Clarice Lispector

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Clarice Lispector
Clarice Lispector
Nacionalidade  brasileira
Data de nascimento 10 de dezembro de 1920
Local de nascimento Chechelnyk, Guberniya da Podólia
Ucrânia Rep. Pop. Ucrânia
Data de morte 9 de dezembro de 1977 (56 anos)
Local de morte Rio de Janeiro, RJ
 Brasil
Pseudônimo(s) Helen Palmer, Teresa Quadros
Ocupação Romancista, escritora, contista, colunista, cronista e jornalista
Religião Judaísmo
Magnum opus A Hora da Estrela
A Paixão segundo G.H.
Laços de Família
Cônjuge Maury Gurgel Valente (1943-1959)
Filhos 2
Influências Herman Hesse, Fiodor Dostoievski, Franz Kafka, Katherine Mansfield, James Joyce, Virginia Woolf

Clarice Lispector (Chechelnyk, 10 de dezembro de 1920Rio de Janeiro, 9 de dezembro de 1977) foi uma escritora e jornalista nascida na Ucrânia e naturalizada brasileira — e declarava, quanto à sua brasilidade, ser pernambucana —, autora de romances, contos e ensaios e considerada uma das escritoras brasileiras mais importantes do século XX. Sua obra está repleta de cenas cotidianas simples e tramas psicológicas, sendo considerada uma de suas principais características a epifania de personagens comuns em momentos do cotidiano.

Nasceu em uma família judaica da Rússia que perdeu sua renda com a Guerra Civil Russa e se viu obrigada a imigrar do país em decorrência da perseguição a judeus que estava sendo pregada então, resultando em diversos extermínios em massa. Chegou ao Brasil por volta dos dois anos de idade na cidade de Maceió, onde passou um breve período até a família mudar-se para o Recife, cidade onde cresceu e em que perdeu a mãe, e depois para o Rio de Janeiro, onde sua família estabilizou-se e seu pai morreu.

Estudou direito na Universidade Federal do Rio de Janeiro, então conhecida como Universidade do Brasil, apesar de na época ter demonstrado mais interesse ao meio literário, no qual ingressou precocemente como tradutora e logo se consagrou como escritora, jornalista, contista e ensaísta, tornando-se uma das figuras mais influentes da literatura brasileira e do modernismo e sendo considerada uma das principais influências da nova geração de escritores brasileiros. É comparada pela crítica especializada com os principais autores do modernismo do século XX.

Conhecida desde a juventude por escrever e publicar seus textos, suas principais obras marcam cada período de sua carreira: Perto do coração selvagem, seu livro de estreia; Laços de família; A paixão segundo G.H.; A hora da estrela e Um sopro de vida, seus últimos livros publicados. Morreu em 1977 em decorrência de um câncer no ovário, deixando dois filhos e uma vasta obra literária composta de romances, novelas, contos e crônicas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascimento[editar | editar código-fonte]

Ruínas da sinagoga de Chechelnyk, aldeia onde Clarice nasceu.

Registrada como Chaya Pinkhasovna Lispector (em russo Хая Пинхасовна Лиспектор), Clarice Lispector nasceu em 10 de dezembro de 1920 na aldeia de Chechelnyk, região da Podólia, então parte da República Popular da Ucrânia e hoje parte da moderna Ucrânia. Filha dos judeus russos Pinkhas Lispector e Mania Lispector (nascida Krimgold), seu parto se deu em meio aos preparativos da família para a fuga do país em decorrência do antissemitismo resultante da Guerra Civil Russa (1918-1920).[1] [nota 1] Era filha de Pinkhas Lispector, filho do religioso[2] e da burguesa Shmuel Lispector e Heived, e de Mania Krimgold, que se casaram no ano-novo de 1889[3] sob o mando dos pais. Do casamento nasceram três filhas: Elisa, em 1911;[4] Tania, em 1915;[5] e Clarice, em 1920.

A fuga foi cogitada primeiramente por Mania Lispector e sua família, que já havia emigrado em sua maioria à América do Sul para trabalhar em organizações judaicas.[6] No entanto, Pinkhas concordou somente com o avanço dos pogroms ao fim da década de 1910. Por volta de 1918, a pobreza fez com que a família se mudasse para Haysyn, onde ocorreram alguns progroms, em um dos quais, por volta de 1919, Mania foi estuprada por um grupo de soldados que transmitiram-lhe sífilis.[7] [nota 2] .

A proibição de emigração para judeus fez com que os Lispector buscassem meios ilegais em uma primeira tentativa que falhou e que fez co quem eles mudassem-se para uma aldeia mais próxima das fronteiras, Chcechelnyk. No inverno de 1921, conseguiram deixara a Ucrânia após alcançarem o rio Dniestre, através do qual foram levados à cidade de Soroco, então pertencente à Romênia e atualmente à República da Moldávia.[8] Lá viveram em um albergue e Mania foi internada em um hospital de caridade e planejaram a fuga da Europa, com o intento de emigrar para o Brasil ou os Estados Unidos, opção esta que acabou por ser inviável devido à aprovação do Emergency Quota Act, que dificultava a emigração do leste europeu.

Em 27 de janeiro de 1922, o consulado russo de Bucareste concedeu à família passaportes válidos para a emigração ao Brasil,[9] que foi feita em uma viagem que passou de Hamburgo através de Budapeste e Praga. Em Praga embarcaram em um navio brasileiro que os levou, em condições precárias,[10] a Maceió, onde a irmã de Mania, Zicela, e seu marido, Joseph, ou José, Rabin, os esperava. No Brasil, os nomes russos foram substituídos por nomes da onomástica da língua portuguesa, com exceção de Tania: Pinkhas passou para Pedro; Mania para Marieta; Leah para Elisa; e Chaya para Clarice.[11]

Infância[editar | editar código-fonte]

Avenida Marquês de Olinda nos anos 1930, em Recife, para onde se mudou aos cinco anos.

Em Maceió, a família continuou a viver em condições precárias e enfrentou alguns conflitos decorrentes das dificuldades econômicas e culturais. Para sustentar a família, Pedro tornou-se um pequeno mascate, comprando roupas velhas e usadas em áreas carentes para revendê-las aos comerciantes da cidade,[12] e também deu algumas aulas particulares de língua hebraica para os filhos de alguns vizinhos e vendia cortes de linho. A situação melhorou somente quando Pedro, ao lado de José, passou a fabricar sabão, como fez na Ucrânia.[13]

Em 1924, aos quatro anos de idade, Clarice ingressou no jardim de infância. Em 1925, após três anos morando em Maceió, mudou-se, pouco depois de seu pai, para Recife com sua mãe e irmãs, possivelmente em consequências dos conflitos familiares e do desejo de Pedro de melhorar as condições da família mudando-se para um centro econômico que apresentava também uma população judaica mais coesa. Viveram no bairro Boa Vista.[14]

Em 1928, aos sete anos, aprendeu a ler e a escrever. Em 1930, pouco depois, escreveu, inspirada por uma peça que havia visto, sua primeira peça teatral, Pobre menina rica, de três atos e cujas páginas foram perdidas.[15] Em 1931, enviou contos para a página infantil do Diário de Pernambuco, mas o jornal não publicou seus textos porque “os outros diziam assim: ‘Era uma vez, e isso e aquilo...’. E os meus eram sensações. ... Eram contos sem fadas, sem piratas. Então ninguém queria publicar”.[16] [17] . Após completar o jardim de infância, ingressou no ensino primário, na Escola João Barbalho, mostrando bastante interesso por matemática e passando a dar aulas dessa disciplina aos filhos dos vizinhos.

