Centrales

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaCentrales
Diatoms through the microscope.jpg

Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Chromalveolata
Subreino: Heterokontophyta
Filo: Ochrophyta
Classe: Bacillariophyceae ou Diatomophyceae
Ordem: Centrales
Subordens

Centrales é uma ordem tradicional parafilética das algas do filo Heterokontophyta conhecidas como diatomáceas.[1] [2] [3] O nome deriva da forma cêntrica das valvas ou frústulas da diatomácea, que é circular ou elipsóide. As valvas apresentam padrões ornamentais de simetria radial que se observam como pontos ao microscópio óptico. Alguns apresentam também espinhos nas suas valvas, que podem aumentar a área da superfície celular e aumentar a flutuabilidade, ou actuar como medida dissuasória contra os predadores do fitoplâncton. Ao contrário das diatomáceas Pennales, as diatomáceas centrais nunca apresentan rafe (fissura ao longo do eixo longitudinal).

À direita uma diatomácea central comparada com uma diatomáeca Pennales. Desenhos de Ernst Haeckel.

No fim do ciclo celular, as células vegetativas são diplóides e realizam a mitose durante a divisão celular normal. Nas espécies sexuadas, a meiose oogâmica produz gametas haplóides, óvulos ou espermatozóides. Estes fundem-se originando um zigoto que cresce em tamanho para formar um auxósporo a partir do qual se desenvolvem as células vegetativas de tamanho adulto.

Em alguns esquemas taxonómicos,[2] as diatomáceas centrais constituem a ordem Coscinodiscophyceae, em outros a ordem Biddulphiales.[4] No entanto, a taxonomia das diatomáceas está sujeita a mudanças devido ao desenvolvimento de novas ferramentas de análise molecular e genética.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Hoek, C. van den, Mann, D. G. and Jahns, H. M. (1995). Algae : An introduction to phycology, Cambridge University Press, UK.
  2. a b Round, F. E. and Crawford, R. M. (1990). The Diatoms. Biology and Morphology of the Genera, Cambridge University Press, UK.
  3. a b Williams, D. M., Kociolek, J. P., (2007). Pursuit of a natural classification of diatoms: History, monophyly and the rejection of paraphyletic taxa, European Journal of Phycology, 42:3, 313-319.
  4. Tomas, C. R., Hasle G. R., Syvertsen, E. E., Steidinger, K. A., Tangen, K., Throndsen, J., Heimdal, B. R., (1997) Identifying Marine Phytoplankton, Academic Press.