Chaves (Portugal)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:
Chaves
Brasão de Chaves Bandeira de Chaves
Brasão Bandeira
Torre de Menagem Chaves 02.JPG
Torre de menagem do Castelo de Chaves
Localização de Chaves
Gentílico Flaviense
Área 591,23 km²
População 41 243 hab. (2011)
Densidade populacional 69,76 hab./km²
N.º de freguesias 39
Presidente da
Câmara Municipal
António Cabeleira (PSD)
Fundação do município
(ou foral)
1258
Região (NUTS II) Norte
Sub-região (NUTS III) Alto Trás-os-Montes
Distrito Vila Real
Antiga província Trás-os-Montes
e Alto Douro
Orago Santa Maria Maior
Feriado municipal 8 de Julho (2.ª Incursão Monárquica)
Código postal 5400-150 Chaves
Sítio oficial www.chaves.pt
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg

Chaves O TE é uma cidade portuguesa do Distrito de Vila Real, Região Norte, sub-região do Alto Trás-os-Montes, com cerca de 18 500 habitantes no seu perímetro urbano.[1] É sede de um município com 591,23 km² de área[2] e 41 243 habitantes[3] (2011), subdividido em 39 freguesias.[4]

O município é limitado a norte pela Espanha, a leste pelo município de Vinhais, a sudeste por Valpaços, a sudoeste por Vila Pouca de Aguiar e a oeste por Boticas e Montalegre.

Como principais vias de acesso apresenta a EN103(começa em Neiva, perto de Viana do Castelo, onde entronca com a EN13, e prolonga-se por uma paisagem multifacetada pelo Este do Alto Minho, e por toda a zona Norte de Trás-os-Montes, passando por localidades como Braga, Chaves, Vinhais, até acabar em Bragança) e a A24(Chaves-Viseu). Apresenta também uma zona industrial com várias empresas de destaque regional. Pode-se afirmar que é uma cidade empreendedora pois, a nível de turismo, apresenta casas de turismo rural e bons restaurantes para os grandes apreciadores de gastronomia Transmontana.

História de Chaves[editar | editar código-fonte]

Pré-história[editar | editar código-fonte]

A presença humana na região do concelho remontam ao Paleolítico, conforme inúmeros testemunhos de Mairos, Pastoria e de São Lourenço, dentre outros locais, e das civilizações proto-históricas, nomeadamente nos múltiplos castros situados no alto dos montes que envolvem toda a região do Alto Tâmega.

A Antiguidade[editar | editar código-fonte]

À época da invasão romana da península Ibérica, os romanos instalaram-se no vale do rio Tâmega, onde hoje se ergue a cidade e, construíram fortificações pela periferia, aproveitando alguns dos castros existentes.

Para defesa do aglomerado populacional foram erguidas muralhas e, para a travessia do rio, construíram a ponte de Trajano. Fomentaram o uso das águas quentes mínero-medicinais, implantando balneários Termais, exploraram minérios, com destaque para filões auríferos, e outros recursos naturais.

Tal era a importância desse núcleo urbano, que foi elevado à categoria de Município no ano 79 d.C. quando dominava Tito Flávio Vespasiano, o primeiro capit da família Flávia. Daqui advém a antiga designação Aquae Flaviae da actual cidade de Chaves, bem como o seu gentílico — flaviense.

Calcula-se pelos vestígios encontrados que o núcleo e centro cívico da cidade se situava no alto envolvente da área hoje ocupada pela Igreja Matriz. Ainda hoje lembra a traça romana, com o Fórum, o Capitólio e o Decúmanus, que seria a rua Direita. Foi nessa área que foram e ainda são (2006) encontrados os mais relevantes vestígios arqueológicos, expostos no Museu da Região Flaviense, como o caso de uma lápide alusiva a um combate de gladiadores.

Madalena e o Tâmega - Chaves

O auge da dominação romana verificou-se até ao início do Século III, aquando da chegada gradual dos vulgarmente apelidados bárbaros. Eram eles os Suevos, Visigodos e Alanos, provenientes do leste europeu e que puseram termo à colonização romana. As guerras entre Remismundo e Frumário, na disputa do direito ao trono, tiveram como consequência a quase total destruição da cidade, a vitória de Frumário e a prisão de Idácio, notável Bispo de Chaves. O domínio bárbaro durou até que os mouros, oriundos do Norte de África, invadiram a região e venceram Rodrigo, o último monarca visigodo, no início do Século VIII. Nestas épocas,aqui tinha sede o bispado flaviense,cujo bispo mais notável foi Idácio,célebre escritor e que muito deixou de informação acerca dos Suevos.

