Cidade Ardente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cidade Ardente
City Heat
Pôster promocional
 Estados Unidos
1984 • cor • 97 min 
Direção Richard Benjamin
Produção Tony Adams
Roteiro Blake Edwards
(história, como Sam O. Brown)
Joseph C. Stinson[1]
Elenco Clint Eastwood
Burt Reynolds
Gênero Comédia de ação
Idioma Inglês
Música Lennie Niehaus
Cinematografia Nick McLean
Edição Jacqueline Cambas
Estúdio The Malpaso Company
Distribuição Warner Bros.
Lançamento Estados Unidos 7 de dezembro de 1984
Portugal 23 de maio de 1985
Orçamento US$25 milhões[2] [3]
Receita US$,300,000
Página no IMDb (em inglês)

Cidade Ardente (no original em inglês, City Heat) é um filme estadunidense de 1984, do gênero comédia de ação, dirigido por Richard Benjamin e estrelando por Clint Eastwood e Burt Reynolds. O filme foi lançado na América do Norte em dezembro de 1984.

O emparelhamento de Eastwood e Reynolds foi pensado para ter o potencial para ser um grande sucesso. Mas o filme ganhou apenas $38.3 milhões nas bilheterias, um lucro de $13.3 milhões em seu orçamento de $25 milhões.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Em Kansas City, 1933, perto do fim da Lei Seca,[1] um tenente da polícia conhecido por seu sobrenome, Speer (Eastwood), está familiarizado com um ex-policial que virou detetive particular chamado Mike Murphy (Reynolds). Speer e Murphy já foram bons amigos, o que mudou depois que Murphy deixou a força.[1]

Em uma noite chuvosa, Speer vai a uma lanchonete para tomar café. Dois capangas chegam, procurando Murphy. Eles atacam no minuto em que Murphy chega, iniciando uma briga. Speer, nenhum fã de Murphy, ignora a luta até que um tonto faz com que ele derrame seu café. Ambos os capangas são jogados pela porta da frente. Murphy sarcasticamente dá graças a Speer por salvar sua vida.

Os dois rivais têm olhos para a secretária de Murphy Addy, (Jane Alexander). Ela ama ambos e prova isso quando, depois de dar um beija de adeus carinhosamente em Murphy, vai a um encontro com Speer. Murphy tem um novo interesse romântico, uma socialite rica chamada Caroline Howley (Madeline Kahn), mas encontra-se incapaz de se entregar a relação.

Speer e Addy vão a uma luta de boxe em que o chefe da máfia, Primo Pitt (Rip Torn) está presente. Parceiro de Murphy, Dehl Swift (Richard Roundtree) também está lá, e parece estar em conluio com Pitt e sua gangue. Swift está na posse de uma mala cujo conteúdo, registros contábeis secretos de operações do chefe de gangue rival Leon Coll, são o alvo de ambos bandos de Pitt e Coll.

Swift, atado por Speer e Addy , é confrontado por bandidos de Pitt em seu apartamento e é baleado até a morte.[1] Um bandido abre a pasta, mas não há nada dentro. Ele pega o corpo de Swift e joga-o para fora da janela, onde ele cair no telhado do carro estacionado de Speer (que é ocupado pelo horrorizado Addy, que espera depois de Speer ter ido investigar no apartamento).

Murphy jura vingança sobre Pitt por matar seu parceiro. Ele pede a Speer uma assistência e eles formam uma aliança relutante. Uma testemunha do assassinato é a namorada de Swift, cantora de boate Ginny Lee (Irene Cara). Após o encontro com Murphy em um filme, Gina é confrontado por bandidos de Pitt fora do teatro. Quando ela tenta escapar, ela é atropelada por um carro e fica gravemente ferida.

Murphy e Speer prometem vingar dela e também tentar salvar Caroline, que foi raptada pelo bando de Pitt para forçar Murphy a entregar os registros perdidos. Um confronto final com Pitt e sua gangue ocorre em um armazém (onde Speer continuamente e com humor continua a puxar as armas maiores que Murphy) e em um bordel (onde Murphy aparece em um traje para resgatar Caroline).