Por volta dessa época, mudaram-se para a rua Imperatriz Teresa Cristina. Em 1930, na terceira série, Clarice ingressou no Colégio Hebreu-Iídiche-Brasileiro, onde aprendeu hebraico e iídiche. O estado de Mania agravou-se, e Clarice escreveu, para tentar agradá-la, contos e peças,[18] mas em 21 de setembro de 1930, aos quarenta e dois anos, Mania Lispector morreu[19] e foi sepultada no Cemitério Israelita do Barro. Em homenagem à mãe, Clarice compôs sua primeira peça para piano.[20]

Em 15 de dezembro, seu pai deu início ao processo de nacionalização, solicitando um documento inicial. Em 17 de junho de 1931, encaminhou um pedido de naturalização. Em 1932, Clarice, aos doze anos, foi aprovada, ao lado da irmã Tania e da prima Bertha, no Ginásio Pernambucano.[21] Em 1933, decidiu tornar-se escritora quando “tomei posse da vontade de escrever ... vi-me de repente num vácuo. E nesse vácuo não havia quem pudesse me ajudar”.[22] Na sua última entrevista em vida, ela disse que nessa sua formação literária “misturei tudo. Eu lia romance para mocinhas, livro cor-de-rosa, misturado com Dostoiévski. Eu escolhia os livros pelos títulos e não pelos autores. Misturei tudo. Fui ler, aos treze anos, Hermann Hesse, ‘O Lobo da Estepe’, e foi um choque. Aí comecei a escrever um conto que não acabava nunca mais. Terminei rasgando e jogando fora”.[23] [15] . A família mudou-se para uma casa própria na avenida Conde da Boa Vista.

Adolescência[editar | editar código-fonte]

Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, na década de 1950, onde passou a adolescência.

Em 7 de janeiro de 1935, com catorze anos, mudou-se com a família para o Rio de Janeiro, no navio inglês Highland Monarch,[24] onde seu pai esperava dar prosseguimento aos avanços de seu negócio e conseguir bons maridos para suas filhas nos círculos judaicos cariocas. Elisa, entretanto, ficou ainda alguns meses em Recife trabalhando, indo para o Rio de Janeiro pouco mais tarde e prestando concurso para o Ministério do Trabalho. Apesar de ter conquistado as melhores notas, não havia vagas, e ingressou no cargo graças à amizade da família com o político Agamenon Magalhães, então ministro do trabalho e anteriormente professor de geografia[25] de Clarice e Tania. Em 1938, Tania também tornou-se funcionária pública.[26]

Passam a primeira semana no Rio de Janeiro na residência de um casal judaico no bairro Flamengo e depois moram em uma casa antiga perto do Campo de São Cristóvão. Estabilizam-se na cidade logo em seguida, ocupando parte da casa 341 da rua Mariz e Barros, na Barra da Tijuca. Clarice então estudava o quarto ano do ginásio no colégio Sílvio Leite, na mesma rua de sua casa.

Em 1936, terminou o ginásio e ingressou, em 2 de março de 1937, em uma escola preparatória, a Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, então chamada de Universidade do Brasil. A decisão causou estranhamento na época, tanto por Clarice ser mulher quanto por não pertencer à elite carioca, mas era justificada por seus desejos de mudanças sociais, pois “o que eu via [em Recife] me fazia como me prometer que não deixaria aquilo continuar”.

A influência externa também exerceu influência, pois, de acordo com ela, “isso me ficou na cabeça, e como eu não tinha orientação de nenhuma espécie sobre o que estudar, fui estudar advocacia”. Apesar da relutância do pai, que temia mudanças estressantes na filha, ela seguiu com seus planos e tinha um objetivo: “Minha ideia ... era estudar advocacia para reformar as penitenciárias”.

Em 1938, mudou de escola preparatória, passando para o colégio Andrews, na praia de Botafogo, onde declarou-se nascida em Pernambuco. Por essa época voltou a dar aulas, desta vez visando ajudar a renda familiar através de aulas particulares de matemática e português, além de aprender datilografia e língua inglesa.

No Rio de Janeiro, os negócios de Pedro não obtiveram grande avanço, apesar de ele ter conseguido com dificuldade um emprego de representante comercial. Seu desejo de casar as filhas, entretanto, logrou através de Tania, que casou-se no início de 1938 com William Kaufmann, um judeu comerciante de móveis e decorador.

Por essa época deu-se o Estado Novo, por Getúlio Vargas, bem como o avanço da Segunda Guerra Mundial[27] e a intensificação informal das relações do Brasil com a Alemanha nazista e outros regimes ditatoriais, que fizeram com que o antissemitismo penetrasse no Brasil e novamente interferisse na vida da família Lispector, cujo pai, sionista, inclusive arrecadava fundos para os judeus na Palestina, apesar dos riscos.

Universidade do Brasil[editar | editar código-fonte]

Direito[editar | editar código-fonte]

Em 1939, morando na rua Lúcio de Mendonça, na Barra da Tijuca, ela ingressou no curso superior na Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro ao mesmo tempo em que trabalha como secretária em um escritório de advocacia e em um laboratório, além de já estar fazendo traduções de textos científicos para revistas.

Em 1940, aos dezenove anos, seu interesse por direito havia diminuído, ao passo que por literatura aumentado, e ela publicou, em 25 de maio, seu primeiro conto conhecido, Triunfo, na revista Pan,[28] em que conta-se os pensamentos de uma mulher abandonada por seu companheiro. A posição política da revista de apoio aos regimes ditatoriais, que era semelhante às de outras revistas desse período, todas censuradas, não foi levada em conta por Clarice ao publicar o conto.

Em agosto, Pedro passou mal e foi levado a um médico, que informou-lhe que sua vesícula biliar precisaria ser retirada através de uma cirurgia considerada simples mesmo para a saúde precária da época, marcada para 23 de agosto. Após voltar da clínica com uma forte dor, Pinkhas Lispector morreu três dias depois, em 26 de agosto de 1940, aos 55 anos.

Tania, por já estar casada e ter uma residência, foi quem a partir de então tomou conta das duas irmãs, insistindo para que elas fossem morar com ela e seu marido no apartamento nos jardins do Palácio do Catete, onde, devido ao tamanho, Elisa teve que dormir na sala e Clarice no quarto de empregada, no qual passava o tempo estudando e escrevendo.

