Centro de Preparação de Oficiais da Reserva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Centro de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR) é a unidade de ensino do Exército Brasileiro responsável pela formação básica, moral, física e técnico-profissional do oficial subalterno da 2ª Classe da reserva.

História[editar | editar código-fonte]

Os CPOR nasceram por inspiração do então Capitão Correia Lima, para suprir o Exército de oficiais subalternos. Ele observou que, após a Primeira Guerra Mundial, havia uma grande carência nos quadros de oficiais dessa patente.

As idéias de Correia Lima levaram à criação do primeiro CPOR, no Rio de Janeiro em 1927, o qual começou a funcionar em 1928. Como o resultado alcançado foi considerado altamente positivo, o então Ministro da Guerra autorizou o a abertura de outros centros semelhantes em São Paulo e Porto Alegre. Mais tarde, novos centros foram abertos em outras cidades brasileiras.

Objetivos[editar | editar código-fonte]

Os CPOR, através de seus Cursos de Formação de Oficiais da Reserva (CFOR) formam aspirantes-a-oficial, habilitando-os ao desempenho de funções de comando das frações elementares da tropa, tanto na guerra como na paz. Um CPOR oferece cursos nas seguintes especialidades:

Os cursos têm objetivos específicos, dentro do plano educacional do exército, de formação de quadros voltados para suprir a força com elementos não permanentes, mas capacitados a cumprir adequadamente suas tarefas durante o período em que estiverem servindo. Além disso, esses quadros estarão aptos a compor uma reserva para a eventualidade de uma situação de guerra ou convocação extraordinária.

Além dos CPOR, o Exército conta com diversos Núcleos de Preparação de Oficiais da Reserva (NPOR) a estes subordinados, mas incorporados a unidades de tropa regulares. Diferentemente dos CPOR, que contam dois ou mais cursos das referidas especialidades, os NPOR formam aspirantes para apenas uma especialidade, geralmente a mesma da unidade militar à qual está incorporado.

Ingresso[editar | editar código-fonte]

Aqueles que desejam se candidatar a uma das vagas dos CPOR/NPOR deve atender às seguintes exigências:

  • Ser brasileiro nato
  • Estar matriculado no ensino superior, em estabelecimento reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC)
  • Ser solteiro
  • Ser do sexo masculino
  • Apresentar-se para o Serviço Militar Inicial (no ano em que completa dezoito anos) como voluntário para servir no CPOR/NPOR

Para ingressar no CPOR/NPOR o voluntário deve superar testes escritos de conhecimentos ao nível secundário, testes de aptidão física, exames médicos oftalmológicos e uma avaliação psicológica. Somente os candidatos mais bem qualificados são matriculados como alunos.

Láureas militares[editar | editar código-fonte]

Em 27 de janeiro de 1955, pelo decreto 36.825, o Presidente da República criou o estandarte-distintivo para os Centros de Preparação de Oficiais da Reserva, sendo este confeccionado na cor azul celeste, com o símbolo do Exército nas suas cores e metais, de dimensões iguais à um terço da altura da talha. Abaixo do símbolo, as iniciais CPOR e, abaixo deste, a cidade sede, em caracteres dourados, possuindo também uma franja em ouro em toda sua volta e um laço militar das cores nacionais com o dístico CPOR-XX (onde "XX" é a sigla da cidade-sede).

Os primeiros colocados nos cursos dos CPOR/NPOR têm direito a uma medalha especial, a medalha Correia Lima, que homenageia o patrono da Reserva.

Ver também[editar | editar código-fonte]