Centro Histórico de Porto Alegre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Centro (Porto Alegre))
Ir para: navegação, pesquisa
Centro Histórico
—  Bairro do Brasil  —
Centro histórico de Porto Alegre mapa.JPG
Distrito Centro
Município Porto Alegre
Área
 - Total 228 hectares
População
 - Total 36,862 hab (2 000)
16,076 homens
20,786 mulheres
    • Densidade 162 hab/ha/km2 
Taxa de crescimento (-) 1,70% (de 1991 a 2000)
Domicílios 17.254
Rendimento médio mensal 12,61 salários mínimos
Fonte: Não disponível
A antiga Matriz e o Palácio do Governador, os dois primeiros edifícios importantes da cidade, erguidos a partir da década de 1770. Aquarela de Herrmann Wendroth, c. 1851
Mapa de Porto Alegre em 1840, definindo a parte mais antiga do Centro Histórico, e vendo-se à esquerda a linha de fortificações erguidas para defesa durante a Revolução Farroupilha

O Centro Histórico é um bairro da cidade brasileira de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul. Foi criado pela lei 2022 de 7 de dezembro de 1959 com o nome de Centro e alterado pela lei 4685 de 21 de dezembro de 1979. Em 22 de janeiro de 2008 sua denominação atual foi fixada pela lei nº 10.364.1

Seus limites são: Avenida Loureiro da Silva; Avenida João Goulart até seu encontro com a Avenida Mauá; desta, até a sua convergência com a Avenida Presidente Castelo Branco; desta, até seu encontro com o Largo Vespasiano Júlio Veppo; deste, até o Complexo Viário Conceição (túnel, elevadas, acessos e Rua da Conceição), em seu prolongamento até a Rua Sarmento Leite; desta, até a Rua Engenheiro Luiz Englert; desta, até seu encontro com a Avenida Perimetral; e, desta, até a confluência da Avenida Loureiro da Silva.1

Seus bairros vizinhos são: Cidade Baixa, Farroupilha, Bom Fim, Independência, Floresta, Marcílio Dias e Praia de Belas.

Origens e evolução[editar | editar código-fonte]

As origens do Centro Histórico se confundem com a própria história de formação de Porto Alegre, e durante muito tempo sua área atual correspondeu aos limites de toda a cidade.2 Seu povoamento iniciou quando em torno de 1732 fixaram-se algumas famílias à beira do lago Guaíba, na ponta da península que define o Centro e junto à desembocadura do arroio Dilúvio, onde havia um atracadouro que foi chamado de Porto do Viamão, ou Porto do Dornelles, uma corruptela de "Ornellas", em referência ao sesmeiro Jerônimo de Ornellas, que havia recebido terras na área do Morro Santana. Na península, onde hoje é a Rua da Praia, os colonos ergueram uma diminuta capela consagrada a São Francisco das Chagas, elevada a curato em 1747, e em torno desta capela começou a se organizar efetivamente a primeira urbanização da futura Porto Alegre.3

Em 1750 o governador de Santa Catarina, Manoel Escudeiro de Souza, recebeu ordens de enviar ao Porto do Viamão parte dos casais que estavam para chegar dos Açores para colonizar o sul do país. Em 1751 foram selecionadas 60 famílias, perfazendo um total de cerca de 300 pessoas, que chegaram ao local em janeiro de 1752, sendo encaminhadas a terras já demarcadas no Morro Santana. Mas o local era pobre em fontes de água e foi abandonado, tendo a população se fixado junto do porto, que por esta razão passou a ser conhecido como Porto dos Casais. Em 1752 chegou nova leva de açorianos, que se juntaram a cerca de 60 milicianos do destacamento do Coronel Cristóvão Pereira de Abreu. Junto com a tropa veio o primeiro religioso, um capelão militar Carmelita, Frei Faustino Antônio de Santo Alberto. Ainda em 1752 a área da península foi desapropriada e disponibilizada legalmente para os colonos já assentados, mas a partilha e entrega efetiva dos lotes rurais individuais só aconteceria em 1772. O primeiro logradouro construído foi o cemitério, na beira do Guaíba e nas proximidades da Praça da Harmonia que, em seguida, foi transferido para o Morro da Praia, atual Praça da Matriz.3

Continuou recebendo outros colonos, mas ainda era apenas um pobre povoado composto principalmente de casas de barro cobertas de palha, que foi elevado a freguesia em 26 de março de 1772, data oficial de fundação da atual capital gaúcha, sob o nome de Freguesia de São Francisco do Porto dos Casais. Na ocasião foi delimitada uma área de 141 ha para a consolidação do centro urbano, ocupando toda a península. Seu destino mudaria radicalmente quando, no ano seguinte, foi transformada em capital da Capitania pelo governador Marcelino de Figueiredo, substituindo Viamão. Ao mesmo tempo seu orago passou de São Francisco das Chagas para a Nossa Senhora Madre de Deus, denominando-se então Freguesia da Nossa Senhora Madre de Deus de Porto Alegre.3

A partir daí a pequena urbe começou a ser reorganizada para cumprir seu novo papel. Em 1774 foram construídos o Arsenal de Guerra, a primeira Igreja Matriz e o Palácio do Governador, e quatro anos depois foram levantadas fortificações no perímetro oposto ao lago. Nas duas décadas seguintes já havia diversas olarias em atividade, indicando uma crescente atividade edilícia, estaleiros já construíam navios sob encomenda para o Rio de Janeiro, o comércio em geral se estruturava, e os vereadores se preocupavam com o embelezamento e limpeza das ruas e logradouros. Também começavam a tomar forma alguma das praças mais antigas de Porto Alegre, como a Praça XV, a Praça da Matriz e a Praça da Alfândega.3

O Mercado Pùblico em 1875.