Nessa época, insatisfeita com o trabalho de escritório, ela buscou entrar na área do jornalismo, apesar das dificuldades levantadas às mulheres. De acordo com o que diria anos mais tarde em uma entrevista, passou a andar pelas redações de revistas oferecendo seus contos, até que provavelmente um dia chegou à redação da revista Vamos Ler!, direcionada ao público masculino de classe alta.

A imprensa na época era estritamente censurada pelo governo de Getúlio Vargas e estava sob o jugo do órgão recém-criado do Departamento de Imprensa e Propaganda, que permitia a circulação de determinados periódicos, como a Vamos Ler!, onde Clarice mostrou seus textos ao jornalista Raimundo Magalhães Júnior, secretário do ministro de propaganda, Lourival Fontes.

Eu sou tímida e ousada ao mesmo tempo. Chegava lá nas revistas e dizia: “Eu tenho um conto, você não quer publicar?”. Aí me lembro que uma vez foi o Raymundo Magalhães Jr. que olhou, leu um pedaço, olhou para mim e disse: “Você copiou isto de quem?”. Eu disse: “De ninguém, é meu”. Ele disse: “Então vou publicar”.[15]

Jornalismo[editar | editar código-fonte]

Museu Imperial, em Petrópolis, em cuja inauguração conheceu o presidente Getúlio Vargas.

O primeiro texto publicado na revista foi provavelmente Eu e Jimmy, em 10 de outubro de 1940,[28] um conto com temática feminista centrado na relação amorosa entre um homem e uma mulher. Depois disso, de acordo com Tania, Clarice buscou entrar em contato com Fontes para conseguir entrar definitivamente na imprensa.

Apesar das dificuldades para entrar na área, na qual, de acordo com Tania, “você não fazia nada se não tivesse relações”, Clarice buscou entrar em contato com Fontes, o qual “gostou dela e a contratou[26] para trabalhar como tradutora na Agência Nacional, uma agência de notícias do governo. Como não havia vaga para tradutor, foi designada como editora e repórter, a única mulher ali que ocupava tal cargo.

Na equipe da Agência Nacional, conheceu Lúcio Cardoso, um escritor e jornalista mineiro então com 26 anos, já respeitado no meio literário. Desenvolveu uma forte amizade por ele, que compartilhava dos mesmo gostos literários que ela, e chegou a desenvolver uma paixão não-correspondida, pois Cardoso era homossexual.[29] A amizade com Cardoso e com o restante da equipe abre-lhe novas possibilidades profissionais e literárias, que fazem com que ela passe então a escrever e publicar prolificamente.

Em 1941, o trabalho como repórter fez com que ela fosse enviada para diversas localidades, como, por exemplo, à inauguração privada do Museu Imperial em Petrópolis, em 1º de maio, onde conheceu Getúlio Vargas; e a Belo Horizonte, em julho. Durante as viagens, publicou textos em periódicos de diversos lugares.

Em 19 de janeiro, publicou o artigo Onde se ensinará a ser feliz no periódico paulista Diário do Povo, sobre um evento presidido pela primeira-dama Darcy Vargas.[30] Em 9 de agosto, o conto Trecho sai pela Vamos Ler!,[31] sobre a espera de uma mulher por seu companheiro em um bar; no dia 30, Cartas a Hermengardo, trilogia de textos,[32] no semanário Dom Casmurro, destinado ao público jovem da classe alta, em que uma mulher aconselha um homem a ouvir seus instintos.

No mesmo ano também escreveu outros contos que serão publicados somente na coletânea póstuma A bela e a fera (1979): em setembro, Gertrudes pede um conselho; em outubro, seu conto de juventude mais longo, Obsessão, cujo protagonista, Daniel, reaparecerá em seu segundo romance, O lustre (1946), anos mais tarde, e que era baseado em Cardoso, um homem pela qual a narradora apaixona-se e guia-a; e em dezembro, Mais dois bêbados.[31]

Também dá partida a novos projetos na universidade, ainda objetivando o sistema penitenciário, através da colaboração com a revista universitária A Época, onde publicou os ensaios Observações sobre o fundamento do direito de punir, em agosto, e Deve a mulher trabalhar?, em setembro.[31]

O primeiro ensaio chamou a atenção de estudiosos posteriores por dizer que “O homem é punido pelo seu crime porque o Estado é mais forte que ele, a Guerra ... não é punida porque se acima dum homem há os homens acima dos homens nada mais há”, o que foi interpretado tanto como uma justificativa filosófica e maquiavélica para a ditadura e o nazismo quanto um eco de um ateísmo incipiente de Clarice.[33] Depois desse afastamento, no entanto, na mesma ela época passou a aproximar-se novamente da religião através de leituras de Franz Kafka, também judeu, e do filósofo Baruch de Espinoza,[34] de quem foi encontrada uma antologia francesa na biblioteca de Clarice datada de 14 de fevereiro de 1941 e que inspirou a escrita de seu primeiro romance, Perto do coração selvagem (1942).

Perto do coração selvagem[editar | editar código-fonte]

Manchete do jornal A Noite, em cuja redação trabalhou como redatora.

Por intermédio de Cardoso, passou a frequentar o grupo de amigos que encontrava-se no bar Recreio, na Cinelândia, e era composto por literatos como Vinicius de Moraes, Cornélio Pena, Rachel de Queiroz e Otávio de Faria. Através da Agência Nacional também conheceu o poeta Augusto Frederico Schmidt, que foi entrevistado por ela a propósito de fibras industriais, mas que, frente à admiração que Clarice expressou por sua poesia, deu início a uma amizade com ela que duraria o resto de sua vida.[35]

Os textos escritos para a Agência Nacional[36] nessa época seguem a linha editorial feita para agradar a censura do regime de Vargas, resumindo-se a entrevistas com coronéis e generais estrangeiros de passagem pelo Brasil e de coberturas de inaugurações de locais ligados ao governo.[37]

Com o primeiro salário de jornalista comprou o livro Felicidade, de Katherine Mansfield, que a influenciaria ao longo da vida e sobre o qual comentara que “Este livrou sou eu!” em sua primeira leitura.

Ao final do ano, com a paixão por Cardoso superada, iniciou um relacionamento amoroso com Maury Gurgel Valente, futuro marido e então colega universitário de direito. Maury, nascido em 1921 no Rio de Janeiro, iniciou o curso em 1938, um ano antes dela, e mudou-se de países quase tanto Clarice na infância.

Em 1942, passou as duas semanas das férias de janeiro na fazenda Vila Rica, em Avelar, no Rio de Janeiro, de onde manteve correspondência com Maury. Os dois ansiavam por casar-se, mas ele havia sido aprovado em agosto de 1940 no exame para o serviço estrangeiro e transformando-se em diplomata brasileiro, proibido portanto, pela legislação da época, de casar-se com uma estrangeira, no caso Clarice, ainda não naturalizada brasileira.

