Cidade Negra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde março de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Cidade Negra
Cidadenegranovaformacao.jpg
Primeiro concerto com o ex-vocalista Alexandre Massau, no dia 27 de julho de 2008
Informação geral
Origem Belford Roxo,  Rio de Janeiro
País  Brasil
Gênero(s) Reggae groove, soul, pop rock
Período em atividade 1986 – atualmente
Gravadora(s) Sony Music
EMI
Independente
Som Livre
Página oficial www.cidadenegra.com.br
Integrantes
Toni Garrido
Bino Farias
Lazão
Ex-integrantes
Ras Bernardo
Alexandre Massau
Da Gama

Cidade Negra é uma banda brasileira, originalmente de reggae, com outras influências, como soul e o pop rock. Formado por Ras Bernardo (vocal), Bino Farias (baixo) e Lazão (bateria) o grupo surgiu na cidade de Belford Roxo, no Rio de Janeiro em 1986. Suas letras falam de amor e problemas sociais.

História[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Foi tudo uma questão de fé, pois o pai de Bino tocava violão e sua mãe cantava em um coral de uma igreja local. Bino era também frequentador assíduo do lugar e foi lá que conheceu Da Gama e Lazão, e com eles formou o Novo Tempo, com uma missão simplória: tocar num festival da igreja. Em 1983 com a entrada de Bernardo surgiu o Lumiar (primeiro nome da banda), os jovens eram abastecidos pela paixão em comum pelo ritmo jamaicano, Bob Marley, em especial, pela música brasileira como Tim Maia e pelo funk e soul dos anos 1970, além de grandes clássicos do rock como Led Zeppelin. Foi dessa junção de estilos, que sairia o som único e inconfundível do Cidade Negra. O primeiro concerto aconteceu em 1986 no Teatro Arcadia, na Baixada, como parte de um projeto musical batizado de "Terças Culturais". A mudança de nome ocorreu em função da existência de outra banda com o mesmo nome Lumiar, a partir de então a banda passou a se chamar Cidade Negra, os ensaios ocorriam na casa de Da Gama, com instrumentos emprestados. Um documentário da BBC de Londres sobre a cultura na Baixada, dando ênfase a banda, serviu de incentivo para o grupo, foi então que em 1990, a Sony Music, ainda CBS, resolveu apostar neles. Logo depois em 1991 com Nelson Meirelles e Eduardo Egs na mesa de produção, veio seu primeiro álbum, Lute Para Viver, maduro, com letras politizadas e sobre a vida e seus ensinamentos. Dele se destacou o hit "Falar a Verdade", um tiro que assaltou todas as rádios do Brasil na época e que até hoje é pedido nos concertos. O álbum também contou com a participação mais que especial do consagrado Jimmy Cliff na canção "Mensagem".

Reggae Sunsplash Festival[editar | editar código-fonte]

Já no ano seguinte o grupo atravessou fronteiras, indo tocar no Reggae Sunsplash Festival, em Montego Bay, na Jamaica; tornando-se os primeiros artistas latino-americanos a participar do evento. No retorno, o Cidade Negra voltou aos estúdios. Em 1992 veio Negro no Poder, ainda mais pesado e politizado, e talvez por isso menos aceito pela mídia. Esse foi o último disco de Bernardo com a banda, pois o mesmo saíra para seguir carreira solo.

Toni Garrido[editar | editar código-fonte]

O ano de 1994 foi um ano de transição para o grupo. Toni Garrido ex-vocalista da Banda Bel (uma banda de samba, funk e soul) substituiu Ras Bernardo nos vocais do grupo e logo mostrou a que veio, imprimindo seu toque nas novas composições. Juntamente com o experiente Liminha, agora na produção, o som do grupo tornou-se mais diversificado, mais pop, mas sem se perder das raízes do reggae e dos temas sociais.

Sobre Todas as Forças[editar | editar código-fonte]

O terceiro álbum: Sobre Todas as Forças, coroou a banda, consagrando-a para o sucesso, com grandes sucessos como "A Sombra da Maldade" e "Pensamento". O álbum caiu nas graças do público, até mesmo daqueles que nunca haviam dado bola para o ritmo jamaicano. Dessa vez o álbum contou com a participação de Shabba Ranks na canção "Downtown". Mas o grande sucesso mesmo desse álbum foi a romântica "Onde Você Mora?", de autoria de Nando Reis e Marisa Monte. O álbum também contou com a participação de Gabriel o Pensador.