Durante a Revolução Farroupilha o Centro foi cercado de fortificações, mas a despeito do aumento populacional a malha urbana só voltaria a crescer em 1845, com o fim da Revolução e a derrubada das linhas de defesa. A importância do porto da cidade para a circulação de gentes e bens pela Província toda crescia de acordo, o que iria iniciar um processo de ampliação da cidade à custa do lago, com a construção de sucessivas benfeitorias e aterros no litoral. No Centro se realizavam melhorias em diversos equipamentos públicos, construindo-se fontes para abastecimento de água, modernizando-se a iluminação pública, estendendo-se ruas, criando novos cemitérios, uma nova cadeia, asilos e uma nova Câmara, uma grande casa de ópera (o Theatro São Pedro), ampliando o Mercado Público e estruturando o atendimento médico com a consolidação da Santa Casa de Misericórdia e da Beneficência Portuguesa. Na década de 1880 começava a se fazer notar a tendência da conurbação do Centro com os arrabaldes mais próximos.3

A rua Sete de Setembro na década de 1920
Construção do Viaduto Otávio Rocha e abertura da avenida Borges de Medeiros, década de 1920-1930
A Praça da Alfândega reurbanizada, 1929

Pouco depois, numa nova ordem política orientada pelo Positivismo e amparada por um surto de crescimento industrial e populacional, foi dada ênfase à modernização da cidade, que passou a ser vista como o cartão de visitas do Rio Grande do Sul. De acordo com esta visão, o Centro recebeu muitas melhorias em infraestrutura, ao mesmo tempo que se desencadeava um intenso programa de obras para construção de prédios públicos imponentes.4 5

Esta aceleração, durando até meados da década de 1930, foi conhecida como a fase áurea da arquitetura portoalegrense, renovando a paisagem urbana segundo a estética do ecletismo, a qual, por influência da prestigiada comunidade alemã, foi rapidamente imitada pelas elites para a construção de seus novos palacetes. Foi quando se ergueram alguns dos mais significativos e luxuosos prédios públicos da capital, alguns carregados de simbolismos éticos, sociais e políticos, que se revelavam mais conspicuamente na decoração alegórica das fachadas. São exemplos bem ilustrativos dessa tendência o Palácio Piratini, o Paço Municipal, a Biblioteca Pública, o Banco da Província, os Correios e Telégrafos e a Delegacia Fiscal, boa parte deles construídos pela parceria entre o arquiteto Theodor Wiederspahn, o engenheiro Rudolf Ahrons e o decorador João Vicente Friedrichs, todos de origem alemã.3 6 Essa evolução urbanística acompanhava o surgimento de uma nova cultura burguesa, estimulada pelo afluxo de novos migrantes e imigrantes, agora incluindo judeus, espanhóis, ingleses, franceses, platinos e outros; pela introdução de novas tecnologias na área dos transportes e engenharia, e pela consolidação de uma elite capitalista, o que tornou a sociabilidade e os espaços urbanos mais complexos, exclusivos e diversificados.7

Otávio Rocha empenhou-se ainda mais para a reforma da cidade, desejando transformá-la em uma "nova Paris". O projeto urbano já passava a ser consideravelmente determinado pelo rápido aumento no número de veículos circulantes. Desta forma, seu programa enfatizava o aspecto de circulação, sendo prevista a construção de avenidas largas, bulevares e rótulas e, para isso, especialmente na área central, foram derrubados dezenas de antigos casarões e cortiços decadentes, que simbolizavam pobreza e atraso, ao mesmo tempo em que se incrementava diversos outros equipamentos e serviços públicos.8 9 Também foi iniciada uma campanha de "saneamento moral" do centro, com o combate à prostituição, à mendicância, ao jogo e ao alcoolismo.10

Os ideais positivistas também influenciaram o plano cultural. Como consequência disso, foram fundados muitos estabelecimentos que mostravam o interesse do governo pelas diversas áreas da vida social e intelectual do Estado republicano, como o o Arquivo Público do Estado,11 o Instituto Livre de Belas Artes,12 e o Museu Júlio de Castilhos,13 ao mesmo tempo em que começava a dar frutos a atividade das primeiras faculdades, instaladas no ocaso do século XIX: Farmácia e Química em 1895, Engenharia em 1896, Medicina em 1898 e Direito em 1900,3 criando com isso uma nova categoria social: a dos estudantes acadêmicos, com hábitos e até mesmo uma gíria peculiares.14

O antigo Mercado Livre, ícone da arquitetura Déco, demolido.

