Classe Oberon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Classe Oberon era uma classe de 27 submarinos diesel-elétricos da Grã-Bretanha construídos com base na bem sucedida classe de submarinos britânicos Porpoise.

Treze foram construídos para a Marinha Real, enquanto os outros quatorze foram construídos e exportados para marinhas de outros países: seis para a Royal Australian Navy, três para o Royal Canadian Navy (mais tarde Canadian Forces Maritime Command) com um adicional de dois submarinos britânico depois transferidos, três para a Marinha do Brasil, e duas para a Marinha Chilena.

A partir de 2006, pelo menos catorze Oberons confirmadamente sobreviveram de alguma forma: Sete submarinos se tornaram museus ou atrações turísticas, dois foram preservados de forma parcial como monumentos, enquanto cinco estão prestes a serem convertidos em peças de museu, ou estão à espera de outra disposição.

Design e Construção[editar | editar código-fonte]

A classe Oberon era fortemente baseada na Classe Porpoise anterior, que estavam em serviço 1956-1988. O 295,2 pés (90,0 m) Oberons tempo estavam armados com oito 21 polegadas (533,4 milímetros) torpedos: seis tubos em arco, e dois tubos curtos para defesa anti-submarino na popa. O submarino, normalmente realizado um carga de 20 torpedos para os tubos para a frente, uma mistura de Mark Tigerfish e 24 torpedos Mark 8, enquanto apenas dois torpedos pré-carregados foram conduzidos para os tubos de popa. [2] minas Naval poderia ser levada ao invés de torpedos: a carga torpedo seria substituído com até 50 Mark Stonefish cinco ou seis minas Mark Sea Urchin.

As mudanças do projeto Boto foram principalmente para melhorar a força ea discrição do submarino. [2] Ao invés de aço UXW, o casco foi construído a partir QT28 de aço, que era mais fácil de fabricar e mais forte, permitindo que o mergulho submarino mais profundo. Plástico reforçado com vidro foi usado na construção da caixa.

Electronicos, sonar, radar e sistemas também foram atualizados para a mais recente norma. Os submarinos eram equipados com uma pesquisa de 1002 tipo de superfície e radar de navegação, um tipo de sonar 187 ataque ativo-passivo, e uma gama 2007 Tipo de longo sonar passivo.

Os Oberons foram construídas em uma variedade de estaleiros no Reino Unido: os seis australianos e dois submarinos do Chile por Scotts Company Naval e Engenharia (o último foi construído após a fusão Lithgow Scott), os três submarinos brasileiros por Vickers-Armstrong, e os três submarinos canadense em Chatham Dockyard. A construção do submarino britânico foi partilhado entre os quatro estaleiros: os três acima mencionados e Cammell Laird.

Variações Regionais[editar | editar código-fonte]

Australia[editar | editar código-fonte]

A Royal Navy Austrália adquiriu seis Oberons: um pedido inicial de quatro e de uma segunda ordem de dois. A segunda ordem foi originalmente de quatro submarinos, mas dois foram cancelados em favor da ampliação da RAN Fleet Air Arm. Oberons australiano teve um fitout diferentes eletrônico, utilizando principalmente a americana radar e sistemas de sonar. Eles foram equipados com sonar Sperry vão Micropuffs sonar passivo e ataque Krupp CSU3-41. Em vez de os torpedos British Tigerfish, os australianos utilizado americano Mark 48 torpedos. Eles tinham uma carga um pouco maior, com 22 torpedos para a tubos para a frente, seis dos quais foram pré-carregadas. Pouco depois de entrar no serviço, o torpedo a ré em todos os seis tubos submarinos foram selados.

Os submarinos australianos foram posteriormente atualizado para ser equipado com os mísseis Harpoon subsonic anti-navio. Em 1985, ao largo da ilha de Kauai, no Havaí, HMAS Fornos tornou-se apenas o segundo submarino convencional no mundo eo primeiro Oberon ao fogo uma sub-superfície, lançou mísseis Harpoon, com sucesso, acertando o alvo por cima do horizonte. Por conseguinte, a designação para o Oberons australianos mudaram de SS para SSG.

Brasil[editar | editar código-fonte]

As principais diferenças entre o Oberons brasileiros e britânicos foi a sistemas de controle de fogo utilizadas, com um sistema de Vickers utilizados. Os três submarinos brasileiros (S Humaitá (S-20), S Tonelero (S-21) e S Riachuelo (S-22)) foram posteriormente atualizados para usar a mais avançada Mod 1 Tigerfish Torpedo.

Canadá[editar | editar código-fonte]

Os três submarinos canadenses foram construídos com melhores sistemas de ar condicionado, enquanto o maior número possível de componentes comuns foram substituídas por equivalentes canadenses. O Oberons canadense usado Marinha dos Estados Unidos torpedos durante toda a sua carreira: foram inicialmente equipado com torpedo Mark 37, mas depois foram adaptadas para Mark 48 torpedos.