Solidificação do Sucesso[editar | editar código-fonte]

Lançado em 1996, o quarto álbum O Erê solidificou o sucesso da banda. Uma vez mais produzido por Liminha, o álbum contou com as participações de Patra em "Realidade Virtual" e do grupo Inner Circle[necessário esclarecer] na canção "Free". "Firmamento" juntamente com a faixa-título "O Erê" foram os principais hits do álbum. Mais tarde, em 1998, viria o quinto álbum da banda Quanto Mais Curtido Melhor, novamente produzido por Liminha, emplacando nas paradas com mais um hit, a canção "A Estrada". O álbum contou com a participação de Lulu Santos na inédita "Sábado à Noite" e também da cantora africana Angelique Kidjo. Lançado em 1999, o álbum duplo Hits & Dubs mostrou o quanto a banda é reconhecida dentro e fora do país. Enquanto o Hits contém uma coletânea com os maiores sucessos da banda desde seu início, o Dubs trata-se de versões das canções da banda remixadas por alguns dos maiores nomes do reggae e do dub como Lee 'Scratch' Perry, Steel Pulse e Mad Professor; e de produtores amigos da banda como Nelson Meirelles, Liminha e Paul Ralphes. No ano seguinte, em 2000, viria o sétimo álbum da banda, Enquanto o Mundo Gira, talvez aquele que mais tenha se afastado do reggae, aderindo ao pop. Deste álbum destacam-se as canções "A Flecha e o Vulcão", "Podes Crer" e "Voz do Excluído", esta com participação de MV Bill.

Acústico MTV[editar | editar código-fonte]

Em 2002, à convite da MTV, o grupo abraçou o projeto Acústico MTV, registrado em CD e DVD. Produzido por Liminha e Paul Ralphes, o álbum é uma coletânea de grandes sucessos da banda em versões desplugadas, levemente retocadas. Além dos grandes sucessos o álbum apresentou as inéditas "Girassol", "Berlim" e a versão em português de "Johnny B. Goode" de Chuck Berry, com o arranjo igual a versão de Peter Tosh. O acústico contou com a participação de Gilberto Gil em sua própria canção "Extra".

A banda em concerto, 17 de julho de 2005

Volta às raízes[editar | editar código-fonte]

Após o álbum acústico, Perto de Deus foi o primeiro lançamento da banda. Produzido por Paul Ralphes e lançado em 2005, o álbum resgata o reggae raiz. Nesse álbum grande destaque para a canção "Perto de Deus" com a participação de Anthony B. Destacam-se também as canções "Além das Ondas", "Eu sei que Ela" e o "Homem que Faz a Guerra", que contou com a participação do rapper Rappin Hood. O álbum também apresenta a versão de um dos maiores sucessos de Bob Marley, "Concrete Jungle".

Vinte anos[editar | editar código-fonte]

Em 2006, comemorando vinte anos de carreira, o grupo carioca lançou o duo CD e de igual maneira DVD Direto - Ao Vivo. Gravado na Fundição Progresso, na Lapa, Rio de Janeiro, o CD traz dezoito faixas, incluindo os grandes sucessos e sete canções inéditas, três delas gravadas em estúdio. Dentre as inéditas podemos destacar "Bamba" (ao vivo) e "O Paraíso tem um Tempo Bom" (estúdio). Participações especiais não faltaram, Lulu Santos e Os Paralamas do Sucesso marcaram presença, engrandecendo ainda mais o evento.

Diversão[editar | editar código-fonte]

Não rendendo o sucesso esperado com o álbum Direto - Ao Vivo, a gravadora Sony BMG acabou não renovando seu contrato com a banda, que logo encontrou abrigo na EMI Music para lançar seu mais novo projeto até então o CD e DVD: Diversão - Ao Vivo, gravado no Teatro Popular - Niterói, em 16 de agosto de 2007, lançado segundo a própria banda, apenas por diversão. Neste álbum, produzido por Nilo Romero, a banda homenageia grandes nomes da música brasileira, como Cazuza, Chico Buarque, Jorge Ben Jor e Legião Urbana; regravando grandes sucessos da MPB em ritmo de reggae. O disco não traz composições inéditas do grupo. A faixa de trabalho do álbum foi "Meu Coração" composição de Gilberto Gil e Pepeu Gomes lançada originalmente em 1979.