Como o que resta da gangue de Pitt são transportados pela polícia, Coll aparece segurando Addy com uma arma e exigindo seus registros. Murphy e Speer prometem entregar em mãos sobre a pasta em troca de Addy, mas o caso é uma armadilha. O carro de Coll é explodido com Coll nele. No final, os rivais se tornaram amigos de novo, pelo menos até que uma observação casual leva a outra completa briga em uma boate e termina com Speer e Murphy pisar lá fora para uma briga, cara a cara.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Blake Edwards co-escreveu o roteiro, inicialmente intitulado Kansas City Blues.[4] Edwards foi o diretor original do filme, mas foi demitido no início e substituído por Richard Benjamin. Ele manteve crédito co-escrito sob o pseudônimo de Sam O. Brown (As iniciais S.O.B. sendo uma referência para o seu filme anterior).[4] Eastwood foi escalado como como o protagonista e recebeu um salário de US$4 milhões.[5]

As filmagens começaram em Fevereiro de 1984. No primeiro dia Reynolds foi acidentalmente atingido no rosto com uma cadeira de metal durante uma cena de luta.[2] Sua mandíbula estava quebrada e ele estava restrito a uma dieta líquida, levando-o a perder mais de 30 quilos, as filmagens ficaram paradas por um tempo. Sua condição foi manchete nos tablóides, que especularam que ele tinha AIDS.[6]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Clint Eastwood é um dos pianistas ouvido fazendo o jazz na trilha sonora do filme. Eastwood é um aficionado de jazz da vida real.[7]

Lançamento e recepção[editar | editar código-fonte]

City Heat foi lançado nos cinemas dos Estados Unidos em dezembro de 1984. Ele arrecadou $38.3 milhões nas bilheterias norte-americanas.[8] O filme foi nomeado ao Framboesa de Ouro, incluindo Pior Ator para Reynolds.[9]

O filme recebeu críticas medíocres e críticos expressaram seu desapontamento com o script e o emparelhamento das duas estrelas de cinema. Não existe consenso no Rotten Tomatoes, embora 10 dos 13 avaliadores citados no local deram ao filme uma avaliação "podre".[10] Na escala de Roger Ebert 0-4, deu ao filme 0.5 de 4 estrelasStar empty.svgStar empty.svgStar empty.svg (metade de uma estrela), perguntando: "Como travestis como este são feitos?":[11] Janet Maslin foi mais positiva, dizendo que "enfeitado e overplotted como está, City Heat tem muitos benefícios com o trabalho em equipe sardônico de Clint Eastwood e Burt Reynolds. Sem eles o filme seria eminentemente esquecível, mas suas brincadeiras lhes dá uma vantagem agradável." De acordo com Maslin:[12]

O filme ... consegue ser pesado e ligeiro. Como fez em My Favorite Year, e, até certo ponto, em que compete com Racing with the Moon, Richard Benjamin se estabeleceu em um período de tempo evocativo e um elenco top de linha e mais ou menos à esquerda das coisas por aí. City Heat dedica muito mais energia para adereços, cenários e roupas do que para a racionalização dramática tão mal necessária. O roteiro, que é parte Sting, parte Sam Spade e parte pia da cozinha, ou é um pedaço de gênero irremediavelmente complicado ou muito sutil demais para levantar voo sobre o mesmo.

References[editar | editar código-fonte]

Specific citations
  1. a b c d Review - City Heat Variety. Página visitada em 2 de junho de 2013.
  2. a b Hughes, p.73
  3. Munn, p. 200
  4. a b Hughes, p.72
  5. Hughes, p.74
  6. Eliot, p.216
  7. Tosches, Nick. Nick Tosches on Clint Eastwood Vanity Fair. Página visitada em September 8, 2012.
  8. Hughes, p.75
  9. Wilson, John. The Official Razzie Movie Guide: Enjoying the Best of Hollywood's Worst. [S.l.]: Grand Central Publishing, 2005. ISBN 0-446-69334-0
  10. City Heat at Rotten Tomatoes. Acessado em 2 de junho de 2013
  11. Ebert, Roger (1984). City Heat Ebert Digital LLC. Página visitada em 2013-06-02.
  12. Maslin, Janet (December 7, 1984). Benjamin Directs City Heat The New York Times. Página visitada em 2013-06-02.
Referências gerais

Ligações externas[editar | editar código-fonte]