Chevrolet Chevette

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Chevrolet Chevette
1978 chevette.JPG Chevette modelo 1978.

Pick-Up GMC 500.JPG

Visão Global
Nomes
alternativos
Holden Gemini(Australia)
Opel Kadett C (Holanda)
Pontiac T1000 (EUA)
Vauxhall Chevette (Inglatera)
GMC Chevette(Argentina)Isuzu Gemini (Japão) Opel Chevette (Portugal) Opel 1204 (portugal)
Produção 1973 — 1993
Fabricante Chevrolet, grupo General Motors
Modelo
Carroceria Cupê de 2 portas (73-93), Sedan de 4 portas (78-89), Hatchback de 4 Portas (80-88), Station Wagon (80-89), Pickup (84-94) Sedan (73-93)
Ficha técnica
Motor 4 cilindros em linha: 1.0, 1.4, 1.6, 1.8 Isuzu Diesel (somente nos EUA)
Transmissão 4 marchas (até 1984), 5 marchas, automático 3 marchas
Modelos relacionados Chevrolet Marajó
Chevrolet Chevy
Chevrolet Opala
Chevrolet Corsa
Consumo Gasolina: 9 km/l na cidade, 14 km/l na estrada. Álcool: 7 km/l na cidade, e 12 km/l na estrada.
Cronologia
Último
Último
Chevrolet Corsa
Próximo
Próximo

Chevrolet Chevette é um carro da General Motors que foi lançado no Brasil em 1973 como um sedan de duas portas (fabricado até 1993) e mais tarde de quatro portas, que era uma versão feita principalmente para exportação, da qual poucos exemplares foram vendidos no mercado interno nos anos de 1978 a 1989. O Chevette também teve versões hatchback (de 1980 a 1988) e station wagon, esta chamada de Marajó (de 1980 a 1989), ambas com duas portas. Também teve uma picape, a Chevy 500 (de 1984 a 1995). Foi equipado com motores de 1,0 litro (só o Júnior), 1,4 e 1,6 (carburação simples) e 1,6/S (carburação dupla, em 1988, um ano após sua última reestilização), a gasolina e a álcool, alem do Isuzu 1.8 a diesel, nos EUA.

Em 1976 chega a requintada versão SL, e os piscas traseiros do Chevette passam a ser vermelhos (curiosamente eram amarelos de 1973 a 1975, e só na reestilização de 1983 os piscas traseiros voltariam a ser amarelos novamente). O Chevette passou por sua primeira reestilização dianteira em 1978, herdando o desenho frontal já existente no Chevette americano, e a traseira permanecia exatamente a mesma, ganhando apenas uma moldura "bi-partida" em suas pequenas lanternas. Em 1980 finalmente ganhou novas lanternas traseiras (ainda horizontais, mas bem maiores e que avançavam pelas laterais da carroceria) e novos pára-choques (um pouco mais largos). Em 1981 a única mudança estética foi feita nos faróis que passavam a ser quadrados no lugar dos redondos. Em 1983 o Chevette passa pela maior reestilização de sua história, ganhando nova dianteira, nova traseira, quebra-ventos (exceto na versão quatro portas, vale a pena ressaltar), entre outros detalhes. E em 1987 o Chevette passa pela sua última reestilização, ganhando nova grade, novos pára-choques de plástico, saia dianteira com novos furos (essa foi a única mudança na lataria de 1987), lanternas traseiras levemente redesenhadas, retrovisores mais modernos, maçanetas pretas e novo quadro de instrumentos com mostradores quadrados e relógio digital (esse quadro de instrumentos era exclusivo da versão SE, depois SL/E, e depois DL).

Eleito pela Revista Autoesporte o Carro do Ano de 1974 e de 1981, o Chevette teve seu apogeu em vendas a partir de 1986 até 1991, quando neste ano, seus concorrentes diretos saíram de linha em outras montadoras. A Volkswagen parou de produzir o Fusca, a Fiat tirou de linha o 147 e a Ford deixou de produzir o Corcel. Sem concorrentes neste segmento, o Chevette se tornou o carro mais barato do Brasil durante esse período. A última unidade do Chevette no Brasil saiu da fábrica em 12 de novembro de 1993, já como modelo 1994 (em 1993 a versão fabricada era o Chevette L, que era uma modelo 1,6/S com acabamento similar ao do extinto Chevette Júnior). Entretanto, é comum encontrá-los rodando pelas ruas, uma vez que foi um modelo que alcançou um expressivo número de vendas (cerca de 1,6 milhões de unidades) e demonstrou ser bastante robusto, arrebatando uma legião de fãs. O Corsa de segunda geração tornou-se seu sucessor no Brasil, repetindo o mesmo sucesso.

Vale notar que o Chevette introduzido no Brasil é essencialmente o Opel Kadett C geração "C", vendido na Europa. Conta-se que a GM não lançou o carro com esse nome no Brasil temendo algum tipo de problema ou associação com o governo militar então vigente no país. Anos depois, em 1989, o Chevette viria a coexistir com o Kadett "E" (lançado na Europa em 1984) no Brasil.