Saída de Toni Garrido e chegada de Alexandre Massau[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2008, Toni Garrido anunciou sua saída do Cidade Negra, depois de quatorze anos na estrada, para seguir carreira com a superbanda Flecha Black e realizar trabalhos solo.[1] Toni cumpriu o que já estava marcado na agenda da banda e realizou seu último concerto na Festa Estadual do Leite Presidente Getúlio, Santa Catarina, em 31 de maio de 2008. No dia 13 de junho, o Cidade Negra anunciou o novo vocalista. Para o lugar de Toni, a banda contou com o cantor Alexandre Massau,[2] ex-vocalista das bandas mineiras Berimbrown e Preto Massa. Alexandre mudou-se para Rio de Janeiro, onde alavancou de vez sua carreira ao ser o mais cotado substituto de Toni Garrido. Logo em seguida, fez sua estréia no grupo, no Festival de Inverno da cidade mineira de Santos Dumont, em 29 de julho do mesmo ano, com calorosa recepção do público. Cinco meses depois do desligamento de Toni Garrido, o guitarrista Da Gama anunciou em seu site sua saída do grupo para seguir carreira solo, carreira qual ele já vinha se dedicando desde meados do ano, trabalhando na produção de seu primeiro disco solo Violas e Canções. Com a saída de Da Gama, o Cidade Negra agora era um trio com Alexandre, Lazão e Bino. Com a saída também do guitarrista contratado Sérgio Yazbeck, entraram os guitarristas Alexandre Prol e Egler Bruno, ambos músicos experientes com trânsito em vários estilos, que deram um encorpada no som. Completa a formação o tecladista Alex Meirelles, já há anos no Cidade Negra.

Retorno de Toni Garrido e Hei, Afro![editar | editar código-fonte]

Após quase dois anos e meio afastado, em janeiro de 2011, Toni Garrido retornou a fazer shows com a banda.[3] [4] No entanto, sua volta oficial só ocorreu no fim de 2012, quando se juntou à banda para gravar o álbum Hei, Afro!, lançado em março de 2013.[2]

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Ex-integrantes:

Formação atual[editar | editar código-fonte]

Toni Garrido[editar | editar código-fonte]

Bino Farias[editar | editar código-fonte]

Lazão[editar | editar código-fonte]

Lazão é o baterista da banda. A música esteve sempre em sua vida. Lazão foi criado ouvindo as rádios e músicas que o pai gostava como Orlando Silva, Evaldo Braga, The Fevers e Bill Halley, que ele também apreciava. Por si só, Lazão começou a tocar percussão em 1974, no bloco carnavalesco Anjo da Guarda, do Morro da Palmeira, onde morava, no Rio de Janeiro. A partir dos 15 anos, a poesia passou a ser uma boa companheira para o músico, que sempre podendo priorizou seu lado compositor. Mas o que ele gostava mesmo era de rock e soul music, fruto da influência de Monsieur Lima e Big Boy. Naquela época, Lazão e um amigo montaram uma equipe de som, "Black soul do Rubem"; em Belford Roxo. Os bailes rolavam sexta e sábado e Lazão era responsável pela iluminação da festa. Entre as parcerias que fez ao longo da carreira, junto com o Cidade Negra, estão músicos e artistas como Marcos Valle, Dulce Quental, Zé Ramalho, Jorge Mautner, MV Bill, Nelson Motta, Bernardo Vilhena e André Derizans. Com 22 anos de estrada, o baterista e percussionista assina juntamente com o restante do grupo alguns dos maiores sucessos da banda.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Prêmios e Indicações[editar | editar código-fonte]

VMB[editar | editar código-fonte]

