Cerro Corá (Rio Grande do Norte)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Cerro Corá
Bandeira de Cerro Corá
Brasão de Cerro Corá
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 11 de dezembro de 1953
Gentílico cerrocoraense
Prefeito(a) Raimundo Marcelino Borges (DEM)
(2009–2012)
Localização
Localização de Cerro Corá
Localização de Cerro Corá no Rio Grande do Norte
Cerro Corá está localizado em: Brasil
Cerro Corá
Localização de Cerro Corá no Brasil
06° 02' 45" S 36° 20' 45" O06° 02' 45" S 36° 20' 45" O
Unidade federativa  Rio Grande do Norte
Mesorregião Central Potiguar IBGE/2008 [1]
Microrregião Serra de Santana IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Currais Novos, Lagoa Nova, Bodó, São Tomé, Lages, Angicos, Santana do Matos
Distância até a capital 190 km
Características geográficas
Área 393,569 km² [2]
População 10 928 hab. (RN: 57º) –  IBGE/2012[3]
Densidade 27,77 hab./km²
Altitude 575 m
Clima Temperado e frio
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,606 médio PNUD/2010[4]
PIB R$ 50 638,000 mil IBGE/2010[5]
PIB per capita R$ 3 754,73 IBGE/2008[5]
Página oficial

Cerro Corá é um município no estado do Rio Grande do Norte (Brasil), localizado na microrregião da Serra de Santana. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no ano 2010 sua população é de em 10 916 habitantes[6] . Área territorial de 394 km².

História[editar | editar código-fonte]

Os índios Canindés e Janduís, os primeiros habitantes da localidade, começaram uma sublevação no final do século XVII, e uma expedição dirigiu-se à região com o objetivo de reprimir o levante. Mas os grupos de povoamento só chegaram à localidade com a fixação de colonizadores, apenas no século seguinte, dedicados à agricultura e à pecuária.

A primeira proprietária de terras na localidade foi Adriana de Holanda Vasconcelos, que no ano de 1764 recebeu duas Datas de Terras. Dona Adriana doou parte da serra que ficava em suas terras a Nossa Senhora Santana, surgindo o nome Serra de Santana.

Nos idos de 1886, o Major Lula Gomes, paraibano de Picuí, proprietário da localidade chamada de Barro Vermelho, fundou o povoado de Caraúbas, nome dado em referência à existência de carnaubeiras nas redondezas. Com o incentivo inicial de Lula Gomes, o povoado se desenvolveu com o importante trabalho de Manoel Salustino Gomes de Macedo, João Soares de Maria, João Pinto, Manoel Osório de Barros e Tomaz Pereira de Araujo, sendo que este último desenvolveu a cidade até esta chegar a categoria de cidade.

A primeira residência que se tinha noticia era a de Gracindo Deitado, onde hoje existe uma loja de eletrodomésticos, na rua Sérvulo Pereira, centro. O primeiro nome do povoado foi Barro Vermelho, se assim dizia porque os vaqueiros que ali passavam ficavam com as roupas tingidas pelo barro daquela cor. Depois, o povoado se chamou Caraúbas, tendo passado a ser chamar Cerro Corá para não ser confundido com o município homônimo da região Oeste do Rio Grande do Norte.

Em homenagem ao último momento histórico da Guerra do Paraguai, o Presidente da Intendência de Currais Novos, João Alfredo Galvão, o Joca Pires, no ano de 1922, mudou o nome do povoado para Cerro Corá, passando a distrito do município de Currais Novos em 1938, pelo Decreto número 603.

No dia 11 de dezembro de 1953, através da Lei número 1.031, desmembrado de Currais Novos, o distrito de Cerro Corá passou à categoria de município do Rio Grande do Norte. O então deputado estadual Cortez Pereira foi o autor do projeto de lei de emancipação política do município, depois sancionada pelo então governador Sílvio Pedrosa.

Prefeitos municipais: Sérvulo Pereira de Araújo, Benvenuto Pereira de Araújo, José Walter Olímpio, Manoel Antunes, José Julião Neto, Virgilio Tavares, Francisco Pereira de Araújo, João Batista de Melo Filho, José Amaro, Raimundo Soares de Brito, Clidenor Pereira de Araújo Filho e Raimundo Marcelino Borges.

João Batista de Melo Filho exerceu quatro mandatos de Prefeito municipal, enquanto Sérvulo Pereira exerceu dois mandatos. José Julião Neto exerceu o cargo por sete meses, em 1971, em decorrência do afastamento de Manoel Antunes, de quem era vice. Virgilio Tavares foi nomeado interventor, a fim de evitar que Manoel Antunes voltasse a ocupar o cargo, devido à ditadura militar, que não efetivou o vice-prefeito eleito constitucionalmente. José Walter Olímpio também era vice-prefeito e assumiu o cargo em face da morte, no exercício do mandato, do prefeito Benvenuto Pereira. Clidenor Filho,neto de Tomaz Pereira, trouxe para a cidade um grande desenvolvimento, herdando do avô a veia política.

Potencial turístico

A cidade de Cerro Corá possui uma grande variedade de pontos turísticos, alguns deles tornam-se mais belos no período das chuvas, onde o verde e o colorido das flores transformam a paisagem.

Hino do Município[editar | editar código-fonte]

Minha cidade querida, Berço que a vida me deu, És formosa guarida, És a vida, és meu sonho, és meu eu. Cerro Corá é teu nome,

Minha cidade natal quem por você vai passando, te admirando, cidade imortal. Teu nome, esta bem gravado na história do Paraguai. Minha cidade menina, Na colina você sobressai.

Minha cidade altaneira, orgulho dos filhos teus, és a cidade serrana. Tu és soberana da graça de Deus.[7]

Pontos Turísticos[editar | editar código-fonte]

Os principais pontos turísticos são: -Nascente do Rio Potengi, -Pinturas Rupestre (Serra Verde) -Casa de Pedra ( Serra Verde) -Lago azul e Pedra do Nariz ( Serra Verde) -Conventos (Serra da Rajada) -Vale vulcânico ( Serra de Santana) -Ilha do sossego ( Açude Pinga) -Escorrego -Cruzeiro (Bairro Tancredo Neves) -Igreja Matriz de São João (Centro) -Casa Grande (Centro) - Praça Maria Luzia Guimarães (Centro)

Principais Eventos[editar | editar código-fonte]

* Carnaval (Fevereiro ou maço)

* Festa de São José - Povoado Albino (Março)

* Festa do Padroeiro São João Batista (Junho)

* Festival de Fondue (Julho)

* Festival de inverno (Agosto)

* Festa de Santa Clara - Assentamento Santa Clara "A" (Agosto)

* Vaquejada (Setembro)

* Festa de Nossa Senhora do Rosário - Bairro Tancredo Neves (Setembro ou Outubro)

* Festa de São Francisco - Assentamento São Francisco (Outubro ou Novembro)

* Emancipação política (11 de dezembro)

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO RESIDENTE NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2012 (PDF) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (30 de agosto de 2011). Visitado em 31 de agosto de 2012.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 04 de setembro de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
  6. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas IBGE_Pop_2010
  7. http://www.cerrocora.rn.gov.br/portal1/municipio/hino_brasao.asp?iIdMun=100124031

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Rio Grande do Norte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.