Chupa-chupa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O chupa-chupa (também chamado de Frente UFO) trata-se de fenômenos relacionados com a suposta presença de objetos voadores não identificados (OVNI) nas regiões ribeirinhas da Amazônia, principalmente nos arredores de Belém, na Ilha do Marajó e no delta do Rio Amazonas. Tais fenômenos ocorreram na década de 1970 até os primeiros meses de 1981, porém alguns cientistas descordam dessa visão, para estes o chupa-chupa ainda estaria presente nos dias atuais, tendo apenas menor intensidade. A Força Aérea Brasileira chegou a investigar o fenômeno durante a Operação Prato (1977-1978).[1]

Descrição[editar | editar código-fonte]

De acordo com relatos, o fenômeno ocorria à noite com criaturas semelhantes aos seres humanos de estatura média. Os OVNIs tinham formato esférico, aparência cilíndrica e mais raramente forma de peixe. A maioria das pessoas que observavam fatos ligados à evidência de extraterrestres eram atingidos por feixes de luz supostamente disparados pelos OVNIs. A "luz vampira" tinham ação paralisante e deixava consequências douradoras: vertigem, dores no corpo, tremores, falta de ânimo, sonolência, fraqueza, rouquidão, queda de pelos, descamação da pele lesada (queimaduras de 15 cm de primeiro grau no tórax) e dores de cabeça.[1]

O chupa, geralmente luz de cor azulada, picava a pele do ser humano deixando três pequenos furos. Suponha-se que pelo "canudo luminoso" fosse sugado amostras de sangue - daí o nome. Cerca de 80% das vítimas eram mulheres. A doutora Wellaide Cecim Carvalho percebeu que as pessoas atingidas pelo chupa perdiam hemácias, o que seria a causa dos sintomas. Wellaide também afirmou que as queimaduras tinham características que a diferenciavam: a queimadura sofria necrose de forma imediata, enquanto o normal seria que ocorresse 96 horas depois. A doutora Wellaide, na época fez vários relatórios para Secretaria Executiva de Saúde por causa da grande quantidade de casos, mas foi proibida pelos órgãos de governo de admitir que houvesse algo estranho, e que tentasse "convencer as pessoas atingidas pelas luzes conhecidas por chupa-chupa de que elas estavam sendo vítimas de uma alucinação coletiva e que aquilo que elas viram nunca existiu", afirmou Wellaide numa entrevista para o jornal O Liberal.[2]

Referências

  1. a b O que era o espantoso fenômeno chupa-chupa Ufo. Página visitada em 20 de novembro de 2012.
  2. Chaves, Pepe. Assombrações luminosas na selva – parte II Ufovia. Página visitada em 20 de novembro de 2012.
Ícone de esboço Este artigo sobre ufologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.