Chitty Chitty Death Bang

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Chitty Chitty Death Bang"
3º episódio da 1ª temporada de Family Guy
Informação geral
Escrito por: Danny Smith
Direcção Dominic Polcino
Código de produção 1ACX04
Exibição original 18 de de abril de 1999
Convidados

Lori Alan como Diane Simmons
Patrick Bristow como Gerente do Chessie Charlie
Butch Hartman como vários personagens
Mike Henry como Cleveland Brown
Gary Janetti como vários personagens
Waylon Jennings como ele mesmo
Rachel MacFarlane como Jennifer
John O'Hurley como líder do culto

Cronologia
Último
Último
"I Never Met the Dead Man"
"Mind Over Murder"
Próximo
Próximo
Family Guy (primeira temporada)
Lista de episódios de Family Guy

"Chitty Chitty Death Bang" (em português, "O Homem de Branco") é o terceiro episódio da primeira temporada da série de comédia animada Uma Família da Pesada. O enredo mostra Peter tentando consertar a festa de um ano de seu filho Stewie, já que perde a reserva feita em um restaurante popular entre crianças conhecido como Cheesie Charlie. Ao mesmo tempo, Meg se torna amiga de uma garota emotiva chamada Jennifer, levando-a para participar de um culto de morte para que ela se sinta acolhida.

O episódio foi escrito por Danny Smith e dirigido por Dominic Polcino, primeira produção de ambos na série. Butch Hartman, Waylon Jennings, Rachel MacFarlane e John O'Hurley fizeram participações, juntamente com os dubladores de personagens secundários. Grande parte da história mostra o típico estilo de humor da série, que são os cortes fazendo referências culturais ao Incrível Hulk, Os Gatões, Os Três Porquinhos e Couplehood. O título "Chitty Chitty Death Bang" foi baseado nos programas de rádio de 1930 e 1940, principalmente na antologia de terror Suspense, que exibia diversos elementos relacionados com morte e assassinato.

Vários elogios vieram do crítico televisivo Ahsan Haque pelo enredo e uso de referências culturais.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Lois Griffin reservou um dia no centro de entretenimento familiar Cheesie Charlie para comemorar o aniversário de um ano de seu caçula Stewie, e manda seu marido e o filho mais velho para depositar um cheque no lugar. No entanto, desde que chega ao local, Peter trata de perder a reserva — o que deixará Lois chateada. Ele afirma que Cheesie Charlie é um lugar do mal, mas Lois não acredita na história; no entanto, ela decide acreditar no marido, quando ele afirma ter planejado uma festa extravagante em casa.

A filha dos Griffin, Meg, tem problemas para fazer amigos e se encaixar em algum grupo na escola. Ela conhece e logo se torna amiga de uma garota chamada Jennifer, e é convidada para ir numa festa, mas é impedida por Lois, já que o evento acontecerá no mesmo dia do aniversário de Stewie. Enquanto isso, o filho menor interpreta o significado de seu aniversário e chega a conclusão que o mesmo misterioso "homem de branco" que o fez recém-nascido retornará para forçá-lo a voltar para o útero. Stewie decide viajar para outro país e contratar mercenários para ajudá-lo em uma revanche contra o homem de branco. Chega ao aeroporto antes de decidir que deve enfrentá-lo sozinho depois de tudo que aconteceu.

Peter falha ao fazer a festa de aniversário, até que coloca vários integrantes de um circo no quintal de sua casa, salvando o dia — isto é, até revelar a Lois que deu permissão para que Meg fosse à festa na casa de sua amiga; ele tenta tirar a filha da outra comemoração. A família Griffin desconhece que, na verdade, a festa é uma reunião onde os membros cometerão suicídio em massa, bebendo um ponche envenenado. O responsável pelo culto conhece Meg e está quase pronto para ingerir a bebida, mas Peter chega rapidamente e faz um convite comovente para a filha, chamando os outros membros da reunião para a festa de Stewie também: todos eles (com exceção do líder) aceitam e fazem um brinde. Peter e Meg não bebem o ponche envenenado, mas Jennifer e os outros fazem isso e imediatamente, morrem. O mentor percebe que houve uma sobrevivente e então, coloca sua roupa branca e segue para a casa dos Griffin. O pai e a filha correm e chegam em casa a tempo de ver o bolo erótico comprado por Peter. Ao mesmo tempo, Stewie faz uma armadilha para o líder e mata-o, achando que ele era o "homem de branco". O episódio termina com Stewie fazendo seu pedido de aniversário, que primeiramente seria uma bomba caindo, contudo ele muda de ideia e deseja que todos estejam vestindo roupas de disco e dançando.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Produção[editar | editar código-fonte]

Este foi o primeiro episódio a incluir a participação da irmã do criador da série (Seth MacFarlane) Rachel MacFarlane como dubladora.

