Cirrus SR22

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Setembro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)



Cirrus SR22
New Zealand PW-51.svg
Cirrus SR-22 - Fácil pilotagem, manutenção simples e barata, robustez estrutural e baixo consumo de combustível.
Descrição
Tipo Aeronave executiva
Fabricante Cirrus Design
Tripulação/Equipa 1 piloto
Capacidade de
passageiros
3 passageiros
Propulsão
Motorização Continental IO 550 aspirado
Potência 310 hp
Performance
Alcance (MTOW) cerca de 1.300 km


O Cirrus SR22 é uma econômica aeronave monomotor a pistão de pequeno porte para uso executivo, de passeio e turismo, com um elegante design de linhas fluidas e capacidade para transportar com razoável conforto um piloto e três passageiros em viagens intermunicipais e interestaduais, fabricado nos Estados Unidos desde a década de 1990 pela Cirrus Design, um dos maiores e mais inovadores, ousados e admirados fabricantes de aeronaves leves a pistão do mundo.[1] [2] [3]

É um avião monoplano, com somente um plano de sustentação, com alcance de voo de cerca de 1.300 quilômetros [4] , com reservas.

A família de aeronaves Cirrus SR é um grande sucesso de vendas no mercado mundial de aeronaves leves a pistão, com mais de 5.000 unidades vendidas, consequência natural de uma feliz combinação de características positivas de robustez estrutural, manutenção simples e barata, baixo consumo de combustível, design atraente, modernidade e preço de aquisição competitivo.

No Brasil são mais de 270 unidades vendidas desde 2005.

Essa aeronave é uma versão de performance melhorada derivada do Cirrus SR20, com motorização a pistão mais potente Continental IO 550 aspirado de 310 hp, e tem a proposta de cumprir praticamente as mesmas missões de turismo e passeio da versão menos potente, mas visando principalmente um perfil de consumidor mais exigente, basicamente executivos e empresários, com uma velocidade de cruzeiro aumentada para cerca de 320 km / h.

O fabricante disponibiliza no Cirrus SR22 o útil e moderno sistema de navegação EFIS (Electronic Flight Instrument System), com as telas PFD (Primary Flight Display) e MFD (Multi Function Display), que simplificam a navegação e reduzem a carga de trabalho do piloto, tornando as viagens mais seguras e tranquilas.

O SR-22 é um dos dois aviões do simulador de voo do Google Earth.

Fuselagem[editar | editar código-fonte]

O modelo Cirrus SR22 e seu irmão com motorização menos potente Cirrus SR20, quase idênticos entre si, são criações originais da indústria Cirrus Design estadunidense. São projetos inteiramente novos que utilizam de forma intensiva o material composto, são mais robustos que aeronaves do mesmo tamanho e capacidade construídas em alumínio e ligas metálicas.

A construção da fuselagem e das asas em material composto do Cirrus SR22, combinada com a tradicional motorização a pistão Continental IO 550 aspirado, resulta numa significativa economia de combustível e baixo custo de manutenção. É atualmente um dos modelos de aeronaves leves para uso executivo mais vendidos nos Estados Unidos e no Brasil.

Inovação[editar | editar código-fonte]

Um dos mais impressionantes equipamentos disponíveis no Cirrus SR22, e que eleva o nível de segurança da aeronave, é o paraquedas fabricado pela empresa Ballistic Recovery Systems, que conectado por resistentes peças à fuselagem da aeronave permite ao aviador um procedimento de emergência com acionamento em voo, caso o único motor disponível falhe.

Acidente[editar | editar código-fonte]

No dia 2 de março de 2008, um avião Cirrus SR 22 caiu na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, logo após a decolagem do aeroporto de Jacarepaguá, com quatro pessoas a bordo. Houve uma grande explosão. Como o avião ainda não estava em grande altitude, não foi possível acionar o paraquedas. A provável causa do acidente foi um erro no abastecimento. O abastecedor teria colocado querosene ao invés de gasolina de aviação.

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

  • Capacidade: 1 piloto e 3 passageiros;
  • Comprimento: Aprox. 7,8 metros;
  • Envegadura: Aprox. 10,7 metros;
  • Largura: Aprox. 2,5 metros;
  • Área da asa: Aprox. 9,5 m²;
  • Peso máximo decolagem: 1542 Kg
  • Motorização (potência): Continental IO 550 aspirado (310 hp);
  • Velocidade de cruzeiro: Aprox. 320 km/h;
  • Alcance: Aprox. 1.300 quilômetros (lotado / 75% potência / com reservas);
  • Teto de serviço: Aprox. 5.000 metros;
  • Climb (subida): Aprox. 420 metros / minuto;
  • Decolagem : 1.000 metros (lotado / dias quentes / tanques cheios);
  • Consumo médio (AVGAS): Aprox. 65 litros / hora (lotado / 75% potência);
  • Consumo médio (AVGAS): Aprox. 0,06 litro / passageiro / km voado;
  • Preço: Aprox. US$ 650 mil (novo);

Principais concorrentes[editar | editar código-fonte]

Referências