Com os árabes, também o islamismo invadiu o espaço ocupado pelo cristianismo, o que causou uma azeda querela religiosa e provocou a fuga das populações residentes para as montanhas a noroeste, com inevitáveis destruições. As escaramuças entre mouros e cristãos duraram até ao século XI. A cidade começou por ser reconquistada aos mouros no século IX, por D. Afonso, rei de Leão que a reconstruiu parcialmente. Porém, logo depois, no primeiro quartel do século X, voltou a cair no poder dos mouros, até que no século XI, D. Afonso III, rei de Leão, a resgatou, mandou reconstruir, povoar e cercar novamente de muralhas.Já aqui prosperava uma importante Judiaria,cuja Sinagoga se situava num edifício entre a Travessa da Rua Direita,e a Rua 25 de Abril,onde se lê em antiga inscrição na soleira da porta o nome "Salomão".

O edifício existe,de grande portal encoberto e em degradação(aqui chamado "casa de rebuçados da espanhola"), em lugar cimeiro do típico casario das "muralhas novas".

Foi então por volta de 1160 que Chaves integra o país, que já era Portugal, com a participação dos lendários Ruy Lopes e Garcia Lopes, tão intimamente ligados à história da terra.

Pela sua situação fronteiriça, Chaves era vulnerável ao ataque de invasores e como medida de protecção D. Dinis (1279-1325), mandou levantar o castelo e as muralhas que ainda hoje dominam grande parte da cidade e a sua periferia. Cenário de vários episódios bélicos no século XIX celebra a 20 de Setembro de 1837, a Convenção de Chaves, após o combate de Ruivães, que pôs termo à revolta Cartista de 1837, ou revolta dos marechais.

Neste concelho, na freguesia de Calvão, aconteceram várias aparições Marianas na década de 1830, foi aí construído o Santuário da Senhora Aparecida.

A 8 de julho de 1912 travou-se um combate entre as forças monárquicas de Paiva Couceiro e as do governo republicano, chefiadas pelo coronel Ribeiro de Carvalho, de que resultou o fim da 2.ª incursão monárquica. Os intervenientes republicanos desse combate foram homenageados na toponímia de Lisboa, com a designação de uma avenida, a Avenida Defensores de Chaves, entre a Avenida Casal Ribeiro e o Campo Pequeno. A 12 de março de 1929 Chaves foi elevada à categoria de cidade.

Topónimos[editar | editar código-fonte]

O primeiro livro impresso em português[editar | editar código-fonte]

Em 1488 foi impressa, provavelmente em Chaves, uma versão portuguesa do Sacramental de Clemente Sánchez de Vercial, considerado o primeiro livro impresso em língua portuguesa, e em 1489 e na mesma cidade, foi impresso o Tratado de Confissom.

O Sacramental é uma obra de pastoral redigida por Clemente Sánchez de Vercial em 1423. Teve uma grande expansão na Península Ibérica, quer manuscrita, quer impressa. Conhecendo-se mais de uma dezena edições entre finais do século XV e meados do século XVI, altura em que foi colocada no Index dos livros proibidos. O Sacramental é um relato pormenorizado da forma de vida do homem medieval em todos os momentos, com temas como a alimentação, as relações familiares e sociais, a relação com o mistério de Deus e o sagrado, o trabalho, o descanso, a saúde, a doença e a sexualidade, tornando-o um documento precioso para o estudo da sociedade medieval.

