hospitais, clinicas, praças, rodoviária, bancos, prefeitura e fórum. Central também possui seus pontos turísticos que são as pinturas rupestres localizadas no povoado de Riacho Largo e Boqueirão e possui o Museu Arqueológico fundado pela arqueóloga Maria Beltrão ela coordenou o "Projeto Central" desenvolvido no interior da Bahia a partir de dezembro de 1982, contando com a participação de arqueólogos estrangeiros a partir de 1983. Coordenou escavações arqueológicas em Central, BA, incluindo trabalhos de escavações na Toca da Esperança, Toca do Aragão, levantamento de sinalizações rupestres na Toca da Lagoa da Velha, Toca do Caldeirão e Canyon da Vacaria, no período de 12 de setembro a 2 de outubro de 1989. Coordenou as prospecções e escavações em Central/BA, no período de 4 de julho a 2 de agosto de 1991, Sítios Toca da Esperança, Toca do Manoel Latão, Toca do Sol, Toca dos Ossos Humanos e Abrigo da Lesma. Conforme Portaria n° 79 de 30 de agosto de 1991.

O Grupo Pierre Martin de Espeleologia (GPME) desenvolve desde 2003 projeto de levantamento espeleológico e documentação das grutas e cavernas (cavidades naturais subterrâneas) da Serra do Calcário, que além de Central abrange os municípios de Itaguaçu da Bahia e Jussara. Os afloramentos da Serra do Calcário possuem extensão aproximada leste-oeste de 16 km e norte-sul de 3,5 km, com centenas de cavidades naturais subterrâneas. O GPME já documentou e mapeou mais de 50 cavidades até o momento, com algumas cavidades ultrapassando 1 km de desenvolvimento subterrâneo. O Laboratório de Estudos Subterrâneos da Universidade Federal de São Carlos, instituição de pesquisa parceira do GPME, já identificou inúmeras espécies troglóbias (adaptadas a vida subterrânea) em diversas cavidades da Serra do Calcário.

O município de Central tem empancipação política em 14 de agosto de 1960, contando há muitos anos com uma tradicional festa para comemorar essa data tão especial para seus habitantes. Na data a cidade recebe muitos turistas da região e de outras partes de todo o Brasil.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Sua população estimada em 2009 era de 18 029 habitantes.

Com uma população estimada em 17.013 (dados do IBGE do senso de 2010) habitantes, com IDH 0,614( médio PNUD/2000), e o PIB de R$ 47.658803 mil do IBGE/2008 e um PIB per capita de R$2.658,34 IBGE/2008  sua sociedade é formada por um povo que tem origens na miscigenação entre indígenas, africanos e europeus e que traz na maneira de trabalhar a terra, na culinária e nos festejos, características das culturas que os originaram.

Está localizada na latitude 11º 08’ em na longitude 42º 06’ e dispondo de uma densidade demografia de 28,05 habitante/k²  que ocupa uma área de 602 Km²  e dispondo de uma altitude de 698 metros, localizada a 510 km da Capital do Estado, às margens da BR 052 na Estrada do Feijão, região semi-árida, tipo de vegetação Caatinga hidrografia possuindo uma nascente no povoado de Riacho Largo, que deságua no Rio Verde que faz foz no Rio Francisco com o  fuso horário que   é o UTC-3, na Mesorregião do Centro-Norte, da microrregião de Irecê do Estado da  Bahia e  ainda tendo como limítrofes as cidades de Itaguaçu da Bahia, Uibaí, Presidente Dutra, Jussara e ficando a uma distância da cidade sede da microrregião Irecê a 36 km ou equivalente há meia hora de viagem.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Central possui uma nascente no povoado de Riacho Largo, desaguando no Rio Verde que faz foz então no Rio São Francisco.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Administração[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 24 de agosto de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Baci-4s.jpg O município possui sítio arqueológico (arte rupestre brasileira) de interesse histórico e turístico!
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado da Bahia é um esboço relacionado ao WikiProjeto Nordeste do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.