A naturalização só poderia ser requerida após o aniversário de 21 anos, em 10 de dezembro de 1941, e o pedido foi organizado logo depois por Samuel Malamud, advogado da Podólia e amigo da família. Em suas tentativas de apressar o processo, chegou a escrever a Getúlio Vargas, pois ele havia perguntado o motivo de ainda não estar naturalizada, mas o processo seguiu o tempo normal.

Em fevereiro, transferiu-se para a redação do jornal A Noite, cuja redação era dividida com a Vamos Ler! e, assim como esta, uma extensão do órgão governamental para o qual a Agência Nacional também trabalhava. Em 2 de março, ganhou seu primeiro registro profissional,[31] trabalhando oficialmente como redatora sob salário de 600 mil réis.

Teve o primeiro contato com textos de escritores modernistas como Fernando Pessoa, Cecília Meireles, Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade, através de leituras feitas com o amigo Francisco de Assis Barbosa. Este último aconselhou-a no processo de escrita de seu primeiro romance.

Em março, começou a planejar seu primeiro romance, Perto do coração selvagem, concluído em novembro e constituído basicamente de rascunhos e escritos separados, unidos em um livro por sugestão de Lúcio Cardoso, que também sugeriu um título, Perto do coração selvagem, retirado de Retrato do artista quando jovem, de James Joyce, cujas técnicas para Cardoso remetiam às de Clarice.

Também em março deu início a O lustre.

Casamento e diplomacia[editar | editar código-fonte]

Calçada do Largo da Pólvora, para onde mudou-se em missão diplomata de seu marido.

Em 12 de janeiro de 1943, obteve a naturalização, e, em 23 de janeiro, em cerimônia civil, casou-se com Maury Gurgel Valente. Os dois mudam-se temporariamente para a casa dos sogros, Mozart e Maria José Gurgel Valente, no bairro da Glória, e depois para a rua São Clemente, em Botafogo.

Em 3 de maio, recebeu a carteira profissional do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio. Em 17 de dezembro, ela e seu marido formam-se em direito, e não comparecem à cerimônia de colação de grau.

Perto do coração selvagem foi encaminhado para os dirigentes do jornal A Noite, que também contava com uma editora, na qual foi publicado em dezembro de 1943, com impressão de mil exemplares. A pressão dos jornalistas fez com que o livro fosse publicado, dando à autora cem exemplares em troca dos direitos de venda e lucros posteriores, os quais foram enviados por ela a críticos.

A publicação foi recebida com furor no meio literário, causando principalmente elogios da crítica especializada e comparações com escritores europeus como Virginia Woolf, James Joyce e Marcel Proust, o que irritou Clarice, que anos mais tarde negaria a influência e afirmaria na época não ter lido nenhum livro desses autores. Também então começou-se um processo de mitificação da autora através do início dos boatos de que Lispector era um pseudônimo de um escritor famoso. A principal crítica negativa, de Álvaro Lins, sugeria que “temperamentos femininos” enfraqueciam a obra.

Em 11 de janeiro de 1944, adotou o nome de casada na carteira de trabalho, Clarice Gurgel Valente. No dia 19, mudou-se, sob licença do A Noite, com o marido para Belém devido a suas funções como vice-cônsul. Por essa época, sem ocupações profissionais, dedicou-se à leitura de escritores que desconhecia, como Jean-Paul Sartre, Rainer Maria Rilke, Marcel Proust, Rosamond Lehmann e Virginia Woolf.

Em maio, mostrou algumas partes de seu segundo livro, O lustre, para Cardoso. Em 5 de julho, um mês após o fim da Segunda Guerra Mundial, recebeu a notícia de que seu marido seria transferido para o consulado brasileiro na comuna italiana de Nápoles.

Em 19 de julho, o casal, após alguns dias no Rio de Janeiro, começou a viagem, parando em uma base norte-americana em Parnamirim, Natal, onde esperariam transporte, que chegaria primeiro a Maury e mais tarde a seus dependentes, no caso Clarice, seguindo as ordens enviadas pelo governo.

Em 30 de julho, embarcou, e no dia seguinte chegou à Libéria, em uma base da força aérea dos Estados Unidos em Fisherman’s Lake. Em 1 de agosto, parou em Bolama, na Guiné portuguesa, e foi para Dakar, no Senegal, onde ingressou em um avião particular que a levou a Lisboa, Portugal.

Em Lisboa, atendeu a um jantar dado pelo poeta e diplomata brasileiro Ribeiro Couto, no qual compareceram o biógrafo João Gaspar Simões, a romancista Maria Archer e a poeta Natércia Freire, com a qual estabeleceria uma longa amizade.

Depois de uma semana e meia, seguiu para Casablanca, Marrocos, e depois para Argel, Argélia, onde hospedou-se na casa de seu sogro, Mozart Gurgel Valente. Em 24 de agosto, chegou à Itália, acompanhada de Mozart e do amigo da família Vasco Leitão da Cunha, onde morou na rua Gianbattista Pergoless.

Requisitou às autoridades militares permissão para poder fazer trabalho comunitário em ajuda às enfermeiras em um hospital norte-americano em Nápoles, para onde os casos de guerra mais graves eram enviados. Visitou diariamente o hospital, escrevendo e lendo cartas para os soldados e fazendo o que eles necessitassem.

O lustre[editar | editar código-fonte]

Esfinge de Gizé, que conheceu na viagem de volta do Rio de Janeiro a Nápoles, em 1946.

Em outubro, Perto do coração selvagem ganhou o Prêmio Graça Aranha de melhor romance do ano. Em novembro, O lustre foi concluído, escrito de forma linear, ao contrário do anterior. Esperou que, com o sucesso de seu primeiro livro, pudesse escolher entre editoras e publicar na José Olympio, mas enganou-se e teve que publicá-lo na editora católica Agir, com ajuda de Cardoso.

Em 1945 intensificou a correspondência com os amigos brasileiros, recebendo cartas e livros de, entre outros, Manuel Bandeira, de quem recebeu Poesias completas e Poemas traduzidos. Também passou a reler escritores como Proust, Kafka e a poesia de Emily Brontë, traduzida por Cardoso.

Em 8 de maio, no fim da Segunda Guerra Mundial, em Roma, por sugestão de um amigo em comum, conheceu o pintor surrealista Giorgio de Chirico, que pintou seu retrato, o qual, tanto quanto o artista, não a agradaram muito.

Fez viagens pela Itália por Florença, Veneza e novamente Roma, visitando também Córdoba, na Espanha. Conheceu também o poeta e professor italiano Giuseppe Ungaretti. Adotou um cão vira-lata que encontrou em Nápoles, chamado de Dilermando e que inspiraria alguns textos.