O Tratado de Confissom[editar | editar código-fonte]

O Tratado de Confissom (1489) é um manual instrutório do clero, na tarefa de ministrar o sacramento da penitência aos fiéis cristãos. O Tratado de Confissom, outra obra impressa em Chaves e um dos primeiros livros em língua portuguesa, é uma obra de cariz pastoral. Desconhece-se o seu autor, talvez pelo facto de no único exemplar existente na (Biblioteca Nacional de Lisboa) lhe faltar a página de rosto. O Tratado de Confissom, foi descoberto em 1965 por Pina Martins, que o publicou em edição diplomática em 1973, com um estudo introdutório. Em 2003, José Barbosa Machado publicou uma nova edição e um estudo linguístico, propondo a hipótese de a obra ser uma tradução do castelhano feita entre finais do século XIV e princípios do século XV, contrariando assim a opinião comum de que a obra fora redigida pouco antes da sua impressão.

Desta forma a impressão tipográfica ou mecânica, em língua portuguesa entrava em Portugal por Chaves. Só na década de noventa do Século XV seriam impressos livros em Lisboa, no Porto e em Braga.

Titus Flavius Vespasiano[editar | editar código-fonte]

Estoria de Vespasiano, 1496

Titus Flavius Vespasiano

O segundo livro ilustrado e impresso em Portugal é a "Estoria de muy nobre Vespesiano emperador de Roma", que saiu do prelo em Lisboa, em 1496; as gravuras são de origem alemã. Em 20 de abril de 1496, foi concluída a impressão desta novela de cavalaria, obra em língua portuguesa.

O Impressor Valentim Fernandes é figura mais destacada da prototipografia em Portugal. Impressor alemão obteve privilégios de impressão em Portugal a partir de 1495. Conhecem-se dezoito livros por ele impressos, seis dos quais produzidos no século XV.

Recursos hídricos[editar | editar código-fonte]

A diversidade do recurso natural água existente no Concelho de Chaves, que tem vindo a ser potenciado na região, resulta da conjugação feliz de processos que ocorrem quer à superfície quer em profundidade. As águas minerais são uma evidência clara da tectónica de fracturação activa e recente. O grande acidente tectónico que passa em Chaves é o factor principal. Esta falha de Penacova-Régua-Verín, é uma falha activa com movimento de desligamento e uma extensão longitudinal de cerca de quinhentos quilómetros, permitindo a sua interligação com outras falhas, a ocorrência de fenómenos hidrogeológicos, tais como nascentes minerais e termais. De referir, a exploração das águas de Campilho e de Salus Vidago na Vila de Vidago, e a exploração das águas das Caldas ou Termas, bicarbonatadas, sódicas, gaso-carbónicas, silicatadas e levemente fluoretadas que brotam a uma temperatura de 73 °C , na cidade de Chaves, dotando o Concelho de potencialidades hídricas ímpares no contexto nacional e de projecção no plano internacional.

Demografia[editar | editar código-fonte]

População do concelho de Chaves (1801 – 2011)
1801 1849 1864 1900 1930 1960 1981 1991 2001 2011
31 651 17 356 31 815 36 781 40 702 57 243 45 883 40 940 43 667 41 243

Mais informação em: A Evolução da População do Distrito de Vila Real de 1864 a 2011 A Evolução da População Portuguesa de 1864 a 2011

Evolução da população - 1864 a 1991[editar | editar código-fonte]

Analisando a evolução da população do concelho de Chaves, nestes 127 anos, verifica-se uma subida de, aproximadamente, 29% no seu total, o que significa que o valor da população passa de 31.815 em 1864 para 40.940 em 1991 (INE).

Esta subida não é homogénea nem gradual, especialmente nos períodos de 1878 a 1890 (em que se regista um acréscimo de 19,6%), e 1960 a 1970 em que houve uma quebra aproximada de 24%. É notório que o período de 1864 a 1920 tem ritmos de evolução idênticos aos de 1920 a 1991, embora os volumes dessa variação sejam distintos. Por outro, lado tal como a partir de 1920 se quebrou o ciclo da emigração transatlântica (crise económica), configura-se a partir de 1991 a quebra do ciclo da emigração europeia já que, novos horizontes se desenharam para a Europa com o Tratado de Maastricht.

No que respeita às freguesias do concelho é interessante verificar que, das 45 que o constituíam em 1864 (e para um período de mais de cem anos), 31 apresentam valores de população mais baixos em 1991 que os registados no primeiro recenseamento. Verificamos ainda que o aumento de 29% no total do concelho para o período referido se deve, essencialmente, ao crescimento das freguesias urbanas registado durante as décadas de 70 e 80. As freguesias da periferia montanhosa assistem a partir de 1960 a constantes recidivas na sua população. Este fenómeno é bem conhecido pois, as cidades, crescem com a particularidade de as populações se acumularem progressivamente na periferia contígua (uma periferia cada vez mais ampla), enquanto nos seus limites administrativos, algumas aglomerações urbanas, registam mesmo decréscimo demográfico.