A década de 1950 foi a do auge do Centro de Porto Alegre; já era densamente edificado e tinha a Rua da Praia como a principal passarela da elite, transformada de ponto dos atacadistas em zona do comércio elegante, atraindo também a instalação de inúmeros cafés, confeitarias, cinemas e restaurantes. Se tornou além disso o local preferido para a reunião popular em eventos cívicos e manifestações políticas, algumas vezes testemunhando cenas de violência coletiva.15 Na verdade, nesta época somente se consagrou em definitivo o papel que a Rua da Praia já vinha desempenhando na cultura urbana desde muito antes, o de coluna vertebral e principal artéria de circulação de bens e ideias da cidade, centro aglutinador e irradiador de tendências e cultura, e emblema de identidade para os portoalegrenses. Passara até ela mesma a se tornar um tema ou cenário recorrente na produção cultural e literária da cidade.16

Thompson Flores, assumindo a Prefeitura em 1969, fez um governo caracterizado por grandes obras, em especial na área dos transportes, favorecido pelo surto econômico do Milagre Brasileiro. Construiu grandes viadutos, mas a abordagem tecnicista dos projetos como regra desconsiderou a vontade popular na priorização dos investimentos e aspectos elementares de paisagismo urbano, e nesse afã progressista desapareceram inúmeros edifícios antigos, alguns de grande significado histórico e arquitetônico. A fisionomia do Centro empobreceu, pois a qualidade geral das novas edificações decaiu e, salvo rara exceção, não pôde ocupar o lugar icônico de tantas edificações históricas valiosas que haviam sido destruídas.17 18

Declínio e revitalização[editar | editar código-fonte]

Comércio informal no Centro, antes da construção do camelódromo.

A decadência do Centro Histórico iniciou quando se deu permissão, nos anos 60, para que ali atuassem camelôs cegos. Entretanto, logo não somente os cegos se instalaram, mas uma multidão de outros comerciantes informais. A situação se tornou caótica quando o prefeito Alceu Collares expediu, nos anos 80, alvarás reconhecendo a atividade, acrescentando-se ao número autorizado uma enorme quantidade de ativos ilegais. À medida que os camelôs tomavam conta de todas as ruas centrais, o comércio tradicional se retraía, e muitas lojas tradicionais, como a Bromberg, Marinha Magazine e Guaspari encerraram suas atividades. Vários outros estabelecimentos que deram glamour ao Centro em anos anteriores também fecharam suas portas, incluindo vários cinemas, confeitarias, cafés e restaurantes.19 20

Ainda nos anos 80 vários outros fatores entraram em jogo para desvitalizar o Centro: o declínio do seu antigo distrito industrial; a formulação de um novo padrão de zoneamento urbano, perdendo muito de sua função residencial; as escassas condições de corresponder à crescente demanda habitacional; a especulação imobiliária; o aumento da criminalidade; a descentralização de investimentos e a construção de diversos grandes centros comerciais nos bairros, e o deslocamento de diversos órgãos administrativos estaduais e municipais para outros locais. Ao mesmo tempo a área central começou a se despovoar de residentes e do comércio de luxo, tornando inexorável sua degradação.20 21 Segundo Brawers et alii,

"Enquanto a população de Porto Alegre crescia 26% no ultimo quarto do século XX, o Centro perdia um terço de seus habitantes. Quinze mil pessoas debandaram, reduzindo a população da área de 49 mil em 1980 para 34 mil hoje (2006). O bairro apresentou taxa de crescimento negativa de 1,7% ao ano no período de 1991 a 2000. Segundo a Secretaria do Planejamento Municipal, um de cada 10 imóveis do bairro está desocupado.... O Centro é hoje, entre os 78 bairros de Porto Alegre, aquele com maior número de imóveis usados à venda, 8% do total da cidade".22

Paralelamente, enquanto as instâncias administrativas procuravam reorganizar o tecido urbano em bases mais objetivas, com a criação em 1981 da Equipe do Patrimônio Histórico e Cultural iniciou-se um processo de estudo e resgate dos bens culturais de propriedade do Município de especial interesse histórico, social e arquitetônico, sistematizando os tombamentos, que haviam iniciado poucos anos antes, em 1979. Também se reconheceu finalmente a existência do "Centro Histórico" como um núcleo urbano de interesse social e cultural específico, propondo-se medidas de conservação e desenvolvimento sustentável.23 24 Essa iniciativa teve um marco importante na recuperação da Usina do Gasômetro, transformada em centro cultural em 1991, desencadeando uma mudança na maneira como a população via o Centro Histórico.25 Entretanto, os problemas não foram resolvidos de pronto. Escrevendo em 2006, o jornalista Luiz Carlos Vaz ainda lamentava o estado de abandono em que a região caíra:

"Pensava-se que a humanização se faria presente quando foram implantados os calçadões. A idéia era que, restringindo-se a circulação de carros, as pessoas poderiam se movimentar com mais facilidade e que, até mesmo, os comerciantes experimentariam dias melhores. Mas esses foram se retraindo à medida que se desvirtuavam as intenções do poder público. Ambulantes, desocupados e a bandidagem tomaram as ruas principais, afugentando, por óbvio, qualquer empreendimento, especialmente no ramo de alimentação e lazer. Há anos que as administrações prometem intervir no Centro, mas tudo segue piorando. Os calçadões estão virados em colchas de retalhos, conseqüência de sucessivas obras subterrâneas. Sujeira se acumula em calçadas encardidas e, por vezes, repugnantes, em que pese o trabalho do DMLU. Igualmente vergonhosa é a situação das avenidas Borges de Medeiros e Salgado Filho e da Praça XV, cujo entorno é outro caos permanente".25
Obras de revitalização da Praça da Alfândega e Avenida Sepúlveda, 2010