Em 23 de novembro, Manuel Bandeira enviou uma carta pedindo o segundo romance e alguns poemas para publicação em antologia. Em resposta à leitura desses poemas, Bandeira enviou uma carta criticando fortemente a poesia de Clarice, o que fez com que ela queimasse todos seus poemas e se sentisse desagradável com os comentários. Mais tarde, Bandeira afirmaria que estava arrependido, dizendo “Você é poeta, Clarice querida. Até hoje tenho remorso do que disse a respeito dos versos que você me mostrou. Você interpretou mal as minhas palavras [...] faça versos, Clarice, e se lembre de mim”.[38]

Por essa época passou a demonstrar, em suas cartas, saudades do Brasil e inquietação quanto à vida diplomática. Em dezembro, Maury foi promovido a cônsul de segunda classe.

No início de 1946, O lustre foi publicado.

Foi enviada como correio diplomático do Ministério das Relações Exteriores ao Rio de Janeiro entre janeiro e março, em uma rápida visita em que conheceu novos amigos que marcariam sua vida. Entre outras pessoas, conheceu Bluma Chafir Wainer, esposa do jornalista Samuel Wainer, Rubem Braga, Fernando Sabino, Otto Lara Resende, Paulo Mendes Campos e Hélio Pellegrino.

Em 8 de março, foi noticiado a remoção de Maury para Berna, Suíça. No dia 21, Clarice voltou à Itália através do Egito, onde conheceu a esfinge de Gizé. Quando chegou a Napóles a mudança já estava preparada e, devido a um rumor falsos de que hotéis suíços não aceitavam cães, teve que abandonar o cão Dilermando.

Em Berna, mudou-se primeiro para o hotel Bellevue-Palace e depois para a rua Ostring. Enfrentou novas dificuldades de adaptação e passou a visitar o cinema quase diariamente, e começou novas leituras de autores como Henrik Ibsen, Theodore Dreiser, Jean Cocteau e Simone de Beauvoir.

Continuou escrevendo e também publicou alguns contos no jornal carioca A manhã, no suplemento Letras e Artes: O crime, em 25 de agosto, inspirado no abandono de seu cão e que mais tarde seria reescrito como O crime do professor de matemática e seria o primeiro conto do livro Laços de família; e O jantar, em 13 de outubro.

No fim do ano, frequentou o terapeuta Ulysses Girsoler. Passou, com Maury, o fim de ano com o casal Wainer na França, a convite de Bluma.

Maturidade e morte[editar | editar código-fonte]

Em 10 de agosto de 1948, nasce em Berna, Suíça, o seu primeiro filho, Pedro Lispector Valente.[39] . Em 10 de fevereiro de 1953, nasce Paulo Lispector Valente, o segundo filho de Clarice e Maury, em Washington, D.C., nos Estados Unidos.[39] .

Quando criança, seu filho mais velho, Pedro, se destacava por sua facilidade de aprendizado e bom comportamento, porém, na adolescência, sua falta de atenção nos estudos e extrema ansiedade acompanhada de agitação consigo mesmo e com a família, foram diagnosticadas como esquizofrenia. Clarice se sentia culpada, sem saber o porque, pela doença mental do filho, e teve dificuldades para lidar com a situação, recorrendo a psicólogos, psiquiatras e internações, pois o menino era muito agressivo.[40]

Em 1959 se separou do marido, devido ao fato dele estar sempre viajando a trabalho, exigindo que ela o acompanhasse todo o tempo. Não querendo abrir mão de sua carreira, querendo cuidar do filho esquizofrênico em um local fixo, sem viagens constantes, que deixavam o menino mais nervoso, preocupada com as constantes mudanças de escola do outro filho, que não estava fazendo amizades, e cansada das desconfianças e ciúmes do marido, deu um fim na relação. O ex-marido ficou na Europa, e Clarice voltou a viver permanentemente no Rio de Janeiro com seus filhos, indo morar com eles em um apartamento no Leme. No mesmo ano assina a coluna "Correio feminino - Feira de Utilidades", no jornal carioca Correio da Manhã, sob o pseudônimo de Helen Palmer. No ano seguinte, assume a coluna "Só para mulheres", do Diário da Noite, como ghost-writer da atriz Ilka Soares.

Sem querer, provocou um incêndio ao dormir e esquecer seu cigarro acesso, em 14 de setembro de 1966, seu quarto fica destruído e a escritora é hospitalizada entre a vida e a morte por três dias. Sua mão direita é quase amputada devido aos ferimentos, e, depois de passado o risco de morte, ainda fica hospitalizada por dois meses. Clarice começou a fumar e beber ainda na adolescência, enquanto compunha seus poemas.[39]

Em 1975 foi convidada a participar do Primeiro Congresso Mundial de Bruxaria, em Cali na Colômbia. Fez uma pequena apresentação na conferência, e falou do seu conto "O ovo e a Galinha", que depois de traduzido para o espanhol fez sucesso entre os participantes. Ao voltar ao Brasil, a viagem de Clarice ganhou ares mitológicos, com jornalistas descrevendo (falsas) aparições da autora vestida de preto e coberta de amuletos. Porém, a imagem se formou, dando a Clarice o título de "a grande bruxa da literatura brasileira". Seu próprio amigo Otto Lara Resende disse sobre a obra de Lispector: "não se trata de literatura, mas de bruxaria."[40]

Foi hospitalizada pouco tempo depois da publicação do romance A Hora da Estrela com câncer no ovário, diagnóstico desconhecido por ela, já que mesmo fazendo exames anuais como toda mulher, este câncer fora detectado já avançado, mas mesmo que fosse descoberto no começo, não teria como salvá-la: Seu câncer era inoperável. A doença se espalhou por todo seu organismo, e internada, faleceu em 9 de dezembro de 1977, um dia antes de seu 57° aniversário. Foi enterrada no Cemitério Israelita do Caju, no Rio de Janeiro, em 11 de dezembro. Até a manhã de seu falecimento, mesmo sob sedativos, Clarice ainda ditava frases para sua melhor amiga, Olga Borelli, que esteve sempre ao lado da amiga, desde a juventude.

Durante toda a sua vida, Clarice teve diversos amigos de destaque como Fernando Sabino, Lúcio Cardoso, Rubem Braga, San Tiago Dantas e Samuel Wainer, entre diversos outros escritores e personalidades.

Obra[editar | editar código-fonte]

Como tradutora[editar | editar código-fonte]

Jorge Luis Borges, escritor cujo conto foi sua única tradução do espanhol.