Este abandono do meio rural montanhoso e excêntrico não é exclusivo de hoje, já Estrabão havia referido que os povos da Península habitavam lugares montanhosos e dispersos por pequenas povoações; depois, César, obrigou-os a abandonar esses locais para habitarem nas planícies. Isto, ao que parece, foi naturalmente uma estratégia dos romanos para mais facilmente os dominarem e controlarem hoje, contudo, as motivações são outras. As gentes da montanha são novamente obrigadas a habitarem as planícies, conduzidas agora pela necessidade de sobrevivência económica. Assiste-se na actualidade a um fenómeno semelhante ao descrito por Estrabão por volta do ano de 58 a.C.

Densidade populacional[editar | editar código-fonte]

Madalena e o Tâmega - Chaves

No concelho de Chaves, desde 1900 a 1960, a densidade populacional tem vindo a aumentar e, aos 62,3 hab./Km2 no início do século, sobrepõem-se em 1960, 96,9 hab./Km2, o que é superior à média nacional, que neste mesmo ano foi de 93,8 hab./Km2. Estes números traduzem claramente o aumento da população verificado neste período.

Na década de 1960, registou-se uma queda geral nas densidades, não só do concelho, como também do distrito e mesmo do continente. Assim, Chaves (concelho) passou de 96,9 hab./Km2 no início desta mesma década para 73,7 hab./Km2 em 1970. O distrito de Vila Real, em 1970 registou apenas uma densidade populacional de 62,6 hab./Km² e o continente de 91,9 hab./Km². Neste período, as densidades embora tenham sido superiores às do distrito foram, todavia, inferiores à média nacional devido ao saldo migratório negativo (-21.448 pessoas no concelho).

No que respeita às freguesias nota-se em algumas, valores mais baixos que os registados em 1900 (é o caso de Vilarelho da Raia). Na década seguinte devido à menor saída da população (saldo migratório negativo em -1432 indivíduos), a densidade voltou a aumentar no concelho, sendo de 77,7 hab./Km2 valor que é superior ao do distrito (62,3 hab./Km2). É claro que a densidade aumentou mais no centro urbano e freguesias contíguas em detrimento da zona rural do concelho que registou decréscimo em várias freguesias .

Este crescimento verificado no núcleo urbano deve-se, fundamentalmente, à expansão do sector terciário, tanto na área dos serviços como na do comércio. Isto revela claramente a atracção que o centro exerce sobre as populações vizinhas. Assim, a Norte do centro urbano e ao longo do rio, as densidades populacionais são mais elevadas que na região análoga a sul. No entanto, regista-se como excepção Vidago (vila) que, em 1981, possuía 219 hab./Km2, sendo a freguesia com maior densidade logo a seguir a Chaves (hoje dividida em três, Santa Maria Maior, Madalena e Santa Cruz - Trindade), e que contava, no mesmo ano, com 1170,3 hab./Km2.

Monumentos[editar | editar código-fonte]

Igrejas e capelas[editar | editar código-fonte]

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

Entre os pratos típicos e os produtos gastronómicos de Chaves e do Alto Tâmega podem-se referir o presunto de Chaves e Barroso, o salpicão, as linguiças, as alheiras, a posta barrosã, o cabrito assado ou estufado, o cozido à transmontana, a feijoada à transmontana, os milhos à romana, as trutas recheadas com o famoso presunto de Chaves, os pastéis de Chaves e o folar, uma iguaria à base de massa fofa recheada de carne de porco, presunto, salpicão e linguiça, o pão de centeio, couve penca, batata de Trás-os-Montes, mel e o seu apreciado vinho.

Tanto o presunto como os enchidos são secos e curados ao fumo das lareiras, sendo ingredientes fundamentais para a confecção do Folar de Chaves, especialidade culinária, característica da Páscoa, que é famosa, tal como os pastéis de Chaves, uma especialidade local feita de massa folhada, com carne picada no interior. Os peixes mais típicos são os do rio Tâmega, barbos, escalos, bogas e trutas, sendo estas últimas recheadas habitualmente com presunto. Outros pratos da cozinha regional merecem ser destacados, como o cabrito estufado, a feijoada e o cozido à transmontana, os milhos e as rabanadas.