Em 2009, na tentativa de pacificar a questão dos camelôs, a prefeitura inaugurou um grande camelódromo com espaços alugados aos comerciantes. O projeto, porém, de 19 mil m², chamado Centro Popular de Compras, se revelou polêmico, recebendo críticas e elogios.26 Por outro lado, o desafogo de comerciantes do coração do Centro Histórico propiciou a reorganização da tradicional Praça XV, incluindo o restauro e ampliação do seu famoso Chalé.27 28 Outros programas foram implementados pela Prefeitura a fim de revitalizar o Centro Histórico. O Programa de Arrendamento Residencial (PAR), integrante do Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais conduzido pelo Ministério das Cidades, e em parceria com o Departamento Municipal de Habitação e a Caixa Econômica Federal, busca diminuir o déficit habitacional através da compra de imóveis prontos, ociosos ou em construção, incentivando a ocupação residencial do Centro. Outro é o Programa Monumenta, coordenado pelo Ministério da Cultura em parceria com o Conselho do Patrimônio Histórico e Cultural, que identificou grande número de edificações e espaços de interesse histórico e cultural no bairro e tem feito grandes investimentos para sua recuperação.20 Também está sendo desenvolvido o Projeto Viva o Centro, um plano de governança solidária da área central da cidade buscando tornar o Centro um bairro de oportunidades para todos, organizando-se em três diretrizes básicas: qualificação do espaço urbano, valorização da imagem pública do Centro e fortalecimento de sua dinâmica funcional.29 30

Os resultados parecem animadores: segundo dados da Prefeitura, a tendência recente da população é aumentar: entre 2000 e 2010 passou-se de 36.862 para 39.154 moradores, habitando 17.254 domicílios.1 Uma pesquisa de opinião indicou em 2006 que embora a população ainda tivesse certas ressalvas a respeito da segurança, higiene e outras questões, o tema do Centro Histórico despertava grande engajamento nos entrevistados em respostas entusiasmadas e cheias de variados comentários espontâneos, principalmente sobre a rica história do local.31 32 Em fevereiro de 2011 o jornal Zero Hora publicou uma matéria sobre a volta do Centro como um local atraente para residir e empreender. Conforme a notícia, isso se deve, sobretudo, aos grandes investimentos em restaurações de prédios e ao maior controle do comércio informal. Para os novos moradores, muitos deles designers, arquitetos, publicitários e artistas interessados em apartamentos que lembram o glamour dos anos 40 e 50, o Centro voltou a ficar elegante como no passado.33

Marcos[editar | editar código-fonte]

Praça da Matriz e entorno[editar | editar código-fonte]

Palácio do Ministério Público
Theatro São Pedro.
Palácio Piratini.

A Praça da Matriz, cujo nome oficial é Praça Marechal Deodoro, foi um dos primeiros logradouros públicos a serem estabelecidos em Porto Alegre e logo se tornou o principal centro político, religioso e cultural da cidade. Mas sua configuração original foi muito transformada. Antigamente possuiu o mais antigo monumento público da cidade, o monumento ao Conde de Porto Alegre, hoje na praça homônima, e o mais antigo chafariz escultural do estado, de 1866, com estátuas em mármore alegóricas dos grandes rios que formam o lago Guaíba, hoje instaladas na Praça Dom Sebastião e muito vandalizadas. Destaca-se na praça o imponente Monumento a Júlio de Castilhos, de Décio Villares, com várias esculturas em bronze.34 A praça e seu entorno são patrimônio nacional. Em seu entorno existem importantes edifícios, destacando-se:

  • Casa da Junta (Rua Duque de Caxias, nº 1029), erguida em 1790, é o mais antigo remanescente edificado da época da fundação da cidade. Abrigou originalmente a Junta de Administração e Arrecadação da Real Fazenda, e entre 1835 e 1967 serviu como sede da Assembléia Legislativa. Em 1981 foi tombada pelo IPHAE e hoje ali funciona o Memorial do Legislativo.38
  • Palácio do Ministério Público, sede de um museu e centro cultural, é um dos mais antigos edifícios públicos de Porto Alegre, foi por algum tempo o palácio do governo, antes do Palácio Piratini ficar pronto. É tombado pelo IPHAE.39
  • Palácio Piratini, sede do governo estadual, um suntuoso palácio em estilo eclético, desde 1986 tombado como Patrimônio Histórico e Artístico do Estado e desde 2000 tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).40
  • Theatro São Pedro, construção neoclássica inaugurada em 1858, foi considerado por todos os viajantes do século XIX como digno de qualquer capital europeia. Depois de brilhante carreira até meados do século XX, recebendo companhias de ópera e teatro e músicos de renome internacional, caiu em abandono e esteve prestes a ser demolido nos anos 70 em vista de seu péssimo estado de conservação. Restaurado, hoje é um dos teatros mais celebrados do Brasil.41
  • Museu Júlio de Castilhos (Rua Duque de Caxias, números 1231 e 1205), ocupando dois casarões, sendo um ex-residência de Júlio de Castilhos, é o mais antigo museu do estado. Os prédios são tombados pelo IPHAE e seu acervo, tombado pelo IPHAN, reúne objetos de valor histórico, artístico, etnográfico e arqueológico, a maioria relacionada à história do Rio Grande do Sul. Suas seções da Guerra dos Farrapos e da Guerra do Paraguai são especialmente ricas. O museu também preserva poucos, mas importantes, exemplos de esculturas feitas nas reduções indígenas por jesuítas e índios.42
  • Solar dos Câmara (Rua Duque de Caxias, nº 968), construído entre 1818 e 1824 como residência de José Feliciano Fernandes Pinheiro, mais tarde nobilitado como Visconde de São Leopoldo. Foi residência também do Visconde de Pelotas e de seu neto Armando Pereira da Câmara. É o mais antigo prédio residencial da cidade, com espaços requintados em seu interior, tendo sido tombado pelo IPHAN em 1963. Hoje funciona como um centro cultural sob a administração da Assembléia Legislativa.43
  • Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul (Rua Riachuelo, nº 1031), criado em 8 de março de 1906 e funcionando em um prédio tombado pelo IPHAE, o Arquivo Público mantém o maior acervo documental do estado, com cerca de 18 milhões de itens, e é de importância fundamental para o resgate e divulgação da história gaúcha, atendendo a pedidos de consulta de qualquer cidadão, de pesquisadores e de outros órgãos do governo.44
  • Biblioteca Pública do Estado (Rua Riachuelo, n.° 1190), criada em 1871, abriga um vasto acervo bibliográfico, com uma significativa seção de obras raras. Em 2000 seu prédio, de arquitetura influenciada pelo Positivismo, foi tombado pelo IPHAN.45
  • Solar Palmeiro, exemplo típico das edificações da elite abastada do início do século XX, com rica ornamentação de fachada e um aspecto elegante.46
  • Palácio Farroupilha, sede da Assembleia Legislativa, é um prédio modernista erguido nos anos 50, sendo um dos melhores exemplos deste estilo na cidade.

