Centro Cultural São Francisco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A igreja, e, ao fundo, o convento
Capela no interior da igreja, com rica talha

O Centro Cultural São Francisco está localizado no centro histórico da cidade de João Pessoa no estado da Paraíba, no Brasil. Foi criado durante o governo de Tarcísio de Miranda Burity em 1979, e aberto ao público em 6 de março de 1990.

O Centro Cultural funciona em um complexo arquitetônico formado pela Igreja de São Francisco e pelo Convento de Santo Antônio, mais a Capela da Ordem Terceira de São Francisco, a Capela de São Benedito, a Casa de Oração dos Terceiros (chamada de Capela Dourada), o Claustro da Ordem Terceira, uma fonte e um grande adro com um cruzeiro, constituindo um dos mais notáveis testemunhos do Barroco no Brasil. Por sua importância, foi tombado pelo Iphan em 1952. Ao ser fundada a igreja era dedicada a Santo Antônio, e aparentemente a troca de nome ocorreu o início do século XX, por força de um costume popular, mas ainda é conhecida também pela antiga denominação.1 2 3 4

História[editar | editar código-fonte]

Suas origens remontam à chegada ao local, em 1588, do Frei Melchior de Santa Catarina, incumbido de instalar uma missão franciscana. O convento foi fundado em 1589, com projeto do Frei Francisco dos Santos, quatro anos após a ocupação da região pelos portugueses, e foi concluído no ano de 1591 pelo Guardião Frei Antônio do Campo Maior, mas sua conformação presente é fruto de várias reformas efetuadas nos séculos XVII e XVIII. Inicialmente havia sido apenas uma pequena edificação de taipa, com 12 celas e um claustro, logo ampliada nos anos seguintes, já em alvenaria de pedra calcária. Em 1634 foi ocupado pelos invasores holandeses, e transformado em fortificação. Depois de recuperado pelos franciscanos, foi reformado, com as obras concluindo em 1661. Nos próximos dois séculos sofreria outras intervenções, até ter a fachada da igreja concluída em 1779, data gravada no frontispício. Os interiores foram ricamente decorados, destacando-se o trabalho de azulejaria, talha dourada e pintura. O convento se tornou o maior centro franciscano ao norte de Pernambuco, tendo um papel decisivo na exploração e ocupação da região através do trabalho missionário e cultural dos frades. Sua decoração interna apresenta várias alegorias referentes a esse papel.3 5 2 6

Os edifícios foram novamente modificados no século XIX, resultando na perda do altar-mor original da igreja. Entre 1885 e 1894 foi usado pelo governo, que instalou no convento uma escola de aprendizes marinheiros e um hospital militar. A posse retornou para a igreja por intervenção do 1º Bispo da Paraíba, Dom Adauto de Miranda Henriques, que transformou o conjunto em seminário. Nesta função permaneceu até 1964, mas depois o governo novamente o utilizou para instalar algumas instituições: o Museu do Estado da Paraíba, a Escola Estadual do Róger e a Escola de Teatro Piollin. Em 1979 foi fechado para restauro e em 6 de março de 1990 foi reinaugurado como Centro Cultural.1 6 4

Importância artística[editar | editar código-fonte]

Detalhe da Glorificação dos Santos Franciscanos, no teto da igreja
Glória do Espírito Santo, detalhe do teto da sacristia

O conjunto arquitetônico foi considerado por Germain Bazin como o mais perfeito representante da escola franciscana de arquitetura do nordeste brasileiro. Seu estilo é Barroco-Rococó. O teto da igreja é decorado com uma das mais importantes pinturas de arquitetura ilusionística do Barroco brasileiro, mostrando a cena da Glorificação dos Santos Franciscanos. A tradição a atribui a José Joaquim da Rocha, fundador da escola baiana de pintura, mas ainda há muita polêmica a este respeito. A pesquisadora Carla Mary Oliveira, em dois estudos tratando especificamente do assunto, defendeu a teoria de que o autor deve ser Manuel de Jesus Pinto, mas também já foram propostos os nomes de José Soares de Araújo e José Teófilo de Jesus. Outros espaços também possuem importantes tetos pintados.2 5