Sabe-se que Clarice Lispector sabia falar pelo menos sete idiomas: português, inglês, francês e espanhol, fluentemente; hebraico e iídiche, com provável fluência; e russo, com pouca fluência levada da infância. Como tradutora para o português, entretanto, utilizou somente o inglês, o francês e o espanhol.[nota 3]

Além de contos e artigos, traduziu ao todo 35 livros de diversos gêneros e escritores: 13 do inglês; 10 do francês; e 2 provavelmente do inglês ou do francês e talvez do espanhol ou do grego.[41] Contando-se contos, foram mais de 40 traduções.[42]

Em 1941, antes de dar início à sua carreira literária, quando começou a trabalhar na revista Vamos Ler como repórter também contribuía com traduções, sendo a sua primeira o conto Le missionaire, de Claude Farrère.[42]

Em 1963, após um hiato de mais de vinte anos, voltou à ativa com a tradução do inglês do romance The winthrop Woman, de Anya Selton, pela editora Ypiranga.[43] [42] Pelos próximos seis anos, lançou mais duas traduções do inglês pela Ypiranga, uma de Agatha Christie[44] e outra de Alistair MacLean.[42]

Publicou, em 1968, na Revista Jóia, a crônica Traduzir procurando não trair, em que comentou suas preocupações no processo de tradução para manter a fidelidade e outras reflexões sobre o ofício.[45]

Em 1969, publicou sua primeira e única tradução do espanhol, do conto Historia de los dos que soñaran, de Jorge Luis Borges, no Jornal do Brasil. Em 1973, sua primeira tradução do francês, Lumière allumées, de Bella Chagal, pela editora Nova Fronteira.[42]

No restante de sua vida, publicou diversas traduções, tanto em periódicos quanto em editoras. A última tradução publicada em vida foi a do francês do romance Le bluff du futur, de Georges Elgozy, em 1976, pela editora Artenova.[46] Duas traduções, entretanto, ainda seriam publicadas postumamente, do francês: L’homme au magnétophone, de Jean-Jaques Abrahams, em 1978, pela Imago;[47] [42] e da tradução francesa Curtain, de Agatha Christie, em 1987, pela Editora Record.[48] [44]

As editoras em que mais publicou foram a Artenova, em um total de 11, a Nova Fronteira, 6, e a Ypiranga, 4. Os anos mais prolíficos foram 1975, com 8, 1976, com 4, e 1974, com 4.[42]

Na sua última década de vida, em 1970, pouco depois de quando começou a escrever textos infantis, também fez três traduções adaptadas direcionadas para o público infantojuvenil,[49] todas pela editora Abril Cultural: publicada em 1973, do inglês, Gulliver’s travels, de Jonathan Swift;[50] The history of Tom Jones, a foundling, de Henry Filding;[51] e postumamente em 1980, do francês, L’Ïle Mystérieuse, de Júlio Verne, postumamente em 1980.[52] [42]

Em 1970, publicou uma tradução baseada em O talismã, de Walter Scott, pela Ediouro.[53] Também publicou contos reescritos a partir de traduções de Edgar Allan Poe em 1974 e 1975, que aparentemente foram escritos em um mesmo período e posteriormente reunidos em Histórias Extraordinárias de Allan Poe, pela Ediouro, de data não informada.[54] [42]

Traduções no exterior[editar | editar código-fonte]

A paixão segundo G.H. (1964), traduzido para 22 línguas.

No total, a obra de Clarice Lispector recebeu mais de 200 traduções para mais de 10 idiomas, do tcheco ao japonês, sendo mais de 179 traduções integrais de livros e 25 de contos publicados em periódicos. Seus livros mais traduzidos são principalmente romances: A hora da estrela, com 22 traduções; A paixão segundo G. H., também com 22; Perto do coração selvagem, com 18; Laços de família, com 16; e Uma aprendizagem ou O livro dos prazeres, com 15.[55]

As traduções foram iniciadas logo depois do início de sua carreira literária e receberam uma boa acolhida da crítica especializada, sendo os idiomas com mais tradução o espanhol, o inglês e o francês.

Em 1954, seu primeiro livro a ser traduzido foi lançado na França: Perto do coração selvagem, em tradução de Denise-Teresa Moutonnier pela editora Plon.[56] A tradução desagradou Clarice, que enviou reclamações sobre erros ao editor, Pierre de Lescure, mas acabou por preferir fingir que a tradução nunca existiu.

Em 1955, veio a primeira tradução para o espanhol: Água viva, por Haydeé Yofre para a Sudamericana.[57] Em 1961, a primeira para o inglês: A maçã no escuro, por Gregory Rabassa para a editora da Universidade do Texas.[58]

Em 1963, teve sua primeira tradução para o alemão como a primeira tradução de um de seus livros de contos: Laços de família, por Marianne Eyre, Margareta Ahlberg e Arne Lundgren, para a Norstedts.[59] Em 1964, também para o alemão: A maçã no escuro, por Curt Meyer-Clason para a Classen.[60] Em 1966, duas de suas obras são traduzidas para o alemão: Onde estivestes de noite? por Sarita Brandt para a Suhrkamp;[61] e o conto A imitação da rosa por Curt Meyer-Clason para a Claassen.[62]

Em 1969, A paixão segundo G. H., para o espanhol, por Juan García Gayo para a Monte Avila.[63] Em 1973, a primeira para o tcheco: Perto do coração selvagem, por Přeložila Pavla Lidmilová para a Odeon;[64] e também o primeiro livro de contos traduzido para o espanhol, Laços de família, por Haydeé Yofre Barroso para a Sudamericana.[65]

Em 1974, duas traduções para o espanhol: A maçã no escuro, por Juan García Gayo para a Sudamericana;[66] e o conto infantil O mistério do coelho pensante, por Mario Trejo para a De La Flor.[66]

Em 1975, outras duas para o espanhol: Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres, por Juan García Gayo para a Sudamericana;[67] e A via crucis do corpo, por Haydeé Yofre Barroso para a Santiago Rueda.[67]

Em 1977, ano de sua morte, tem três obras traduzidas: A paixão segundo G. H. para o inglês, por Jack H. Tomlins para a Knopf;[68] Perto do coração selvagem para espanhol, por Basilio Losada para a Alfaguara;[69] e o conto Uma esperança, de Felicidade clandestina, para o espanhol, sob o título de La araña, por Haydeé Yofre Barroso para a Corregidor.[70]

Depois de sua morte, sua obra popularizou-se cada vez mais, alcançando um ápice na década de 1980, com quase duas traduções por ano, depois da qual recebeu nova tradução em praticamente todo ano.

Depois de traduções por diversos tradutores para diversas tradutoras, editoras específicas começaram um processo de edição criterioso de suas obras, com tradução e projeto gráficos padronizados, dando um novo ápice de tradução da obra de Clarice Lispector, iniciado na década de 2000 e que ainda continua.

