Chicungunha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Chikungunya)
Ir para: navegação, pesquisa
Chicungunha
Classificação e recursos externos
CID-10 A92
DiseasesDB 32213
Star of life caution.svg Aviso médico

Chicungunha[1] [2] ou catolotolo[3] é um arbovírus, do gênero Alphavirus (Togaviridae), que é transmitido aos seres humanos por mosquitos do gênero Aedes.[4] Até recentemente havia sido detectado somente na África, onde estava restrito a um ciclo silvestre (Jupp & Kemp 1996, Diallo et al. 1999), e na Ásia e na Índia onde sua transmissão era principalmente urbana, envolvendo os vetores Aedes aegypti e Aedes albopictus.[5] Casos da doença causada pelo vírus, a febre chicungunha, foram detectados no Brasil pela primeira vez em Agosto de 2010.[6]

O período de incubação do vírus é de 4 a 7 dias, e a doença, na maioria dos casos, é auto-limitante. A mortalidade em menores de um ano é de 0,4%, podendo ser mais elevada em indivíduos com patologias associadas.[7]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Chicungunha é um aportuguesamento de chikungunya, o nome da doença na língua maconde, um dos idiomas oficiais da Tanzânia, onde foi documentada a primeira epidemia da doença em 1953. O termo provém da raíz verbal kungunyala, e significa "tornar-se dobrado ou contorcido", em referência à aparência curvada dos pacientes, motivada pelas intensas dores articulares e musculares, características da doença.[8] Em Angola (África) a doença é popularmente conhecida por catolotolo, palavra proveniente do quimbundo katolotolu, derivação do verbo kutolojoka ("ficar alquebrado").[9]

Onde foi detectado o vírus[editar | editar código-fonte]

Casos da febre chicungunha foram relatados na Tailândia (em 1953), Indonésia, Taiwan, Singapura, Malásia, Sri Lanka, Ilhas Maldivas, Quénia (em 2004), Comores (em 2005), Mayotte, Seychelles, Maurícia, Reunião (2005-2006) e Índia (2006), e, em menor intensidade, na Itália, Martinica, Guadalupe, Guiana Francesa, Estados Unidos[5] e Brasil (em 2010)[6] . Os casos confirmados no Brasil referem-se a dois pacientes do sexo masculino (de 41 e 55 anos, em São Paulo) que apresentaram os sintomas depois de uma viagem à Indonésia. A terceira paciente, uma paulista de 25 anos, esteve na Índia.[10]

Em Junho de 2014 foram confirmados seis casos no Brasil de soldados que retornaram de uma missão no Haiti. [11]

Um surto de chicungunha foi relatado em 2006 em Andhra Pradesh (Índia), mesma época em que casos alóctones foram relatados em diversos países europeus.[12] A existência de grandes cidades densamente povoadas onde existam os insetos vetores da doença, bem como o aumento do número de viagens entre países e intercontinentais facilitam sobremaneira a disseminação do vírus.

Vetores e transmissão[editar | editar código-fonte]

A transmissão do vírus da chicungunha (CHIKV) é feita através da picada de insetos-vetores do gênero Aedes, principalmente pelo Aedes aegypti. O Aedes albopictus, à parte a sua predileção pelo ambiente silvestre, também é considerado vetor da doença.[5] [12] Embora a transmissão direta entre humanos não esteja demonstrada, há de se considerar a possibilidade da transmissão in utero da mãe para o feto.

Principais sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sintomas da febre chicungunha são característicos de uma virose, e portanto, inespecíficos. Os sintomas iniciais são febre acima de 39º, de início repentino, dores intensas nas articulações de pés e mãos, dedos, tornozelos e pulsos, dores de cabeça, dores musculares e manchas vermelhas na pele. O diagnóstico diferencial com a febre hemorrágica da dengue é extremamente importante, razão pela qual, ao aparecimento dos sintomas é fundamental buscar socorro médico.

É interessante ressaltar que, diferentemente da dengue, por exemplo, doença viral transmitida pelos mesmo vetores, uma parte dos indivíduos infectados pode desenvolver a forma crônica da doença, com a permanência dos sintomas, que podem durar entre 6 meses e 1 ano. “Há casos de pacientes que não conseguem escrever”, diz o coordenador do Programa Nacional de Controle da Dengue do Ministério da Saúde, Giovanini Coelho.[13]

Referências

  1. Rádio Nacional de Angola: Luanda registou 80 casos de Chicungunha vulgo Catolotolo (30-05-2014)
  2. Rádio Ecclesia de Angola: Catolotolo continua a preocupar a população
  3. Jornal de Angola: Aumentam casos de "Catolotolo"
  4. http://www.cdc.gov/chikungunya/index.html
  5. a b c Failure to demonstrate experimental vertical transmission of the epidemic strain of Chikungunya virus in Aedes albopictus from La Réunion Island, Indian Ocean. Página visitada em 09-12-2010.
  6. a b Estadão:Casos de nova doença do 'Aedes' chegam ao País. Página visitada em 09-12-2010.
  7. Chikungunya. Página visitada em 09-12-2010.
  8. Four cases of acute flaccid paralysis associated with chikungunya virus infection
  9. catolotolo na Infopédia em linha. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [Consult. 2014-08-25].
  10. Brasil registra três casos de febre chicungunha. Página visitada em 09-12-2010.
  11. Prefeitura de Campinas (10 de Junho de 2014). Notícia oficial da Secretaria de Saúde de Campinas. Prefeitura de Campinas. Página visitada em 10 de Junho de 2014.
  12. a b Arboviroses emergentes no Brasil. Página visitada em 09-12-2010.
  13. Mosquito da Dengue traz nova doença. Página visitada em 09-12-2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]