Ano Trabalho Prêmio Indicação Notas Resultado Ref.
1995 Música "Sombra Da Maldade" MTV Video Music Brasil 1995 "Melhor Videoclipe de Pop" Indicado [5]
"Melhor Edição em Videoclipe" Indicado [5]
1997 Música "Firmamento" MTV Video Music Brasil 1997 "Melhor Videoclipe do Ano - Escolha da Audiência" Indicado [6]
1998 Música "Realidade Virtual" MTV Video Music Brasil 1998 "Melhor Videoclipe do Ano" Indicado [7]
"Melhor Videoclipe do Ano - Escolha da Audiência" Indicado [7]
"Melhor Videoclipe de Pop" Indicado [7]
"Melhor Direção em Videoclipe" Indicado [7]
"Melhor Edição em Videoclipe" Indicado [7]
"Melhor Direção de Arte em Videoclipe" Indicado [7]
"Melhor Fotografia em Videoclipe" Indicado [7]
1999 Música "Já Foi" MTV Video Music Brasil 1999 "Melhor Videoclipe do Ano" Indicado [8]
"Melhor Videoclipe do Ano - Escolha da Audiência" Indicado [8]
"Melhor Videoclipe de Pop" Indicado [8]
"Melhor Edição em Videoclipe" Editores: Oscar Rodrigues Alves/Rogério Alves Indicado [8]
"Melhor Fotografia em Videoclipe" Diretor de fotografia: Adriano Goldman Indicado [8]
2001 Música "A Flecha e o Vulcão" MTV Video Music Brasil 2001 "Melhor Edição em Videoclipe" Editor: Daniel Rezende Indicado [9]
2002 Música "Girassol" MTV Video Music Brasil 2002 "Melhor Videoclipe do Ano - Escolha da Audiência" Indicado [10]
2005 Música "Perto de Deus" MTV Video Music Brasil 2005 "Melhor Videoclipe do Ano - Escolha da Audiência" Indicado [11] [12]

Prêmio Multishow de Música Brasileira[editar | editar código-fonte]

Ano Trabalho Prêmio Indicação Resultado Ref.
1997 Prêmio Multishow de Música Brasileira 1997 Melhor Grupo Musical Venceu [13]
2005 Álbum "Perto de Deus" Prêmio Multishow de Música Brasileira 2005 Melhor CD do Ano Indicado [14]
Música "Perto de Deus" "Melhor Videoclipe do Ano" Indicado [14]

Grammy Latino[editar | editar código-fonte]

Ano Trabalho Prêmio Indicação Resultado Ref.
2001 Álbum "Enquanto o Mundo Gira" Grammy Latino de 2001 Grammy Latino de Melhor Álbum de Rock Brasileiro Indicado [15] [16]

Referências

  1. França, Jamari (3 de abril de 2008). Toni Garrido deixa o Cidade Negra para seguir solo. O Globo. Página visitada em 20 de março de 2013.
  2. a b Cidade Negra lança Hei, afro!, álbum que marca o retorno do cantor Toni Garrido à banda. Diário de Pernambuco (6 de dezembro de 2012). Página visitada em 20 de março de 2013.
  3. Toni Garrido volta a cantar no Cidade Negra. R7 (24 de janeiro de 2011). Página visitada em 21 de março de 2013.
  4. Show marca o retorno de Toni Garrido ao Cidade Negra. Terra Networks (19 de janeiro de 2011). Página visitada em 21 de março de 2013.
  5. a b mtv.uol.com.br/ Lista dos indicados e vencedores do VMB 1995 no MTV.com.br
  6. mtv.uol.com.br/ Lista dos indicados e vencedores do VMB 1997 no MTV.com.br
  7. a b c d e f g mtv.uol.com.br/ Lista dos indicados e vencedores do VMB 1998 no MTV.com.br
  8. a b c d e mtv.uol.com.br/ Lista dos indicados e vencedores do VMB 1999 no MTV.com.br
  9. mtv.uol.com.br/ Lista dos indicados e vencedores do VMB 2001 no MTV.com.br
  10. mtv.uol.com.br/ Lista dos indicados e vencedores do VMB 2002 no MTV.com.br
  11. mtv.uol.com.br/ Lista dos indicados e vencedores do VMB 2005 no MTV.com.br
  12. musica.culturamix.com/
  13. multishow.globo.com/ O Prêmio de 1997
  14. a b estadao.com.br/ Pitty lidera indicações ao Prêmio Multishow 2005
  15. estadao.com.br/ Grammy Latino celebra hoje sua 2ª edição
  16. cliquemusic.uol.com.br/ Um Grammy Latino só para a MPB

Ligações externas[editar | editar código-fonte]