Atualmente o claustro é a parte mais antiga, terminado em torno de 1730.7 Revela influência mourisca e é constituído por um pátio quadrado cercado de uma galeria coberta, para onde se abrem as celas. Seus azulejos das paredes laterais são decorados com motivos vegetais. No interior da igreja e no grande adro também há vários painéis azulejados. Na primeira retratam a história de José do Egito, e no segundo, cenas da Paixão de Cristo. A fachada, em triângulo escalonado, com uma galilé de cinco arcos na base, é ornamentada com motivos vegetais, predominando o caju, uma árvore comum no nordeste. O púlpito da igreja foi considerado pela Unesco único no mundo pelo esplendor de sua talha. 3 4

Muito já foi escrito sobre a construção, considerada uma obra de arte desde o início, e Carla Oliveira afirmou que já foram usados os adjetivos de "harmonia, formosura, graciosidade, grandiosidade" para louvá-la. E para ela, "é certo que até hoje ela emociona quem chega aos pés do cruzeiro monumental, à entrada do adro".2 Mário de Andrade, admirado, assim o descreveu:

"Chego no pátio do convento de S. Francisco e paro assombrado.... Do Nordeste à Bahia não existe exterior de igreja mais bonito nem mais original que este. E mesmo creio que é a igreja mais graciosa do Brasil – uma gostosura que nem mesmo as sublimes mineirices do Aleijadinho vencem em graciosidade. Não tem dúvida que as obras de Aleijadinho são de muito maior importância estética, histórica, nacional e mesmo as duas S. Francisco de Ouro Preto e S. João Del Rei serão mais belas, porém esta da Paraíba é graça pura, é moça bonita, é periquito, é uma bonina. Sorri.
"O interior é irregular e já está bem estragado por consertos e substituições. Assim mesmo possui um púlpito, jóia de proporção e desenho. As pinturas também são excelentes.... Os azulejos são dos mais ricos que já vi, suntuosos. O pátio exterior é murado por eles também e mostra nichos com cenas da Paixão ainda em azulejos magnificamente desenhados e que assim, emoldurados pelos nichos e distantes uns dos outros, a gente pode isolar, contemplar e gozar bem.
"Na frente de tudo o cruzeiro é um monólito formidável. Estou assombrado. Paraíba possui um dos monumentos arquitetônicos mais perfeitos do Brasil. Eu não sabia... Poucos sabem..." 2

O Centro Cultural[editar | editar código-fonte]

Embora permaneça um patrimônio da Arquidiocese da Paraíba, o Centro Cultural São Francisco é mantido através de convênio com um grupo de instituições: o Estado da Paraíba, a Prefeitura Municipal de João Pessoa, a Universidade Federal da Paraíba, a Fundação Joaquim Nabuco e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. O Centro inclui uma galeria-museu de arte popular, um museu de arte sacra com peças de várias procedências, a Galeria de Pedra, dedicada à arqueologia do monumento, espaços de exposições e eventos, um centro de restauro e biblioteca.6 4

Referências

  1. a b Moraes, Ronei Marcos de. Igreja de São Francisco - Convento de Santo Antônio. Departamento de Estatística - UFPB
  2. a b c d e Oliveira, Carla Mary S. "A Glorificação dos Santos Franciscanos do Convento de Santo Antônio da Paraíba: algumas questões sobre pintura, alegoria barroca e produção artística no período colonial". In: Fênix – Revista de História e Estudos Culturais. Outubro/ Novembro/ Dezembro de 2006 Vol. 3 Ano III nº 4
  3. a b c Convento e Igreja de Santo Antônio e Casa de Oração e claustro da Ordem Terceira de São Francisco (João Pessoa, PB). Iphan
  4. a b c d Centro Cultural São Francisco: O barroco e o seu esplendor. Folheto do Centro Cultural São Francisco, s/d
  5. a b Oliveira, Carla Mary S. "Circulação de artífices no Nordeste colonial: indícios da autoria do forro da igreja do convento de Santo Antônio da Paraíba". In: 'Fênix – Revista de História e Estudos Culturais. Outubro/ Novembro/ Dezembro de 2009 Vol. 6 Ano VI nº 4
  6. a b c História. Centro Cultural São Francisco
  7. Moura Filha, Maria Berthilde. "Registros dos franciscanos em Pernambuco e Paraíba: arquitetura e identidade". In: Ferreira-Alves, Natália Marinho (coord.). III Seminário Internacional Luso-Brasileiro "Os Franciscanos no Mundo Português: Artistas e Obras". vol. I. CEPESE - Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade, Rio de Janeiro, 24 a 26 de Novembro de 2008, p. 184

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Centro Cultural São Francisco