Das novas traduções destaca-se a série liderada por Bejamin Moser para a editora britânica Penguin Books na década de 2010,[71] que foi iniciada com a publicação da biografia Why this world, em 2011, e tinha como intuito traduções mais fiéis que as anteriores. O objetivo da série, de acordo com Moser, que convidou outros quatro tradutores para a tarefa, é disponibilizar ao público anglófono traduções mais fieis do que as anteriores, que teriam tentado corrigir certas características da escrita da autora.[72]

A série faz parte de uma outra maior dedicada à difusão da literatura latina e foi publicada em 2014, contando com quatro traduções: Perto do coração selvagem, pela tradutora australiana Alison Entrekin;[73] Água viva, pelo editor Stefan Tobler;[73] A paixão segundo G. H., pela poeta e acadêmica Idra Novey;[73] Um sopro de vida, pelo professor universitário brasileiro Johnny Lorenz;[73] e A hora da estrela, por Moser.[73] [72]

Livros[editar | editar código-fonte]

Romance

Novela

Contos

Literatura infantil

  • O mistério do coelho pensante (1967)
  • A mulher que matou os peixes (1968)
  • A vida íntima de Laura (1974)
  • Quase de verdade (1978)
  • Como nasceram as estrelas (1987)

Crônicas

  • Para não esquecer (1978)
  • A descoberta do mundo (1984)

Referências

  1. Lispector 1994, pp. 345: Esclarecimentos - Explicação de uma vez por todas.
  2. Lispector 2012.
  3. Ferreira 1999, p. 304.
  4. Lockhart 2013, pp. 356-358.
  5. Nelson H. Vieira. Clarice Lispector (em inglês) Jewish Women’s Archive. Visitado em 27 de outubro de 2014.
  6. Singer 1906.
  7. Varin, Claire. Entrevista com Benjamin Moser. Entrevista com Claire Varin. Laval. 7 de janeiro de 2006.
  8. Lispector 2006, São Paulo.
  9. Ferreira 1999, p. 32.
  10. Ferreira 1999, p. 29.
  11. Lúcia Guimarães. Clarice, universal e não menos misteriosa português pp. Estado de S. Paulo.
  12. Lispector 2006, São Paulo.
  13. Lispector 2006, São Paulo.
  14. Tania Lispector Kaufmann. "Carta a Giovanni Pontiero" (português).
  15. a b c Lispector, Clarice. Entrevista com Júlio Lerner. Panorama com Clarice Lispector. Panorama. TV Cultura Rio de Janeiro. 1977. Visitado em 27 de outubro de 2014.
  16. IMS 2004, p. 139.
  17. Gilio 1976.
  18. Lispector 2005, Rio de Janeiro.
  19. Lispector 2006, São Paulo.
  20. Vida – Clarice Lispector (em português) Clarice Lispector – Instituto Moreira Salles. Visitado em 27 de outubro de 2014.
  21. Ferreira 1999, p. 54.
  22. Lispector 1994, pp. 304: Escrever.
  23. Carlos Willian Leite. A última entrevista de Clarice Lispector (em português) Revista Bula. Visitado em 27 de outubro de 2014.
  24. Gotlib 2008, p. 105.
  25. Cláudio Roberto de Sousa. "Agamenon Magalhães, a política como paixão" (português). Folha de Pernambuco. Acessado em 29 de outubro de 2014.
  26. a b Kaufmann, Tania Lispector. Entrevista com Benjamin Moser. Entrevista com Tania Lispector Kaufmann. Rio de Janeiro. 1 de agosto de 2006.
  27. Ana Paula Corti (28 de agosto de 2013). Estado Novo (1937-1945): A ditadura de Getúlio Vargas (em português) UOL Educação. Visitado em 29 de outubro de 2014.
  28. a b Sérgio Lima. Clarice Lispector, Cirlot, Kristeva e Duras: A voz do coração selvagem (em português) Revista de Cultura Jornal de Poesia. Visitado em 29 de outubro de 2014.
  29. Queiroz, Leandro Júnior Santos. A escrita travestida de desejo: Travestimento, identidade e homoerotismo em narrativas de Lúcio Cardoso. Mestrando - Universidade Estadual de Montes Claros, , 2012.
  30. Francesca Angiolillo (2004). "Clarice jornalista: o ofício paralelo" (PDF) (português). Instituto Moreira Salles. Acessado em 30 de outubro de 2014.
  31. a b c d Franklin, Margareth Cordeiro. (2010). "Clarice Lispector e os intelectuais no Estado novo" (PDF) (em português). Revista Virtual de Letras 2 (1). Visitado em 29 de outubro de 2014.
  32. Mariana Moreira (08 de dezembro de 2012). ‘Clarice Lispector subverte os gêneros’, diz Maria Aparecida Nunes (em português) O Globo. Visitado em 30 de outubro de 2014.
  33. Chaves, Anna Cecília Santos. Clarice Lispector e o fundamento do direito de punir. Mestranda - Universidade de Brasília, , 2010.
  34. Sarah Gerard. Every Thing Has na Instant in Which It Is (em inglês) BOMB Magazine. Visitado em 29 de outubro de 2014.
  35. Érica Georgino (12 de fevereiro de 2010). Descoberta a primeira entrevista de Clarice (em português) Blog da Cosac Naify. Visitado em 29 de outubro de 2014.
  36. Lições de uma repórter chamada Clarice Lispector (em português) Portal Vermelho (9 de maio de 2007). Visitado em 29 de outubro de 2014.
  37. Jerônimo Teixeira (6 de julho de 2005). O lado B de Clarice Lispector (em português) Revista Veja. Visitado em 29 de outubro de 2014.
  38. Eliane Lobato (18 de setembro de 2002). Cartas poéticas (em português) ISTOÉ. Visitado em 01 de novembro de 2014.
  39. a b c NOGUEIRA JR, Arnaldo, Projeto Releituras, disponível em: http://www.releituras.com/clispector_bio.asp
  40. a b MOSER, Benjamin. Clarice, uma biografia. Editora Cosac Naify, 2009. Traduzido por José Geraldo Couto
  41. Traduções feitas por Clarice (pdf) (em português) Clarice Lispector – Instituto Moreira Salles. Visitado em 31 de outubro de 2014.
  42. a b c d e f g h i Ferreira, Rony Márcio Cardoso. (2013). "“Traduzir pode correr o risco de não parar nunca”: Clarice Lispector tradutora (um arquivo)" (PDF) (em português). Belas Infiéis 2 (2): 175-204. Brasília: UNB. Visitado em 31 de outubro de 2014.
  43. Selton 1963.
  44. a b Nogueira, Nícea Helena. (novembro de 2007). "Agatha Christie por Clarice Lispector: tradução, cultura e ideologia" (PDF) (em português). Revista Alpha 8: 163-166. Patos de Minas: UNIPAM. Visitado em 31 de outubro de 2014.
  45. Eneida Gomes Nalini de Oliveira (13-17 de julho de 2008). Clarice e suas traduções: Tradução em processo (PDF) (em português) XI Congresso Internacional da ABRALIC. Visitado em 31 de outubro de 2014.
  46. Elgozy 1976.
  47. Abrahams 1978.
  48. Christie 1987.