Escola Superior de Enfermagem[editar | editar código-fonte]

A Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado, é uma instituição reconhecida de interesse público pelo Decreto-Lei nº 99/96 de 19 de Julho. Enquadrada no Ensino Superior Particular e Cooperativo, é regulamentado pelo Decreto-Lei nº 16/94 de 22 de Janeiro. Criada em 1993, pela Associação Promotora do Ensino de Enfermagem em Chaves, é uma Instituição sem fins lucrativos constituída pelas Câmaras Municipais do Alto Tâmega e Barroso e respectivas Santa Casa de Misericórdia, e ainda pela Santa Casa da Misericórdia de Cerva. actualmente, a universidade localiza-se no seu novo polo, em Outeiro seco.

  • Curso de Licenciatura em Enfermagem (CLE).
  • Curso de Complemento de Formação em Enfermagem (CCFE); dirigido a enfermeiros detentores do Grau de Bacharelato em Enfermagem.
  • Curso de Formação Complementar em Enfermagem (CFCE), frequentado pelos alunos que concluíram o Bacharelato em Enfermagem no ano Lectivo 2000/2001.

Espaços públicos[editar | editar código-fonte]

  • Largo da freiras
  • Jardim público
  • Paços do concelho
  • Igreja Matriz
  • Igreja da Misericórdia
  • Capela de Santa Catarina
  • Capela de Santa Cabeça
  • Capela de São Bento
  • Igreja da Madalena
  • Igreja da domus flavie
  • Santuário de São Caetano
  • Santuário de Nossa senhora da Aparecida, calvão
  • Santuário da Senhora do Engaranho, em castelões
  • Termas da cidade

Cultura e desporto[editar | editar código-fonte]

  • Museu da Região Flaviense
  • Biblioteca Municipal de Chaves
  • Centro Cultural de Chaves, possui os principais serviços técnico administrativos do Departamento Sociocultural, integrando a Divisão de "Cultura" e "Tempos Livres', de "Educação" e "Desporto" e de "Acção Social"
  • Associação Chaves Viva, ao Centro de Recursos Educativos, á loja "ponto já" do IPJ e à Sala Multiusos.
  • Associação flaviense
  • Grupo Desportivo de Chaves

Jardim das Freiras[editar | editar código-fonte]

O Jardim das Freiras foi um belo e emblemático jardim, no centro da cidade de Chaves que durante mais de 70 anos, coloriu e animou o coração da cidade. O Jardim foi completamente destruído e reconvertido num espaço de esporádicas iniciativas municipais, na primeira década do século XXI. De traçado plano e empedrado foi amplamente contestado e continua a despertar a indignação de especialistas e naturais que o frequentam. O Jardim das Freiras permanece como um espaço de memórias e lazer transversais a dezenas de gerações, enquadrando-se actualmente numa perspectiva de espaço desvalorizado e descontextualizado arquitetonicamente, determinado pela relação do mesmo com a arquitectura e traça envolvente.[parcial?]

O Jardim das Freiras de Chaves continua um espaço patrimonial e imaterial na memória flaviense, bem reflectido nas emoções e protestos da população.[parcial?]

Associações locais[editar | editar código-fonte]

