Chimalpahin Quauhtlehuanitzin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde abril de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Chimalpahin Quauhtlehuanitzin (AFI[tʃiːmaɬˈpaː.in kʷaːwtɬeːwaˈnitsin], "Corre rapidamente com um escudo" e "Águia Ascendente", respectivamente; Amecameca, 1579Cidade do México, 1660) foi um historiador e nobre asteca. Seu nome formal era Domingo Francisco de San Antón Muñoz Chimalpain.

De ascendência indígena, foi descendente dos senhores deTenango-Amecameca-Chalco. Aos 15 anos de idade ingressou no colégio franciscano de Santiago Tlatelolco na Cidade do México, onde recebeu o nome San Antón, junto com uma educação tipicamente espanhola. Foi bem educado no colégio, principalmente no que diz respeito à geografia e história locais.

Ele escreveu sobre o mundo nauatle, mas infelizmente a maioria de seus escritos foram perdidos. Sua obra mais importante que sobreviveu até hoje é sua Relaciones ou Anales. Esta obra em nauatle foi compilada no início do século XVII, e baseia-se nos testemunhos de indígenas. Ela cobre os anos de 1589 a 1615. Ela também trata de eventos anteriores à conquista, listando reis e senhores indígenas, além de vice-reis espanhóis, arcebispos do México e inquisidores. Chimalpahin documentou a visita em 1610 e 1614 das delegações japonesas ao México (lideradas por Tanaka Shosuke e Hasekura Tsunenaga, respectivamente).

Chimalpahin também escreveu Diferentes historias originales (também conhecida como Relaciones originales). Esta obra é uma compilação de alegações e evidências da nobreza declaradas por líderes indígenas de Chalco-Amecameca. Foi escrita com o propósito de servir como um guia jurídico para autoridades vice-reais para garantir os privilégios aos membros da nobreza indígena. Existem oito dessas relaciones. Todas contém informações etnográficas, sociais e cronológicas de grande valor para os historiadores.

Seus manuscritos acabaram, com o tempo, por cair nas mãos de Carlos de Sigüenza y Góngora. Para considerações acerca do destino dos documentos após a morte de Sigüenza, ver Lorenzo Boturini Bernaducci.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • "Chimalpain, Domingo Francisco de San Antón Muñoz," Enciclopedia de México, v. 4. Mexico City, 1988.
  • León-Portilla, Miguel, "Chimalpahin y los orígenes del hombre americano," in Homenaje a Pablo Martínez del Río en el vigésimo aniversario de la primera edición de Orígenes Americanos. 1961.
  • Carrera, Stampa, Manuel, "Historiadores indígenas y mestizos novohispanos. Siglos XVI y XVII," in Revista Española de Antropología Americana. Madrid, 1971.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Historia mejicana antigua, que comprende los sucesos y sucesión de reyes hasta el año 1526
  • Crónica de Méjico desde el año 1068 hasta el de 1597 de la era vulgar
  • Apuntamientos de sucesos desde 1064 hasta 1521
  • Relaciones originales de los reinos de Aculhuacan, Mejico y otras provincias desde muy remotos tiempos
  • Relación de la conquista de Méjico por los espanoles.
  • Annals of His Time: Don Domingo De San Anton Munon Chimalpahin Quauhtlehuanitzin, Stanford University Press, ISBN 0-8047-5454-3

Ligações externas[editar | editar código-fonte]