Praça da Alfândega e entorno[editar | editar código-fonte]

  • Praça da Alfândega, datada de fins do século XVIII, surgindo no local onde era o antigo porto fluvial da cidade. A praça é uma das mais tradicionais da cidade, e possui diversos monumentos e esculturas em seus recantos. Tombada pelo IPHAE junto com o seu entorno e incluída no Programa Monumenta, atualmente está sendo reformada para readquirir as características que possuía no início do século XX.47 Em seu entorno se agrupam diversos prédios históricos importantes, destacando-se:
Memorial do Rio Grande do Sul.

Paço Municipal e entorno[editar | editar código-fonte]

Mercado Público.
  • A Praça XV de Novembro, uma das mais antigas da cidade, nela está o Chalé da Praça XV, um dos mais tradicionais bares e restaurantes de Porto Alegre. Inaugurado em 1885, como um quiosque para venda de sorvetes, foi reformado em 1909 e 1911, e novamente em 1971, após um incêndio. Foi tombado pelo Patrimônio Histórico Municipal, mantendo contudo sua função de restaurante. Constitui até os dias de hoje uma área de encontros e lazer bastante frequentada, graças principalmente à sua localização, às árvores a seu redor, à sua culinária saborosa e à música ao vivo. Conta ainda com um cyber café no seu interior.
  • Cais do Porto (Avenida Mauá, n.º 1050), administrado pela Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH), distribui-se entre os cais Mauá, Navegantes e Marcílio Dias. Além de receber e embarcar insumos e produtos de diversos segmentos, destaca-se como ponto turístico por sua beleza. O O pórtico central e os armazéns A e B do Cais Mauá foram declarados patrimônio histórico nacional em 1983, e o restante do conjunto foi tombado pelo município em 11 de outubro de 1996.55

Rua da Praia[editar | editar código-fonte]

Partindo da Santa Casa se estende a Rua dos Andradas, popularmente conhecida como Rua da Praia, via de circulação ainda carregada de folclore e pontilhada de uma série de edificações históricas até chegar à beira do lago Guaíba, onde se encontra a Usina do Gasômetro. Parte de seu calçamento é tombado pela prefeitura.56

Estatuária barroca na Igreja das Dores.
Prédio histórico do Comando Militar do Sul.
  • Praça Dom Feliciano, diante da Santa Casa e na embocadura da rua da Praia, é uma das mais antigas da cidade, assinalada oficialmente desde 1809, quando foi destinada como ponto de encontro de carreteiros.59
  • Galeria Chaves (Rua dos Andradas), tradicional galeria comercial de Porto Alegre, seu projeto é do importante arquiteto e escultor Fernando Corona, que também foi professor de uma geração de escultores gaúchos. Nilo de Lucca colaborou no planejamento, e as obras estiveram a cargo da empresa Azevedo, Moura & Gertum, datando de 1936. Seu estilo remete aos palácios renascentistas, e foi tombada pelo Município em 1986.61
  • Livraria do Globo (Rua dos Andradas nº 268), foi a sede da famosa livraria que em meados do século XX foi uma das mais destacadas casas editoriais do Brasil.62
  • Esquina Democrática, formada pelo cruzamento da Avenida Borges de Medeiros com a Rua da Praia, desde o século XIX desempenha uma função social importante na vida da cidade, sendo palco de várias manifestações políticas e culturais notáveis. O espaço se firmou no imaginário popular como uma entidade distinta a partir dos anos 70, e nos anos 80 recebeu seu nome atual. Por sua importância histórica e social a Esquina foi tombada pelo municipio em 17 de setembro de 1997.63
  • Igreja Nossa Senhora das Dores (Rua Riachuelo, n.° 630), construída inicialmente em estilo barroco colonial, teve sua pedra fundamental lançada em 2 de fevereiro de 1807. Sua construção foi morosa e teve o projeto modificado. Foi terminada somente em 1904, quando se finalizou a fachada, já em estilo eclético. A Igreja é a mais antiga da cidade ainda em existência. Na década de 2000, passou por duas grandes reformas, uma interior e outra exterior. É tombada como munumento nacional pelo IPHAN desde 1938.67
  • Museu do Trabalho (Rua dos Andradas, 230), com um acervo constituído por máquinas, instrumentos de trabalho, fotografias, documentos e outros materiais que retratam a evolução das atividades produtivas no Rio Grande do Sul e seus reflexos na sociedade gaúcha.68
  • Usina do Gasômetro (Avenida Presidente João Goulart, n.° 551), inaugurada por uma empresa norte-americana em 1928, a antiga usina termoelétrica foi desativa em 1970 e, após um período de deterioração, foi restaurada para se tornar um centro cultural, constituindo hoje um dos cartões postais da cidade.69