  • Associação "S. Lourenço Desporto e Cultura"
  • Associação dos Amigos dos Animais de Chaves
  • Associação cultural e recreativa da torre de ervededo
  • Associação Transmontana de Airsoft
  • Banda musical da torre de ervededo
  • Clube desportivo e cultural de faiões
  • Banda musical flaviense "os pardais"
  • Banda musical de loivos
  • Banda musical de rebordondo
  • Banda musical da casa da cultura de outeiro seco
  • Casa da cultura popular de outeiro seco
  • Casa de Cultura de Vidago
  • Confraria de Chaves
  • Grupo Recreativo e Cultural da Freguesia da Cela
  • Banda musical de vila verde da raia
  • Associação cultural e recreativa da abobeleira
  • Associação recreativa e cultural de vilela seca
  • Associação recreativa e cultural de agrela de ervededo
  • Associação Direcção Vidago Futebol Clube
  • Veteranos do Grupo Desportivo de Chaves
  • Ténis Clube de Chaves Tabolado
  • Ribeirense Futebol Clube de Loivos
  • Clube Flaviense de Caça e Pesca Cando
  • Clube de Golfe de Vidago
  • Clube de Caça e Pesca de Vidago
  • Chaves Femini Clube
  • Associação Regional de Ténis de Vila Real
  • Karaté Clube do Alto Tâmega
  • Grupo Desportivo de Ribeira d'Oura
  • Associação de Futebol de Vila Real(Delegação de Chaves) Pavilhão Gimnodesportivo
  • Hoquei Clube Flaviense
  • Mundo da Música Flaviense (Futebol de 5)
  • Sociedade Columbófila de Chaves
  • Sociedade Flaviense
  • Associação de Paraquedistas do Alto Tâmega Aeródromo Municipal de Chaves
  • Motor Clube de Chaves
  • Associação de Atletas Veteranos de T.O.M.A.D.
  • Escola Futebol Chambila
  • Ginásio Clube de Chaves
  • Associação Desportiva de Santo Estêvão
  • Natação Clube de Chaves
  • Associação Cultural, Recreativa e Desportiva de Santo António de Monforte
  • Grupo Desportivo, Recreativo e Cultural dos Ases da Madalena
  • Coral de Chaves

Eurocidade Chaves-Verín[editar | editar código-fonte]

Verín

É um projecto que contou com o apoio dos Governos de Portugal e da Galiza, inequívoca e explicitamente confirmado nas intervenções dos respectivos representantes, aquando da cerimónia de apresentação oficial da Eurocidade Chaves-Verín, realizada a 18 de Dezembro de 2007, em Chaves.

Este projecto conta com apoios múltiplos, quer dos Governos de ambos os lados da fronteira, quer da EU, beneficiando das oportunidades decorrentes de ser reconhecido como um projecto pioneiro que se inscreve programação dos fundos estruturais e ter um efeito multiplicador em ambas as economias a longo-prazo".

Consubstanciando a construção de uma cidadania europeia a partir da base, muito próxima das necessidades efectivas dos cidadãos, a Eurocidade Chaves-Verín, segundo o responsável económico do Governo da Galiza, "constitui-se como verdadeiro laboratório de práticas de cooperação" a nível europeu, que vai ensaiar formas inovadoras de relacionamento transfronteiriço e de partilha de recursos em novas áreas como a Saúde, a Educação e a Formação, os Transportes e Comunicações, o Planeamento Urbano e as infra-estruturas empresariais e industriais.[5]

Laços de cooperação históricos

O projecto da iniciativa das duas autarquias fronteiriças faz a convergência e mobiliza a vontade política e os meios e apoios de um conjunto de redes institucionais dos dois países, em que se incluem o Governo de Portugal e da Galiza, o Eixo-Atlântico, a CCRDN (Comissão Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte), não esquecendo as associações regionais de municípios do Alto-Tâmega, em Portugal, e a Mancomunidade, na Galiza. Nos termos do Programa Estratégico de Cooperação Galiza-Norte de Portugal - em que a Eurocidade Chaves-Verín se inscreve, destinado a dinamizar o desenvolvimento, a competitividade, a cooperação e as condições de vida nos dois territórios, prevê-se não só a criação de redes institucionais de cooperação territoriais e urbanas, mas também a convergência de Agências de Desenvolvimento, Universidades e Sistemas de Ciência e Tecnologia no sentido de impulsionar as vertentes de inovação, formação e qualificação do emprego como pilares da criação de uma Sociedade do conhecimento na Euroregião.

A Eurocidade[editar | editar código-fonte]

É um projecto de coesão social dos dois territórios fronteiriços vizinhos cuja fronteira e Tâmega não separa, antes pelo contrário forma um corredor natural entre as duas cidades e países"

Na base destas relações de redes regionais de cooperação, a Eurocidade Chaves-Verín alarga os impactos e oportunidades a um quadro territorial e populacional mais vasto que os dois concelhos. Chaves concelho conta com 45 mil habitantes, enquanto Verín soma 15 mil, somando os dois 60 mil habitantes. Mas se se contabilizar o Alto-Tâmega, que abrange 105 mil habitantes, e a Mancomunidade Verín-Monterrei, que agrupa sensivelmente 27 mil residentes, a área de influência conjunta dos dois concelhos que formam a Eurocidade estende a influência a um total de mais de 132 mil pessoas.

