Central Sport Club (Barra do Piraí)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Central
Central Sport Club RJ.jpg
Nome Central Sport Club (Barra do Piraí)
Alcunhas Diabo do Vale do Paraíba, Rubro barrense
Mascote Brasinha
Fundação 1 de janeiro de 1922 (92 anos)
Estádio Mário Tamborindeguy
Capacidade 800
Presidente Brasil Carlos Roberto Ferreira (Gulô)
Competição Rio de Janeiro Campeonato Carioca - Série C
Website Site oficial
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

Central Sport Club é uma agremiação esportiva da cidade de Barra do Piraí, no estado do Rio de Janeiro, fundada a 1 de janeiro de 1922.

História[editar | editar código-fonte]

Uma das mais tradicionais agremiações do interior fluminense criada por funcionários da antiga RFFSA, todos torcedores do America Football Club, o Central, alcunhado de diabo pelos seus torcedores, se sagrou campeão estadual do antigo Campeonato Fluminense em 1970, 1971 e 1976, além de vice-campeão em 1952. É protagonista de um antigo e disputado clássico na cidade de Barra do Piraí com o seu co-irmão e rival Royal Sport Club.

Em 1952, perdeu o título estadual fluminense para o Adrianino Atlético Clube, de Engenheiro Paulo de Frontin.

Em 1976, superou a primeira fase denominada Zona Sul-fluminense/Baixada ao deixar para trás o Mesquita Futebol Clube e o Paraíso Futebol Clube, da cidade de Resende. Na segunda fase superou o Campos Atlético Associação e o Manufatora Atlético Clube, de Niterói. Chegando à final, bateu o clube campista Paraíso Futebol Clube, em Niterói, por 1 a 0, sagrando-se campeão fluminense pela última vez.

Com a fusão dos antigos estados da Guanabara e Rio de Janeiro, o Central se licenciou das competições até 1984, quando retornou finalmente, disputando o Campeonato Estadual da Terceira Divisão de Profissionais. Acabou sendo o último de sua chave, na primeira fase, não se classificando para a seguinte, sendo logo eliminado.

Em 1985, faz a sua melhor campanha depois da reunificação dos dois estados. Se classifica em segundo lugar em sua chave, na fase preliminar, atrás somente do Tomazinho Futebol Clube, e faz uma belíssima campanha na fase final, ficando em segundo lugar, logo atrás do Porto Alegre Futebol Clube. Ambos chegam à finalíssima e o Porto Alegre é o campeão daquele ano com uma vitória por 1 a 0. O Central chega finalmente na Segunda Divisão do Rio de Janeiro.

Em 1986, já na Segunda Divisão, fica em sétimo lugar na classificação geral. O Porto Alegre Futebol Clube é novamente o campeão daquele ano, conseguindo o seu segundo acesso consecutivo. O vice é a Associação Atlética Cabofriense.

Em 1987, fica em terceiro lugar no primeiro turno, atrás de Friburguense Atlético Clube e Bonsucesso Futebol Clube, e em segundo lugar no turno seguinte, atrás somente do Volta Redonda Futebol Clube, que é o campeão daquele ano ao vencer o Friburguense na final por 2 a 1.

Em 1988, é quinto colocado no primeiro turno e quarto no segundo, não conseguindo alcançar a fase final. Subiram o Esporte Clube Nova Cidade, de Nilópolis e o Olaria Atlético Clube.

Em 1989, se licencia dos campeonatos de âmbito profissional. Retorna apenas em 1991 na Segunda Divisão de Profissionais, na prática a Terceira, pois a verdadeira Segunda virara Módulo "B" da Primeira Divisão. Na primeira fase fica em terceiro em sua chave, atrás somente do Entrerriense Futebol Clube e do Barra Mansa Futebol Clube. Na segunda fase repete a mesma colocação, não alcançando a finalíssima que foi disputada pelos campeões de duas chaves, o próprio Entrerriense Futebol Clube e o Saquarema Futebol Clube, que se sagrou campeão daquele campeonato. Ambos foram promovidos ao chamado Módulo "B" da Primeira Divisão. Desse elenco do Central, saíram os zagueiros Batata que viria a ser campeão mundial pelo Corinthians, em 2000, fazendo dupla com Gamarra e o também zagueiro Ronaldo Guiaro, medalha de bronze nas Olimpíadas de Atlanta, em 1996, que teve passagens por Benfica, Santos e Atlético Mineiro. O Central foi um dos clubes que ajudou na formação do volante Ramirez, destaque na Seleção Brasileira.

Em 1992, se licencia novamente do profissionalismo. Advém um novo período de licença ainda mais longo.

Em 2000, desiste de participar da chamada Quarta Divisão. Em 2006, voltou ao futebol profissional, porém, desistiu da participação do Torneio Seletivo para o Campeonato Carioca da 2ª Divisão de 2006, logo após ter iniciado a competição. Também desistiu de participar da Terceira Divisão do mesmo ano.

Possui sede social e estádio próprio, o Mário Tamborindeguy, com capacidade para 800 pessoas, e as cores de seu pavilhão são o vermelho e branco.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Estaduais[editar | editar código-fonte]

Outras Campanhas de Destaque[editar | editar código-fonte]

Ligação externa[editar | editar código-fonte]

Fonte[editar | editar código-fonte]

  • VIANA, Eduardo. Implantação do futebol Profissional no Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora Cátedra, s/d.