Motores, Modelos e Transmissão[editar | editar código-fonte]

Motores 1.0L (1991-1992) – (Junior)

  • Potência: 50 cv a 6000 rpm
  • Torque: 7,2 kgfm a 3500 rpm
  • Velocidade Máxima: 131,3 km/h
  • Aceleração: 21,58 s

1.4L (1973-1976) – (SL)

  • Potência: 69 cv a 5800 rpm
  • Torque: 9,8 kgfm a 3600 rpm
  • Velocidade Máxima: 140,62 km/h
  • Aceleração: 19,1 s

1.4L (1976-1980) – (SL/GP/GP II)

  • Potência: 72 cv a 5800 rpm
  • Torque: 10,8 kgfm a 3800 rpm
  • Velocidade Máxima: 150 km/h
  • Aceleração: 17,4 s

1.4L (1976-1980) – (SL)

  • Potência: 69 cv a 5800 rpm
  • Torque: 10,1 kgfm a 3600 rpm
  • Velocidade Máxima: 142,29 km/h
  • Aceleração: 19,52 s

1.4L Álcool (até 1982)

  • Potência: 69 cv a 5800 rpm
  • Torque: 10,1 kgfm a 3600 rpm
  • Velocidade Máxima: 142,29 km/h
  • Aceleração: 19,52 s

1.6L (1981-1982) – (S/R)

  • Potência: 90 cv a 5800 rpm
  • Torque: 11,6 kgfm a 3600 rpm
  • Velocidade Máxima: 180 km/h
  • Aceleração: 16,55 s

1.6L Álcool (1983-1986) – (SL)

  • Potência: 93 cv a 5200 rpm
  • Torque: 11,3 kgfm a 3200 rpm
  • Velocidade Máxima: 180 km/h
  • Aceleração: 15,1 s

1.6/S (1987-1994) – (L/SL/SLE/DL)

  • Potência: 90 cv a 5200 rpm
  • Torque: 12,6 kgfm a 3200 rpm
  • Velocidade Máxima: 180 km/h
  • Aceleração: 14,15 s

1.6/S Álcool (1987-1994) – (L/SL/SLE/DL)

  • Potência: 93 cv a 5200 rpm
  • Torque: 12,9 kgfm a 3200 rpm
  • Velocidade Máxima: 180 km/h
  • Aceleração: 13,8 s

Modelos

  • SL (1973-1990)
  • SE (1987)
  • SL/E (1988-1990)
  • DL (1988-1993)
  • Junior (1992)
  • L (1993)

Edições especiais

  • GP (1976)
  • GPII (1977-1979)
  • Jeans (1979)
  • Ouro Preto (1981)
  • S/R (1981-1982)

Transmissão

  • Izusu-4. (4 Marchas) (1973-1984)
  • 5 Marchas (1985-1993)
  • Automático Izusu (1985-1990)

Pelo mundo[editar | editar código-fonte]

Chevette: Opel Kadett (Europa, exceto Inglaterra), Vauxhall Chevette (Inglaterra e Portugal), Holden Gemini (Austrália), Isuzu Gemini (Japão), Chevrolet Chevette, Pontiac T-1000, Opel Isuzu, Buick Opel e Isuzu I-Mark (EUA), Pontiac Acadian (Canadá), Opel K-180 (Argentina), GMC Chevette (Argentina; 1992 a 1994), Opel Chevette (Alemanha),Chevrolet San Remo (Colômbia, Chile, Equador), Aymesa Cóndor (Equador), Grumett Coupé (Uruguai; versão cupê), Saehan Bird e Daewoo Maepsy-Na (Coréia do Sul), Opel Gemini (Malásia)

Marajó: Opel Kadett Caravan (Europa, exceto Inglaterra), Grumett 250M e Color (Uruguai), Bedford Chevanne (Inglaterra; versão furgão),Opel Chevette Caravan (Europa,exceto Inglaterra e Portugal),Opel 1204 Caravan (Portugal),

Chevy 500: Chevrolet Chevy 500 Chevrolet Cargo (Equador), GMC 500 (outros países da América Latina),Saehan Max e Daewoo Max (Coréia do Sul; carroceria diferente)

Chevette Argentino[editar | editar código-fonte]

  • O Chevette de 1ª Geração, nomeado de Opel K180, forá lançado na Argentina com o motor 1.8L de 86cv, superando o modelo brasileiro mais potente que chegou a 81cv na Versão 1.6/S Álcool. Na verdade, esse motor 1.8L, era a redução do motor 2.5L do Opala, tornando assim, um bloco de maior consumo em relação aos brasileiros 1.4 e 1.6. Este motor, não tinha a ver com o motor utilizado no Chevrolet Monza, apesar de sua potência ser igual.
  • O Chevette de 2ª Geração, chamado GMC CHEVETTE foi produzido no Brasil e exportado para a Argentina na versão de 4 portas.

O último exemplar[editar | editar código-fonte]

  • O última unidade do Chevette brasileiro, foi lançado em 12/11/1993 como modelo 1994, no modelo L, produzido na fábrica de São José dos Campos.
  • O Chevette da história foi exportado ao Equador, batizado como Chevrolet San Remo até o ano de 1996. O ferramental de estamparia, confeccionado na Argentina, chegou ao Brasil para confecção das peças que eram enviadas por CKD à GM do Equador. Após o encerramento da produção do modelo, a GM do Equador enviou ao Brasil a última unidade fabricada naquele país. Esta unidade, saiu da fabricada como CHEVETTE DL 1.6/S Gasolina, na cor vinho e com inúmeras semelhanças ao Chevette Brasileiro, mas suas diferenças eram: Um pequeno aerofólio traseiro, calotas copinho, detalhe plástico na tampa do porta-malas e 4 portas.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]