  49. Queiroga, Marcílio Garcia. (2014). "Clarice Lispector tradutora de literatura infantojuvenil" (PDF) (em português). Cultura e tradução 2 (1). Paraíba: Universidade Federal da Paraíba. Visitado em 31 de outubro de 2014.
  50. Swift 1973.
  51. Filding 1973.
  52. Verne 1980.
  53. Scott 1970.
  54. Poe.
  55. Traduções de obras de Clarice Lispector (PDF) (em português) Clarice Lispector – Instituto Moreira Salles. Visitado em 31 de outubro de 2014.
  56. Lispector 1954, Paris.
  57. Lispector 1955, Buenos Aires.
  58. Lispector 1955, Austin.
  59. Lispector 1963, Stockholm.
  60. Lispector 1964, Hamburg.
  61. Lispector 1964, Frankfurt am Main.
  62. Lispector 1966, Hamburg.
  63. Lispector 1969, Caracas.
  64. Lispector 1969, Praha.
  65. Lispector 1969, Buenos Aires.
  66. a b Lispector 1974, Buenos Aires.
  67. a b Lispector 1975, Buenos Aires.
  68. Lispector 1977, New York.
  69. Lispector 1977, Madrid.
  70. Lispector 1977, Buenos Aires.
  71. Clarice Lispector – By this autor (em inglês) Penguin Classics. Visitado em 31 de outubro de 2014.
  72. a b Benjamin Moser (2 de dezembro de 2011). Brazil’s Clarice Lispector gets a second chance in English (em inglês) Publishing Perspectives. Visitado em 31 de outubro de 2014.
  73. a b c d e Lispector 2014, United Kingdom.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Lispector, Clarice. Près du coeur sauvage. Paris: Plon, 1954.
  • Lispector, Clarice. Agua viva. Buenos Aires: Sudamericana, 1955.
  • Lispector, Clarice. The apple in the dark. Austin: University of Texas, 1961.
  • Lispector, Clarice. Der apfel im dunkeln: roman. Hamburg: Claassen, 1964.
  • Lispector, Clarice. Wo warst du in der nacht. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1966.
  • Lispector, Clarice. Die nachahmung der rose: erzählungen. Hamburg: Claassen, 1966.
  • Lispector, Clarice. Blízko divokého srdce života. Praha: Odeon, 1973.
  • Lispector, Clarice. Familjeband. Stockholm: Norstedts, 1963.
  • Lispector, Clarice. El mistério del conejo que sabia pensar: cuento policial para chicos. Buenos Aires: De La Flor, 1974.
  • Lispector, Clarice. Lazos de família: cuentos. Buenos Aires: Sudamericana, 1973.
  • Lispector, Clarice. La manzana en la obscuridad. Buenos Aires: Sudamericana, 1974.
  • Lispector, Clarice. Um aprendizaje o el libro de los placeres. Buenos Aires: Sudamericana, 1975.
  • Lispector, Clarice. El via crucis del cuerpo. Buenos Aires: Santiago Rueda, 1975.
  • Lispector, Clarice. The passion according to G.H.. New York: Knopf, 1977.
  • Lispector, Clarice. Cerca del corazón salvaje. Madrid: Alfaguara, 1977.
  • Lispector, Clarice. La araña. Buenos Aires: Corregidor, 1977.
  • Lispector, Clarice. Hour of the Star. United Kingdom: Penguin Classics, 2014. ISBN 9780141392035
  • Lispector, Clarice. Breath of Life. United Kingdom: Penguin Classics, 2014. ISBN 9780141197371
  • Lispector, Clarice. Agua Viva. United Kingdom: Penguin Classics, 2014. ISBN 9780141197364
  • Lispector, Clarice. Passion According to G.H. United Kingdom: Penguin Classics, 2014. ISBN 9780141197357
  • Lispector, Clarice. Near to the Wildheart. United Kingdom: Penguin Classics, 2014. ISBN 9780141197340
  • Selton, Anya. Matriz de bravos. [S.l.]: Ypiranga, 1963.
  • Chagal, Bella. Luzes acesas. [S.l.]: Nova Fronteira, 1973.
  • Elgozy, Georges. O blefe do futuro. [S.l.]: Artenova, 1976.
  • Abrahams, Jean-Jaques. O homem do gravador. [S.l.]: Nova Fronteira, 1978.
  • Christie, Agatha. Cai o pano: o último caso de Poirot. [S.l.]: Record, 1987.
  • Swift, Jonathan. Viagens de Gulliver. [S.l.]: Abril Cultural, 1973.
  • Filding, Henry. Tom Jones. [S.l.]: Abril Cultural, 1973.
  • Verne, Júlio. A ilha misteriosa. [S.l.]: Abril Cultural, 1980.
  • Poe, Edgar Allan. Histórias Extraordinárias de Allan Poe. [S.l.]: Ediouro.
  • Scott, Walter. O talismã. [S.l.]: Ediouro, 1970.
  • Ferreira, Teresa Cristina Montero. Eu sou uma pergunta: Uma biografia de Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.
  • Gilio, Maria Esther. Tristes trópicos: Com Clarice Lispector en Rio. [S.l.]: Triunfo, 1976.
  • Gotlib, Nádia Battella. Clarice - Fotobiografia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008. ISBN 9788570606891
  • IMS. Clarice Lispector. [S.l.]: Instituto Moreira Salles, 2004. vol. Volume 7.
  • Lispector, Clarice. A descoberta do mundo. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1994.
  • Lispector, Clarice. Outros Escritos. Rio de Janeiro: Rocco, 2005.
  • Lispector, Elisa. No exílio. São Paulo: José Olympio, 2006. ISBN 8503008629
  • Lispector, Elisa. Retratos antigos. [S.l.]: UFMG, 2012. ISBN 8570419384
  • Lockhart, Darrell B.. Jewish Writers of Latin America: A Dictionary. [S.l.]: Routledge, 2013.
  • Moser, Benjamin. Clarice, uma biografia. [S.l.]: Cosac Naify, 2011. ISBN 9788575037669
  • Singer, Isidore; Cyrus, Adler. The Jewish Encyclopedia: A Descriptive Record of the History to the Present Day: Agricultural Colonies in the Argentine Republic. New York: Funk & Wagnalls, 1906. vol. 12.

Notas

  1. Afirmou ter chegado ao Brasil aos dois meses de idade, mas os documentos atestam que ela nasceu em 10 de dezembro de 1920 e os passaportes para o Brasil só foram concedidos em 27 de janeiro de 1922, portanto foi optado manter a informação comprovável por mais de uma fonte.
  2. Fonte terciária dada pela escritora Claire Varin em uma entrevista para o biógrafo Benjamin Moser em Laval, Québec, em 7 de janeiro de 2006. Outras fontes atribuem os problemas de Mania a outros eventos, e não há nenhum depoimento das filhas para confirmar a hipótese do estupro.
  3. Aprendeu português no Brasil; inglês, francês e espanhol na adolescência; hebraico e iídiche no Colégio Hebreu-Iídiche-Brasileiro; e alguns biógrafos afirmam que aprendeu um pouco de russo através do contato com seus familiares russos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Clarice Lispector
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Clarice Lispector