Chile[editar | editar código-fonte]

Os submarinos chilenos eram idênticos aos seus colegas britânicos, exceto para o transporte de torpedos SUT alemão.

Serviço[editar | editar código-fonte]

O primeiro da classe a ser encomendado na Royal Navy foi Orfeu, em 1960, seguido pelo nameship em [[1961]. O último a ser comissionado foi Onyx em 1967. Seis foram encomendados entre 1967 e 1978 para a RAN. Em 1982, o HMS Onyx participou da Guerra das Malvinas, o submarino convencional só do RN a fazê-lo, os membros do desembarque do SBS. Todos os Oberons em serviço, incluindo barcos exportados, já foram desmanteladas; últimos barcos RN foram desativadas em 1993 com o final Oberons canadense e australiano desactivadas em 2000.

Tal como os botos, o Oberons eram muito mais silenciosos do que suas contrapartes americanas. Eles fizeram muito bem em operações clandestinas, realizando vigilância e inserção de forças especiais, vital durante o seu auge na Guerra Fria. Estas operações foram levadas a cabo principalmente pelos britânicos Arctic toda a Europa, os canadenses através do Pacífico Ártico, e os australianos em toda a Ásia do Sudeste e para o norte até o Mar do Japão.

A Classe Oberon foi indiscutivelmente a melhor classe de submarinos convencionais do seu tempo [3], com uma reputação impressionante a tranquilidade que lhe permitiram existir no século 21 até serem substituídos por novas classes, como a Classe Collins e Classe Victoria, na Austrália e no Canadá, respectivamente.

Fatos[editar | editar código-fonte]

Dois dos Oberons britânica foram vendidas para o Canadá: HMS Olympus como navio de treinamento não-comissionados, e Osiris HMS como hulk partes.

Um dos Oberons brasileiros (S Tonelero (S-21)) afundou enquanto ancorado nos estaleiros da Marinha na Praça Mauá no Rio de Janeiro, em 24 de dezembro de 2000. Sobreviventes

A partir de 2006, pelo menos catorze Oberons estão confirmados para ter sobrevivido, de alguma forma. Sete foram preservados e convertidos em navios de museu ou atracções turísticas. Dois foram parcialmente preservadas como monumentos, enquanto outros cinco estão aguardando conversão em navios de museu, ou estão esperando outra disposição.

Dois dos ex-submarinos da Marinha Real Britânica já se tornaram navios de museu no Reino Unido. HMS Onyx já se mudou para Barrow-in-Furness após o museu em Birkenhead, Merseyside fechado, onde outro veterano das Malvinas, HMS Plymouth, manteve-se. O outro barco, HMS Ocelot, está localizado em Chatham. HMS Otus é abrigado em Sassnitz, Alemanha, na ilha de Rügen e pode ser visitado.

Seis Austrália Oberons estão localizados nos seguintes locais: HMAS Fornos está localizado na Western Australian Maritime Museum em Fremantle, HMAS Onslow está localizado no Australian National Maritime Museum, em Darling Harbour, em Sydney. Ambos são navios de museu. A vela, casco exterior e popa do HMAS Otway são preservados na terra em Holbrook, NSW. HMAS Otama está localizado na Westernport Bay, Victoria, onde está à espera de conversão de um navio do museu desde 2000, a falta de financiamento ou de cooperação entre governos locais e estaduais significa que o grupo de voluntários na esperança de preservar Otama está considerando vender o submarino no eBay fin [6]. HMAS Oxley ergue-se como um memorial permanente em HMAS Stirling, Ilha Jardim, Austrália Ocidental.

Três dos quatro sobreviventes Canadian Forces Oberons são definidos acima em Dartmouth Jetty, em frente CFB Halifax. Em 2005, foi anunciado que o submaries seriam vendidos para a demolição, pois tinha-se deteriorado além do ponto de utilização. [7] O quarto submarino, HMCS Onondaga foi comprada por C $ 4 mais impostos pela Organização Marítima historique de Site La Pointe -au Père para conversão de um navio museu, [7] e foi rebocada de Halifax para Pointe-au-Père, Quebec, em julho de 2008.

Os sobrevivente Oberon brasileiro, S Riachuelo (S-22), foi transformada em um museu no Centro Cultural da Marinha do Brasil (Espaço Cultural da Marinha Brasileira) no Rio de Janeiro. [8]

A Marinha chilena vendeu a O'Brien para a cidade de Valdivia, que será convertido em museu primeiro submarino do Chile. O submarino deve ser modificado no estaleiro Asenav com melhor acesso para o público em geral e para ser ancorado no rio Calle-Calle que cruzam a cidade.