Cidade Tiradentes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Distrito paulistano da
Cidade Tiradentes
Área 15 km²
População (11°) 219.868 hab. (2010)
Densidade 146,58 hab/ha
Renda média R$ 864.00
IDH 0,766 - médio (87°)
Subprefeitura Cidade Tiradentes
Região Administrativa Leste 2
Área Geográfica 4
Distritos de São Paulo Bandeira da cidade de São Paulo.svg

Cidade Tiradentes é um distrito do município brasileiro de São Paulo, situado no extremo leste da cidade, a 35 quilômetros do marco zero. [1]

Perfil[editar | editar código-fonte]

A Cidade Tiradentes concentra mais de 40 mil unidades habitacionais, a maioria delas, construídas na década de 1980 pela Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (COHAB), Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU) e por grandes empreiteiras, que inclusive aproveitaram o último financiamento importante do Banco Nacional da Habitação (BNH), antes de seu fechamento.

O bairro foi planejado como um grande conjunto periférico e monofuncional do tipo “bairro dormitório” para deslocamento de populações atingidas pelas obras públicas, assim como ocorreu com a Cidade de Deus, no Rio de Janeiro.

Histórico[editar | editar código-fonte]

No final da década de 1970, o poder público iniciou o processo de aquisição de uma gleba de terras situada na região, que era conhecida como Fazenda Santa Etelvina, abrangendo 15 km². A área, então composta por Mata Atlântica, eucaliptos, lagos, córregos, nascentes e olarias artesanais familiares, passou a ser ocupada por conjuntos habitacionais da Cohab (Companhia Habitacional). Prédios residenciais começaram a ser construídos, modificando a paisagem e o local começou a ser habitado por enormes contingentes de famílias, que aguardavam na “fila” da casa própria de Companhias habitacionais, vindos de bairros como Casa Verde, Limão, Vila Prudente, Ipiranga, Vila Formosa, Bixiga e Jabaquara.

Além da vastidão de conjuntos habitacionais, que passaram a predominar na região, cerca de 160 mil pessoas compõem a chamada “Cidade Formal”; existe também a “Cidade Informal”, formada por favelas e pelos loteamentos habitacionais clandestinos e irregulares, instalados em áreas privadas e que são habitados por cerca de 60 mil pessoas.

A Cidade Tiradentes possui, portanto, uma população estimada em 220 mil habitantes que estão, de certa forma, separados por dois níveis de pobreza: há 71 equipamentos na cidade formal e 3 na informal; a renda média do chefe de família varia de 500 a 1200 reais na Cidade Formal e de 200 a 500 na Informal; o analfabetismo vai de 0 a 10% na Cidade Formal, ao passo que na Informal o índice fica entre 10 e 20%.[1]

As áreas ocupadas pela população da Cidade Informal são lacunas deixadas na construção dos prédios da Cohab; ocupações nas bordas dos conjuntos, e também de expansão da mancha urbana.

A identidade dos moradores de Cidade Tiradentes está diretamente ligada ao processo de constituição do bairro, feita sem um planejamento pré-estabelecido, que levasse em conta as necessidades básicas da população. Muitas pessoas vieram para a Cidade Tiradentes em busca da realização do sonho da casa própria, embora boa parte tenha se deslocado a contragosto, na ausência de uma outra opção de moradia. O fato de não terem encontrado no local uma infra-estrutura adequada às suas necessidades e da região oferecer escassas oportunidades de trabalho, fez com que passassem a ter Cidade Tiradentes, como bairro dormitório e de passagem e não de destino.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

CEU na Cidade Tiradentes.

Com a construção de um grande hospital, o Hospital Municipal Cidade Tiradentes, duas unidades do CEU - Centro Educacional Unificado, construção e revitalização de praças,[2] inauguração de unidades do Programa de Saúde da Família, construção da Escola Técnica de Saúde Pública da Cidade Tiradentes, o Expresso Tiradentes e muitas outras ações voltadas para área social. Além de pavimentação de várias ruas na região, a regularização e revitalização das calçadas, mais iluminação nas ruas[3] e agora com a construção do Expresso Tiradentes, o transporte público irá melhorar muito.[4]

Acesso[editar | editar código-fonte]

O distrito é ligado por quatro eixos viários: o primeiro é a estrada do Iguatemi, que faz a ligação com as regiões de São Mateus, Itaquera e Guaianases; o segundo é a Avenida dos Metalúrgicos, na área central do distrito, que concentra os serviços públicos; o terceiro é formado pela Avenida dos Têxteis, que se dirige em parte para o fundo de vale da Avenida dos Metalúrgicos e para o fundo de vale da avenida projetada Naylor de Oliveira; o quarto eixo é composto pela Avenida Inácio Monteiro, que permite acesso à parte leste do conjunto.

Outra via importante é a Avenida Sara Kubitschek.

A região dispõe de 25 linhas de ônibus, cujos principais destinos são os terminais Parque Dom Pedro II, Princesa Isabel, São Mateus, estações do Metrô e da CPTM.

O tempo estimado de viagem até o centro é de aproximadamente 1h50, mas os moradores do bairro dizem que levam até duas horas e meia para fazer o percurso.

Expresso Tiradentes[editar | editar código-fonte]

Ônibus articulado do Expresso Tiradentes (foto tirada na Região Central de São Paulo).

Com percurso total de 32 quilômetros de extensão, o corredor ligará a Cidade Tiradentes ao Centro, beneficiando entre 350 e 400 mil passageiros que moram no bairro e outras regiões da Zona Leste. Com o corredor, a viagem será reduzida para menos de uma hora. O primeiro trecho, ligando o Parque D. Pedro ao Terminal Sacomã, foi entregue em março de 2007.

O projeto indica ainda que haverá arborização de todo o trajeto até Cidade Tiradentes. Técnicos prevêem que em cinco ou dez anos a feição de toda a região atendida pelo corredor será transformada, com um modelo diferente de ocupação e novos empreendimentos.[4]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de São Paulo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.