Outros monumentos[editar | editar código-fonte]

  • Prédios históricos da UFRGS, localizados no campus central da UFRGS, que se divide entre os bairros Centro e Farroupilha, conta com um importantíssimo grupo de edificações, algumas de dimensões palacianas. O conjunto é tombado pelo Estado do Rio Grande do Sul desde 15 de setembro de 2000, e alguns prédios também fazem parte do patrimônio histórico nacional.70 Um pouco afastado do campus central, na rua Senhor dos Passos 248, está o Instituto de Artes, a primeira academia de artes do estado, de grande importância para a evolução cultural do Rio Grande do Sul. Ocupa sua segunda sede, um prédio proto-modernista concluído em 1943, com um auditório de concertos, biblioteca, galeria de exposições e um acervo artístico de grande valor, depositado na Pinacoteca Barão de Santo Ângelo.71
  • Viaduto Otávio Rocha (Cruzamento da rua Duque de Caxias sobre a avenida Borges de Medeiros), com projeto de Manoel Barbosa Assumpção Itaqui e Duilio Bernardi, foi entregue à população em 1932. O viaduto é uma imponente estrutura de concreto armado, com três vãos. No centro, ao nível da avenida, existem dois pórticos transversais com dois grandes nichos, onde há grupos escultóricos criados por Alfred Adloff. Desde sua construção o Viaduto é um importante ponto de referência de Porto Alegre. Suas características arquitetônicas, bem como sua relevância sociocultural, levaram o município a tombá-lo em 1988.72
Antigo Instituto de Química da UFRGS.
Monumento ao Conde de Porto Alegre.
  • Solar do Conde de Porto Alegre (Rua Gen. Canabarro, 363), um bom exemplo de edificação aristocrática de meados do século XIX, embora reformada no início do século XX, é importante por ter sido a residência do Conde de Porto Alegre, ilustre personagem da história riograndense, sendo tombado pelo município em 1998.73
  • Praça Conde de Porto Alegre, uma das mais antigas da cidade, registrada desde 1829, localizando-se onde foi o portão da antiga vila colonial. Localizada entre as ruas Duque de Caxias e Riachuelo, possui um importante memorial ao Conde de Porto Alegre, o primeiro monumento da cidade, que originalmente foi instalado na Praça da Matriz, à frente do palácio do governo. É uma estátua de mármore do herói militar, esculpida em 1885 por Adriano Pittanti auxiliado por Carlos Fossatti.74 Diante da praça estão duas edificações de interesse histórico:
  • Confeitaria Rocco, erguida entre 1910 e 1912, pela suntuosidade de seus espaços e excelente atendimento logo se tornou um dos pontos de encontro prediletos da elite portoalegrense. Tem uma fachada eclética muito ornamental onde se destacam grandes atlantes. Foi tombada pela prefeitura em 1997.75
  • Casa Parreira Machado, um bom representante da arquitetura residencial sofisticada do início do século XX, com um estilo eclético. Tombada pela prefeitura em 20 de abril de 1990, atualmente é ocupada pela Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser.76
  • Edifício Ely (Rua Conceição nº 283), foi projetado e construído entre 1922 e 1923 pelo destacado arquiteto teuto-brasileiro Theodor Wiederspahn, sendo a primeira construção com estrutura de concreto armado em Porto Alegre e um dos mais espetaculares exemplares de sua produção. Foi declarado edificação de interesse histórico pelo município.77
  • Igreja Metodista Central (Rua Duque de Caxias 1676), é uma edificação neogótica que, embora simples e despojada, se torna rara por ser inspirada na versão norteamericana do estilo e especial por ser o berço do Metodismo no estado.78
  • Edifício à rua Riachuelo 933, raro remanescente de edificação residencial eclética com vários pisos, permanece em condições praticamente originais. Tem uma rica e delicada decoração na fachada, com sacadas com gradis de ferro trabalhado em desenho bombée e pilastras coríntias, e foi tombado em 1997 pela Prefeitura Municipal.79
  • Igreja São José, projeto do insigne arquiteto e pintor José Lutzenberger, é uma de suas obras mais importantes, com uma original interpretação do estilo eclético, já com traços Déco.78
  • Prédio João Paz Moreira, com projeto de Theodor Wiederspahn, de 1926, é um grande casarão residencial-comercial, n um estilo eclético com predomínio da estética Déco. Em 1979 foi relacionado como edificação de interesse sócio-cultural pela prefeitura.80
  • Edifício Tuyuti, localizado na esquina da rua Riachuelo com a Caldas Júnior, foi construído em 1925 em estilo eclético, com elementos Art Nouveau. Foi tombado pela prefeitura em 30 de outubro de 1990.81
  • Solar Riachuelo, na rua Riachuelo 525, foi construído por volta de 1906 como residência de António Francisco Soares. Atualmente, funciona como um centro de eventos. É tombado pela prefeitura.82
  • Escadaria da Rua João Manoel, tradicional escadaria construída no início do século XX, com um belvedere e uma arquitetura que se desenvolve em patamares sucessivos. O projeto foi assinado pelo arquiteto Cristiano de La Paix Gilbert e executado pela construtora de Theodor Wiederspahn. É tombada pela prefeitura.83
  • Antigo Cine Theatro Carlos Gomes, tradicional casa de espetáculos e diversões e um dos mais longevos cinemas de calçada da cidade, funcionou de abril de 1923 até junho de 2002 na rua Vigário José Inácio 355. Entrou em declínio a partir dos anos 60 e hoje é uma casa comercial, que restaurou o exterior do prédio devolvendo-o às suas condições originais, de uma arquitetura eclética com forte inspiração clássica, com fachada ornamentada por relevos e estatuária, embora o interior esteja muito alterado.84

