Chicago Hope

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Chicago Hope
Informação geral
Formato
Duração 40 minutos
Criador(es) David E. Kelley
País de origem  Estados Unidos
Idioma original inglês
Produção
Produtor(es)
executivo(s)
Henry Bromwell
Bill D'Elia
David E. Kelley
John Tinker
Elenco Mandy Patinkin
Adam Arkin
E.G. Marshall
Hector Elizondo
Roxanne Hart
Peter MacNicol
Thomas Gibson
Peter Berg
Vondie Curtis-Hall
Jayne Brook
Christine Lahti
Jamey Sheridan
Mark Harmon
Rocky Carroll
Emissora de
televisão original
Estados Unidos CBS
Brasil Rede Record
Transmissão original 4 de Maio de 2000
Nº de temporadas 6
Nº de episódios 141

Chicago Hope (em Portugal intitulada Médicos Sem Fronteiras) foi um popular drama médico durante o período em que foi exibido pela CBS, de 18 de Setembro de 1994 à 4 de Maio de 2000. A série foi criada por David E. Kelley e se passava no fictício hospital particular que dava nome à série, o Chicago Hope.

A série era protagonizada por Mandy Patinkin, que interpretava o Dr. Jeffrey Geiger, um famoso e talentoso cirurgião cheio de problemas pessoais envolvendo a condição psiquiatrica de sua esposa, interpretada por Kim Greist.

Adam Arkin interpretava Aaron Shutt, colega de trabalho e melhor amigo de Jeffrey. Peter MacNicol e Hector Elizondo também faziam parte da série. Na segunda temporada, entraria para série a atriz Christine Lahti, uma talentosa cirurgiã cardíaca, que competiria com Patikin pela posição de cirurgião-chefe do hospital.

O episódio piloto de Chicago Hope foi exibido um dia antes da estréia de E.R., entretanto, a partir da semana seguinte, os dois programas começaram a competir diretamente pela audiência das noites de quinta-feira - notoriamente, o dia mais competitivo da televisão americana. Apesar de Chicago Hope ter sido muito bem recebido pela crítica, E.R. mostrou-se, logo em sua primeira temporada, um campeão de audiência. Em 1995, Chicago Hope mudaria de horário para as noites de segunda-feira.

Chicago Hope permaneceria nesse horário, com performances sólidas. Entretanto, na segunda temporada, quando Kelley e Patinkin (criador e protagonista, respectivamente) decidiram se desligar do programa, ele começou um lento caminho em direção ao cancelamento. Em 1999, os dois retornariam, numa tentativa de "ressuscitar" a série. O elenco ganhava as atrizes Barbara Hershey e Lauren Holly - mas perdia Christine Lahti.

O horário do programa também mudou, de volta às noites de quinta-feira. Mas, competir com a audiência de programas consagrados como Frasier e Who Wants To Be A Millionaire? se provou algo muito difícil, resultando no cancelamento do programa em Maio de 2000.

Elenco, por ordem alfabética[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem Duração
Adam Arkin Dr. Aaron Shutt (1994-2000)
Barbara Hershey Dra. Francesca Alberghetti (1999-2000)
Carla Gugino Dra. Gina Simon (1999-2000)
Christine Lahti Dra. Kathryn Austin (1995-1999)
E.G. Marshall Dr. Arthur Thurmond (1994-1995)
Eric Stoltz Dr. Robert Yeats (1998-1999)
Hector Elizondo Dr. Phillip Watters (1994-2000)
James Garner Hugh Miller (2000)
Jamey Sheridan Dr. John Sutton (1995-1996)
Jayne Brook Dra. Diane Grad (1995-1999)
Lauren Holly Dr. Jeremy Hanlon (1999-2000)
Mandy Patinkin Dr. Jeffrey Geiger (1994-1995, 1999-2000)
Mark Harmon Dr. Jack McNeil (1996-2000)
Peter Berg Dr. Billy Kronk (1995-1999)
Peter MacNicol Alan Birch (1994-1995)
Rocky Carroll Dr. Keith Wilkes (1996-2000)
Roma Maffia Angela Giandamenicio (1994-1995)
Roxanne Hart Enfermeira Camille Shutt (1994-1996)
Stacy Edwards Dra. Lisa Catera (1997-1999)
Thomas Gibson Dr. Daniel Nyland (1994-1997)
Vondie Curtis-Hall Dr. Dennis Hancock (1995-1999)

Prêmios recebidos[editar | editar código-fonte]

No decorrer de suas seis temporadas, Chicago Hope foi indicada à cerca de 90 prêmios[1], tenho ganho alguns deles, incluindo sete Emmys e um Golden Globe.

Emmy[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Ganhador
1995 Melhor Ator em Série Dramática Mandy Patinkin
1995 Melhor Cinematografia em um Episódio de Série Tim Suhrstedt, pelo episódio Over The Rainbow
1996 Melhor Seleção de Elenco em uma Série Debi Manwiller
1996 Melhor Direção em um Episódio de Série Dramática Jeremy Kagan, pelo episódio Leave Of Absence
1997 Melhor Ator Coadjuvante em Série Dramática Hector Elizondo
1998 Melhor Atriz em Série Dramática Christine Lahti
1998 Melhor Mixagem de Som em uma Série Dramática

pelo episódio Brain Salad Surgery

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Chicago Hope foi pioneiro em três aspectos importante da televisão aberta norte-americana.
    • Pela primeira vez na tv aberta norte-americana - à exceção de documentários - que um programa exibiu alguém falando a palavra shit (merda, em português), sem censurá-la através de "apitos" ou artefatos semelhantes. Foi Mark Harmon que teve a "honra" de usar a palavra, num contexto apropriado. Não houve quase nenhuma reação negativa ao acontecimento.
    • Num episódio de 1996, a série quebraria outro tabu televisivo ao mostrar os seios de uma adolescente que havia acabado de passar por uma cirurgia reparadora. A cena, feita sem fanfarras e publicidade, num contexto apropriado e com muito bom-gosto, atraiu pouquissimas reações negativas.
    • Foi o primeiro seriado a ser exibido em HDTV na televisão americana.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Séries médicas relacionadas:

Notas e Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Awards for "Chicago Hope" (Prêmios de Chicago Hope), no IMDb.
  2. Trivia for "Chicago Hope" (Curiosidades de Chicago Hope), no IMDb.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Séries médicas, um subgênero das séries de televisão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.