Chris Marker

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Chris Marker (Paris, 29 de Julho de 1921 - 30 de Julho de 2012) foi cineasta, fotógrafo, escritor e artista multimédia francês. Os seus filmes mais conhecidos são La Jetée (1962), Sans Soleil (1983) e A.K. (filme) (1985), um documentário sobre o cineasta japonês Akira Kurosawa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Baptizado Christian François Bouche-Villeneuve, Marker estudou filosofia sob a tutela de Jean-Paul Sartre. Na Segunda Guerra Mundial juntou-se aos maquis. Finda a guerra começou a escrever e a fazer filmes. Viajou por muitos países socialistas e documentou em filmes e livros o que viu. Les statues meurent aussi (1953), que co-realizou com Alain Resnais, foi um dos primeiros filmes anticolonialistas. Anatole Dauman produziu os primeiros filmes de Chris Marker e mais tarde voltou a produzir outros dois: Sunday in Peking e Letter from Siberia.

A carreira como cineasta[editar | editar código-fonte]

O nome Chris Marker começou a ser conhecido internacionalmente quando ele realizou La Jetée em 1962. Este filme de ficção científica conta a história de uma experiência de viagem no tempo num futuro pós-nuclear. Construído por meio de uma fotomontagem a preto-e-branco acompanhada de narração e efeitos sonoros, este filme foi a inspiração que levou Mamoru Oshii a conceber The Red Spectacles (1987). Foi também a inspiração de Terry Gilliam para Twelve Monkeys (1995).

Em 1982 Marker terminou Sans Soleil, alargando os limites do que era até a data o documentário. Trata-se de uma fusão entre imagens documentais e comentários filosóficos, compostos de forma ficcional, criando uma atmosfera de sonho e ficção científica. Os seus principais temas são o Japão, África, a memória e as viagens. Há uma sequência a meio do filme passada em São Francisco (Califórnia) que contém um vasto número de referências a Alfred Hitchcock e ao seu filme Vertigo (filme).

Depois de Sans Soleil, Marker desenvolveu um profundo interesse na tecnologia digital, que o levou ao seu filme Level 5 (1996) e IMMEMORY (1998), um CD-ROM multimédia interactivo produzido pelo Centro Pompidou em Paris. Chris Marker não concedia entrevistas nem se deixava fotografar; quando lhe pediam uma fotografia, Marker habitualmente oferecia a de um gato.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]