Além desse grande grupo de edificações, que estão entre as mais importantes, as ruas mais antigas do Centro Histórico preservam evidências de seus traçados originais e a memória dos tempos de outrora em numerosos edifícios e residências de menor destaque, muitas vezes em trechos homogêneos significativos, que contribuem para emprestar uma aura peculiar ao bairro. Em outros trechos, há rica ilustração das principais fases evolutivas da arquitetura porto-alegrense.85

Referências

  1. a b c Centro Histórico. Prefeitura de Porto Alegre
  2. Brauwers, Ana Paula et alii. Percepção do Portoalegrense sobre o Centro de Porto Alegre. Porto Alegre: UFRGS, 2006, p. 10
  3. a b c d e f g Macedo, Francisco Riopardense de. Porto Alegre: Origem e Crescimento. Porto Alegre: Prefeitura Municipal, 1999
  4. Monteiro, Charles. "Porto Alegre no século XX: crescimento econômico e mudanças sociais". IN Dornelles, Beatriz. Porto Alegre em destaque: história e cultura. EDIPUCRS, 2004, p. 52
  5. Bakos, Margaret. "Marcas do positivismo no governo municipal de Porto Alegre". In: Revista de Estudos Avançados, 12, 1998. Scientific Electronic Library Online
  6. Weimer, Günter. Theo Wiederspahn, Arquiteto. EDIPUCRS, Porto Alegre, 2009
  7. Monteiro (2004), pp. 52-54
  8. Franco, Sérgio da Costa. Guia Histórico de Porto Alegre. Porto Alegre: EdiUFRGS, 2006
  9. Grill, Igor Gastal. Parentesco, redes e partidos: as bases das heranças políticas no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EdiUFRGS, 2003
  10. Monteiro (2004), pp. 54-55
  11. Baptista, Maria Teresa Paes Barreto. José Lutzenberger no Rio Grande do Sul: Arquitetura, Ensino, Pintura (1920-1951). Porto Alegre: PUC-RS, 2007
  12. Simon, Círio. Origens do Instituto de Artes da UFRGS - Etapas entre 1908-1962 e Contribuições na Constituição de Expressões de Autonomia no Sistema de Artes Visuais do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: PUC, 2003.
  13. Museu Júlio de Castilhos - um século contando a história gaúcha. Revista Museu
  14. Monteiro, Charles. Porto Alegre e suas escritas: história e memórias da cidade. EDIPUCRS, 2006, pp. 450-451
  15. Franco, pp. 29-31
  16. Monteiro (2006), pp. 463-465
  17. Kiefer, Marcelo. Cidade: memória e contemporaneidade: ênfase: Porto Alegre - 1990/2004. Porto Alegre: UFRGS, 2006
  18. "Morre Thompson Flores, ex-prefeito de Porto Alegre". In: Zero Hora, 09/11/2008
  19. Cidadão Legal - A política da tolerância
  20. a b c Brawers et alii, pp. 15-19
  21. Monteiro (2004), pp. 69-73
  22. Brawers et alii, pp. 11-12
  23. Equipe do Patrimônio Histórico e Cultural. Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre.
  24. Bello, Helton Estivalet. "Modelos, planos e realizações urbanísticas em Porto Alegre". In: ArquiteturaRevista. UNISINOS, nº 2, vol. 2, jul-dez 2006
  25. a b Brawers et alii, p. 16
  26. As duas faces do Camelódromo de Porto Alegre
  27. "Novo Chalé será entregue à população hoje". In: Jornal do Comércio, 24/01/2011
  28. "Começa a ampliação do Chalé da Praça XV em Porto Alegre". In: Zero Hora, 07/09/2010
  29. Viva o Centro. Prefeitura Municipal de Porto Alegre
  30. Brawers et alii, p. 29
  31. Brawers et alii, p. 99
  32. Fantinel, Letícia & Cavedon, Neusa. "A Cultura Organizacional do Restaurante Chalé da Praça XV em Porto Alegre: Espaços e Tempos sendo Revelados". In: Revista de Administração Mackenzie, vol. 11, n. 1. São Paulo, jan/fev 2010. pp. 19-21
  33. Melo, Itamar. "Centro de Porto Alegre volta a ser atraente para morar e empreender". In: Zero Hora, 19/02/2011
  34. Machado, Andréa Soler. "A Praça da Matriz". In: ArqTexto, 2000; (0): 45-50.
  35. Franco, pp. 103–104.
  36. Corona, Fernando. "Cem Anos de Formas Plásticas e seus Autores". In Enciclopédia Rio-grandese. Sulina, 1968. Vol. II, p. 154.