Destaca-se pelos dois municípios da raia o estudo, dinamização e viabilização de uma rede de transportes públicos de ligação directa entre Chaves e Verín. A área cultural avança de imediato através de uma Agenda Cultural comum Chaves-Verín. O mesmo acontecerá com o intercâmbio estudantil.

Tradições e festividades[editar | editar código-fonte]

Festas e Romarias
Dia do Município
  • Celebração do dia da cidade: 8 de Julho
  • Feira dos Santos em Chaves: 30, 31 de Outubro e 1 de Novembro
  • N.ª Sra. das Brotas, Forte S. Neutel - Santa Maria Maior: Fim de Semana depois daPáscoa
  • S. Bernardino - Casas Novas, Redondelo: 20 de Maio
  • S. André - Curalha: 30 de Novembro
  • S. da Saúde - S. Pedro de Agostém: 7 semanas depois da Páscoa
  • S. Caetano - Ervededo: 2º domingo de Agosto
  • N.ª Sra. Da Assunção - Vilela Seca: 15 de Agosto
  • Senhor das Almas - Vilarelho da Raia: Penultimo Sabado de Agosto
  • N.ª Sra. Da Azinheira - Outeiro Seco: 8 de Setembro
  • N.ª Sra. Aparecida - Calvão: 2º domingo de Setembro
  • N.ª Sra. das Neves - Paradela de Monforte: 5 de Agosto
  • Feira Anual - S. Simão, Vidago: 28 de Outubro
  • São Sebastião - Torre de Ervededo: 20 de Janeiro
  • Nossa Senhora da Conceição - faiões: 20 de agosto
  • Nossa Senhora do Engaranho - Castelões: 1º domingo de setembro
  • Dia do Idoso - Chaves: maio/junho
  • Festa da ACR da torre de ervededo: 2º/3º semana de Maio
  • S. Tiago e S. Caetano - Mairos: 3º Domingo de Agosto

Imprensa local e regional[editar | editar código-fonte]

Jornais e publicações[editar | editar código-fonte]

  • A Voz de Chaves (Publica Online no Diário Atual)
  • Diário de Trás-Os-Montes
  • Notícias de Chaves
  • Semanário Transmontano
  • Jornal Intransigente

Rádios[editar | editar código-fonte]

  • Rádio Larouco

Administração municipal[editar | editar código-fonte]

O município de Chaves é administrado por uma Câmara Municipal composta por 7 vereadores. Existe uma Assembleia Municipal que é o órgão legislativo do município, constituída por 103 deputados.

Nas eleições de 9 de Outubro de 2005, a composição dos órgãos autárquicos ficou a ser a seguinte:

Órgão PSD PS PCP BE PP PEV
Vereadores da Câmara Municipal 5 2 0 0 0 0
Deputados da Assembleia Municipal 26 22 3 0 1 0
dos quais: eleitos directamente 0 0 0 0 0 0

Zonas arqueológicas[editar | editar código-fonte]

Freguesias[editar | editar código-fonte]

Freguesias do concelho de Chaves.

O concelho de Chaves está dividido em 39 freguesias:



Flavienses ilustres[editar | editar código-fonte]

Geminações[editar | editar código-fonte]

O concelho de Chaves é geminado com as seguintes cidades:[6]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Chaves (Portugal)


Concelhos do Distrito de Vila Real Localização do distrito de Vila Real
Alijó
Boticas
Chaves
Mesão Frio
Mondim de Basto
Montalegre
Murça
Peso da Régua
Ribeira de Pena
Sabrosa
Santa Marta de Penaguião
Valpaços
Vila Pouca de Aguiar
Vila Real
Alijó
Boticas
Chaves
Mesão Frio
Mondim de Basto
Montalegre
Murça
Peso da Régua
Ribeira de Pena
Sabrosa
Santa Marta de Penaguião
Valpaços
Vila Pouca de Aguiar
Vila Real