"Chitty Chitty Death Bang" foi escrito por Danny Smith e dirigido por Dominic Polcino, o primeiro episódio de ambos na série Family Guy. A equipe de escritores incluiam os dubladores Mike Henry e Andrew Gormley, enquanto Ricky Blitt, Chris Sheridan e Neil Goldman foram editores da história.[1] Para ajudar Polcino na direção do episódio, Peter Shin e Roy Allen Smith atuaram como diretores supervisores.[1]

Adicionalmente com o elenco habitual, o ator e comediante Patrick Bristow, o animador, produtor executivo, diretor de animação e produtor Butch Hartman (que interpretou Mr. Weed, o chefe de Peter e vários outros personagens), o escritor Gary Janetti (que dublou Demon e Riff), o ator John O'Hurley e Waylon Jennings (que interpretou ele mesmo) fizeram participações especiais.[1] Membros do elenco recorrente incluiram Mike Henry como Cleveland Brown e Lori Alan que dublou Diane Simmons.[1] Este é o primeiro episódio em que a irmã de Seth MacFarlane, Rachel MacFarlane, faz a dublagem de um personagem, neste caso, de Jennifer. No futuro, ela se tornaria uma dubladora recorrente na série a convite do irmão, mas precisou participar de uma audição antes.[2]

Assim como os quatro primeiros episódios da temporada, o título "Chitty Chitty Death Bang" foi inspirado em programas de rádio de 1930 e 1940, principalmente na antologia de terror "Suspense", que exibia diversos elementos relacionados a morte e assassinato. Essa base foi tirada após o quarto episódio do seriado, em "A Hero Sits Next Door",[3] devido ao fato de que os episódios estavam se tornando cada vez mais difíceis de serem identificados e distinguidos.[4] [5]

Referências culturais[editar | editar código-fonte]

Quando Peter explica à Lois porque cancelou a festa no Cheesie Charlie, diz que foi sequestrado pelos empregados nazistas do local e afirma que escapou ao se tornar o Incrível Hulk.[6] O local onde Lois planejou fazer o aniversário de Stewie possui tal nome em referência à empresa de alimentação Chuck E. Cheese's.[6] Quando Stewie conta sobre como foi concebido, fala sobre a história de quando estava em uma nave de espermatozoide e confrontou com outras naves, em referência às brigas da trilogia Star Wars.[6]

Peter perde seu relógio de pulso de The Dukes of Hazzard.[6] Quando ele procura porcos para o zoológico, desmonta uma casa feita de palha e outra de madeira, citando o conto de fadas Os Três Porquinhos.[6] Os itens adicionados por Jennifer no ponche envenado eram cianeto, arsênio, rodenticida e o livro Couplehood de Paul Reiser.[7]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Uma análise do episódio escrita por Ahsan Haque da IGN em 2008 foi positiva; ele afirmou que enquanto não acreditou que "Chitty Chitty Death Bang" era um "clássico instantâneo", ao mesmo tempo apresentava "muitos momentos memoráveis" e "um enredo muito bem trabalhado." Haque destacou a tentativa de Peter "convencer [Lois] de que as pessoas do Cheesie Charlie são nazistas do mal que o sequestraram e somente conseguiu se libertar porque era capaz de se transformar em Incrível Hulk," assim como o papel de Stewie no episódio, chamando-o de "extremamente inteligente."[6] Concluiu sua crítica dando a nota de 8.4/10.[6] David Williams do DVD Movie Guide, "disse que" os episódios da primeira temporada fizeram um trabalho maravilhoso introduzindo os personagens da série aos telespectadores.[8]

Na avaliação de "Chitty Chitty Death Bang", a TV Critic afirmou que a escrita deste episódio foi mais espiritual do nos anteriores. Achou o enredo de Stewie muito bom, e também comentou positivamente a moral da história. Criticou a história envolvendo Meg, já que não achou graça no suicídio em massa; falou que Peter se pareceu bastante com Homer de Os Simpsons. Em suas críticas finais, disse que houve alguns momentos estranhos, mas foi uma história divertida.[9]

Referências

  1. a b c d Family Guy: Chitty Chitty Death Bang Yahoo!. Visitado em 6-19-2011.
  2. Callaghan, Steve. Family Guy: The Official Episode Guide Seasons 1–3. New York: Harper Collins, 2005. p. 32. ISBN 9780060833053.
  3. Haque, Ahsan. Family Guy Flashback: "A Hero Sits Next Door" Review IGN News Corporation. Visitado em 01-12-2009.
  4. Goldman, Eric (13-03-2006). William S. Paley TV Fest: Family Guy IGN News Corporation. Visitado em 10-03-2009.
  5. Callaghan, p. 32
  6. a b c d e f g Haque, Ahsan (03-06-2008). Family Guy Flashback: "Chitty Chitty Death Bang" Review IGN News Corporation. Visitado em 12-01-2009.
  7. Callaghan, Steve. Family Guy: The Official Episode Guide Seasons 1–3. New York: HarperCollins, 2005. 22–25: "Chitty Chitty Death Bang" pp.
  8. Williams, David. Family Guy: Volume 1 - Season 1 & 2 (1999) DVD Movie Guide. Visitado em 19 de junho de 2011.
  9. Pierson, Robin (07-09-2009). Episode 3 – Chitty Chitty Death Bang The TV Critic. Visitado em 10-09-2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por:
I Never Met the Dead Man
Family Guy (primeira temporada) Sucedido por:
Mind Over Murder