  37. Franco, pp. 380–381.
  38. IPHAE. Antiga Provedoria da Real Fazenda.
  39. Sítio oficial do Ministério Público.
  40. Franco, pp. 303-304.
  41. Weimer, Günter. "Arquitetos e construtores Rio-Grandenses na Colônia e no Império". Editora da UFSM, 2006, p. 214.
  42. Nedel, Letícia Borges. "Breviário de um museu mutante". In: Horizontes Antropológicos, jan/jun 2005; 11 (23):87-112.
  43. Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul. Solar dos Cãmara, 1993.
  44. IPHAE. Arquivo Público.
  45. Bakos, Margaret Marchiori; Pires, Letícia de Andrade; Fagundes, Antonio Augusto. Os escritores que dirigiram a Biblioteca Pública do Estado do Rio Grande do Sul. EDIPUCRS, 1999.
  46. "Um lugar chamado Solar Palmeiro". Cult News, 09/11/2011.
  47. Franco, pp. 21-24.
  48. Memorial do Rio Grande do Sul
  49. IPHAE. Agência Matriz do Banco Meridional S.A.
  50. Doberstein, Arnoldo Walter. Estatuária e Ideologia - Porto Alegre: 1900 - 1920. SMC, 1992, pp. 59–61.
  51. Ezequiel, Márcio. "Prédio da Alfândega recupera seu histórico". Jornal do Centro, agosto de 2007, p. 5.
  52. Secretaria de Cultura de Porto Alegre. Paço Municipal.
  53. Secretaria de Cultura de Porto Alegre. Mercado Público.
  54. Federasul. História da Federasul.
  55. Secretaria de Cultura de Porto Alegre. Cais Mauá do Porto de Porto Alegre.
  56. Franco, pp. 29–31.
  57. Franco, pp. 359-362.
  58. Weber, Beatriz Teixeira."Caridade e Assistência Social: instituições leigas de assistência no Rio Grande do Sul, 1880-1920". In: Anais das Primeiras Jornadas de História Regional Comparada. Porto Alegre, 2000.
  59. Franco, pp. 165-166.
  60. CEEE. Conheça o CCCEV.
  61. Secretaria de Cultura de Porto Alegre. Galeria Chaves.
  62. Editora Globo. História.
  63. Secretaria de Cultura de Porto Alegre. Esquina Democrática.
  64. Museu de Comunicação Social Hipólito José da Costa. Histórico do Museu.
  65. Secretaria de Cultura de Porto Alegre. Catedral da Santíssima Trindade.
  66. Casa de Cultura Mario Quintana. A Casa.
  67. Vargas, Élvio (editor). Torres da Província: História e Iconografia das Igrejas de Porto Alegre. Pallotti, 2004.
  68. Museu do Trabalho.
  69. Secretaria de Cultura de Porto Alegre. Usina do Gasômetro.
  70. Setor de Patrimônio Histórico SUINFRA/UFRGS. Projeto Resgate dos Prédios Históricos, UFRGS.
  71. Simon, Círio. Origens do Instituto de Artes da UFRGS. PUC-RS, 2006.
  72. Secretaria de Cultura de Porto Alegre. Viaduto Otávio Rocha.
  73. IAB-RS. Solar do Conde de Porto Alegre.
  74. Franco, pp. 118-119.
  75. Secretaria de Cultura de Porto Alegre. Confeitaria Rocco.
  76. Secretaria da Cultura de Porto Alegre. Casa Parreira Machado.
  77. "Edifício Ely será reinaugurado hoje". Zero Hora, 26/06/2012.
  78. a b Cassandra, Paula. "Centro, palco da construção de templos e crenças". Jornal do Centro, agosto de 2007, pp. 6-7.
  79. Secretaria da Cultura de Porto Alegre. Edifício à rua Riachuelo 933, 935, 937.
  80. Secretaria de Cultura de Porto Alegre.Prédio João Paz Moreira.
  81. Secretaria da Cultura de Porto Alegre. Edifício Tuyuti].
  82. Projeto Viva o Centro. Solar Riachuelo, 525. Prefeitura de Porto Alegre.
  83. Projeto Viva o Centro. Escadaria da Rua João Manoel. Prefeitura de Porto Alegre.
  84. Faraon, Gustavo. "As transformações do Cine Theatro Carlos Gomes: 1923 – 20021". In: XXXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, Caxias do Sul, 02-06/09/2010.
  85. Azevedo, Laura N. et al. "Morfologia, Uso e Referenciais Urbanos no Centro de Porto Alegre: ênfase a prédios históricos". In: VIII Encontro Estadual de História da ANPUH-RS, Universidade de Caxias do Sul, 2006.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Centro Histórico de Porto Alegre