Chatuba (Mesquita)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Chatuba
—  Bairro  —
Chatuba.jpg
Localização em Mesquita-RJ
Localização em Mesquita-RJ
Chatuba está localizado em: Mesquita (Rio de Janeiro)
Chatuba
Localização do bairro Chatuba
22° 48' 21.3" S 43° 26' 18.3" O
País Flag of Brazil.svg Brasil
Estado Bandeira do estado do Rio de Janeiro.svg Rio de Janeiro
Cidade Bandeira de Mesquita (Rio de Janeiro).svg Mesquita
Distrito Centro[1]
Fuso horário Brasília (UTC-3)
 - Horário de verão Brasília (UTC-2)
CEP 26585-XXX[2]
26587-XXX
DDD 21[3]
Bairros Limítrofes Édson Passos, Santa Terezinha e também com os municípios de Nilópolis e Rio de Janeiro[4] .

Chatuba é um bairro localizado no município de Mesquita, no estado do Rio de Janeiro, no Brasil. Faz divisa com os bairros mesquitenses de Édson Passos e Santa Terezinha e também com os municípios de Nilópolis e Rio de Janeiro.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Chatuba" é um topônimo de origem tupi: significa "ajuntamento de formigas", pela junção de ïsá (formiga)[5] e tyba (ajuntamento).[6]

História[editar | editar código-fonte]

O bairro ocupa uma área entre o maciço de Gericinó, o Rio Sarapuí e o rio da Cachoeira. A região de morro era conhecida como "bairro Delamare", pois suas terras foram loteadas pelo antigo Banco Delamare. Por isso, uma das duas linhas de ônibus que ligam o bairro ao Centro de Nova Iguaçu se chama Delamare x Nova Iguaçu.

Sofreu grande incremento populacional entre as décadas de 1930 e 1950. O bairro da Chatuba, juntamente com os bairros de Presidente Juscelino, Edson Passos, Chatuba de Mesquita come a mina de geral e Banco de Areia, em 1952 constituíam o recém-criado quinto distrito da cidade de Nova Iguaçu, o Distrito de Mesquita e, em 1999, também compunha o recém-criado Município de Mesquita. O bairro da Chatuba era caminho dos militares do exército brasileiro para os treinamentos militares no campo de Gericinó.

As pessoas foram atraídas pela abundãncia de água que existia no lugar. Grande parte do território era pântano: mesmo assim, o território foi ocupado, sem muito planejamento. Por isso, em nossos dias há pontos de favelização na Chatuba, como algumas áreas na margem do Rio Sarapuí. O bairro da Chatuba já abrigou uma fábrica de pólvora: por isso, a outra linha de ônibus que liga o bairro ao Centro da cidade de Nova Iguaçu se chama Fábrica de Pólvora x Nova Iguaçu.

A Questão Nilopolitana[editar | editar código-fonte]

Desde 1947, quando o Município de Nilópolis foi emancipado de Nova Iguaçu, os nilopolitanos reivindicam o bairro da Chatuba para o município de Nilópolis. Eles alegam que houve um erro na divisão do território, pois foi usado, como divisa, o Rio Sarapuí, quando deveria ser usado, como divisa, o Córrego do Socorro, fazendo com que se perdesse a Chatuba para o Município de Nova Iguaçu.

Urbanização[editar | editar código-fonte]

O bairro começou a ser urbanizado pouco a pouco. No começo, somente as suas ruas principais eram asfaltadas. Com investimentos do Governo do Estado e do Governo Federal, vêm acontecendo melhorias na infraestrutura da região da Chatuba.

Suas principais ruas são:

  • Rua Inácio Serra (homenagem a Inácio Serra, o homem que proporcionou a primeira festa em louvor à padroeira de Nilópolis): liga a rua Adolfo de Albuquerque à rua Mário de Araújo, no Município de Nilópolis;
  • Rua Magno de Carvalho, que liga o campo do Gericinó à Estrada de Ferro Central do Brasil, em Edson Passos;
  • Rua Adolfo de Albuquerque: liga o campo do Gericinó à rua Abel de Alvarenga;
  • Rua Assú: é uma das mais importantes ruas do morro, ligando o campo de Gericinó à rua Doutor Godoy;
  • Rua Coronel Azevedo Júnior: liga o campo do Gericinó à rua Almirante Batista das Neves;
  • Rua Abel de Alvarenga: liga a Rua Adolfo de Albuquerque;
  • Rua Rondon Gonçalves: liga o morro às margens do Rio Sarapuí;
  • Rua Almirante Batista das Neves: liga a Avenida União, no bairro Santa Terezinha, à rua João Evangelista de Carvalho, no Município de Nilópolis;
  • Rua Lídia: liga a Rua Adolfo de Albuquerque ao bairro de Edson Passos ;
  • Rua Marquês de Canário: liga o morro às margens do Rio Sarapuí;
  • Rua Doutor Godoy: liga o morro às margens do Rio Sarapuí;
  • Rua Julio Macedo: liga o morro à Rua Almirante Batista das Neves;
  • Rua Coronel França Leite: liga o morro ao Município de Nilópolis.

O bairro conta com a praças pública Walter Borges na Rua Inácio Serra e a Praça dos Camarões, na altura das Ruas Adolfo de Albuquerque e Rua Lídia; com dois postos de saúde, um na rua Inácio Serra e outro na Rua Coronel França Leite, ao lado do Departamento de Polícia da Chatuba; duas creches municipais, uma na Rua Inácio Serra e outra na Rua Marquês de Canário com a Rua Magno de Carvalho; duas escolas municipais, uma na Rua Magno de Carvalho e outra na Rua Lídia com a Rua Rondon Gonçalves; dois colégios estaduais, o CIEP Nelson Cavaquinho na Rua Inácio serra e o C.E. Pierre Plancher na Rua Abel de Alvarenga, dentre algumas escolas particulares.

Religião[editar | editar código-fonte]

Entre as décadas de 1930 e 1950, tiveram origem as igrejas mais antigas do bairro, como a Comunidade de São Francisco de Assis, a Igreja Evangélica Assembleia de Deus da Chatuba, a Assembleia de Deus em Fábrica de Pólvora, a Igreja Batista Nova Jerusalém e a Primeira Igreja Batista em Chatuba.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Novo Abairramento de Mesquita. Diário Oficial dos Municípios do Estado de Rio de Janeiro. Mesquita.rj.gov.br. Página visitada em 20 de setembro de 2011.
  2. Estrutura do CEP. Correios. Correios.com.br. Página visitada em 1 de abril de 2011.
  3. Consulte o código DDD e DDI de todo o Brasil. Telelista. Telelistas.net. Página visitada em 1 de abril de 2011.
  4. Mapa do Abairramento de Mesquita. Prefeitura Municipal de Mesquita.. Mesquita.rj.gov.br. Página visitada em 20 de setembro de 2011.
  5. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 911.
  6. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005. 463p.
Ícone de esboço Este artigo sobre o município de Mesquita é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.