Ciclo de Calvin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ciclo de Calvin e fixação do carbono.

O Ciclo de Calvin é a fase não luminosa da fotossíntese, que ocorre no estroma, massa amorfa do cloroplasto que envolve os tilacóides.

É nesta fase, após a redução do NADP+ a NADPH na fotofosforilação acíclica e a fosforilação do ADP+Pi em ATP (ambos transportadores de energia) na fotofosforilação acíclica ou cíclica, que o dióxido de carbono combina-se com um pentose - ribulose difosfato (RuDP), originando um composto intermédio, instável, com seis carbonos. Devido à sua instabilidade, este composto origina de imediato duas moléculas de fosfoglicerato ou ácido fosfoglicérico (PGA), constituído por 3 carbonos. Estas duas moléculas são fosforiladas pelo ATP e posteriormente reduzidas pelo NADPH, a partir da fase dependente da luz. Estas reacções formam o aldeído fosfoglicérico (PGAL). Por cada doze moléculas de PGAL formadas, dez são utilizadas para regenerar a ribulose (fazendo assim voltar, após a fosforilação deste por 6 ATPs, o ciclo à etapa inicial). Duas moléculas são utilizadas para formar compostos orgânicos, como glícidos e outros, dando assim sentido à autotrofia da fotossíntese.

É necessário, para formar uma molécula de glicose, que este ciclo se repita seis vezes.

Para o crédito de uma molécula de glicose há o défice de seis moléculas de CO2, dezoito de ATP (três por cada ciclo) e doze de NADPH (duas por cada ciclo).

Ícone de esboço Este artigo sobre Botânica é um esboço relacionado ao Projeto Plantas. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.