Claude Makélélé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Claude Makélélé
Claude Makélélé
Informações pessoais
Nome completo Claude Makélélé
Data de nasc. 18 de fevereiro de 1973 (41 anos)
Local de nasc. Kinshasa, Zaire
Nacionalidade Zaire congonêsa e
França francesa
Altura 1,74 m
Destro
Informações profissionais
Período em atividade Como Jogador: 1992-2011 (19 anos)
Como Auxiliar: 2011-2014 (3 anos)
Como Treinador: 2014-presente (0 anos)
Clube atual França SC Bastia
Posição Treinador (ex-Volante)
Clubes profissionais1
Anos Clubes Jogos (golos)
19921997
19971998
19982000
20002003
20032008
20082011
França Nantes
França Marseille
Espanha Celta Vigo
Espanha Real Madrid
Inglaterra Chelsea
França PSG
169000(9)
032000(2)
070000(3)
126000(1)
217000(2)
023000(0)
Seleção nacional3
19952008 Bandeira da França França 071000(0)
Times que treinou3
20112014
2014
França PSG (auxiliar técnico)
França SC Bastia

Claude Makélélé (Kinshasa, 18 de fevereiro de 1973) é um ex-futebolista e técnico congolês naturalizado francês. Seu último clube como jogador foi o Paris Saint-Germain. Atualmente, treina o Bastia.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Filho de um internacional do Zaire, a infância de Claude Makélélé foi muito dura. Criado na mais extrema pobreza no que é atualmente a República Democrática do Congo, a sua família teve que emigrar, em busca de melhor sorte e para fugir da perseguição política, em direcção a França.

O jovem Makélélé cresceu numa cidade dos arredores de Paris (Savigny-le-Temple), desenvolvendo a sua paixão pelo futebol na rua. No entanto, até aos 16 anos, o médio ainda não tinha abandonado a sua pequena cidade, altura em que a academia futebolistica de Brest, na Bretanha, o convidou a melhorar as suas qualidades, depois de o observar em torneios regionais.

Longe da sua família, Makélélé passou momentos difíceis, apesar de ter trabalhado duro para melhorar. Quando tinha 18 anos, o Nantes, uma das melhores escolas de França fixou-se nele e contratou-o. Robert Budzinski, o director desportivo dos "canários" queria um novo Alain Giresse. No ano seguinte começou a jogar assiduamente com a camisola do Nantes, onde formou uma grande dupla com Christian Karembeu.

A França torna-se pequena[editar | editar código-fonte]

Nas suas cinco temporadas no Nantes, Claude conseguiu conquistar um campeonato e continuar a melhorar as suas prestações especialmente as defensivas no centro do terreno. Em 1997 chegou ao Olympique de Marselha, onde não se contou muito com ele, apesar de já se ter estreado na principal selecção francesa e de ter disputado os Jogos olímpicos de 1996.

O Celta de Vigo foi a paragem seguinte do gaulês, que nas suas duas épocas ao serviço do clube galego alcançou a fama suficiente para que Vicente Del Bosque solicitasse a sua contratação para o Real Madrid. Com os "merengues" ganhou prestígio e deslumbrou, tornando-se indiscutível no centro do terreno e acrescentando títulos ao seu palmarés, entre os quais se destacou a Liga dos Campeões de 2002. Mas o seu salário estava muito longe de alguns dos seus companheiros de equipa, os denominados "Galácticos", e Makélélé reclamou um aumento dos seus rendimentos, de acordo com as suas prestações. Florentino Pérez negou-a e o francês entrou em choque até conseguir a sua saída em direcção ao Chelsea de Roman Abramovich

Craque Mundial[editar | editar código-fonte]

O trabalhador Makélélé chegou a Londres para abraçar um novo projecto, no qual foi sempre indiscutível, primeiro com Claudio Ranieri e depois com José Mourinho. Após uma primeira temporada sem títulos, chegaram dois campeonatos e um sem fim de contratações para alcançar o principal objectivo deste projecto, a Liga dos Campeões. Com Mourinho no banco, o francês tem sido sempre o líder do meio-campo "blue".

Além disso, neste período de tempo disputou duas Copas do mundo e um Europeu. Particularmente brilhante foi a sua performance no último campeonato do mundo na Alemanha, onde a dupla que formou com Patrick Vieira foi uma das chaves do êxito da sua selecção, que chegou a final, que acabaria por perder para a Itália. Agora, na recta final da sua carreira, o médio defensivo continua a ser um dos melhores do mundo na sua posição.

De volta a França[editar | editar código-fonte]

Em Julho de 2008 Makélélé voltou a França e assinou pelo PSG.[1]

Ao final da temporada 2010-11, Makélélé anuncia sua aposentadoria, juntamente com seu colega de time Grégory Coupet.[2]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • O seu pai, André, foi internacional pelo Zaire e é muito famoso no seu país. Quando Claude o visita, os adeptos chamam-lhe "filho do André"
  • É muito religioso e antes de cada jogo reza para ganhar, acabar bem a partida e não sofrer lesões. Assegura que vai a igreja sempre que o futebol lhe permite.
  • Define-se como uma pessoa tranquila e séria, e que não gosta muito de sair à noite nem de grandes comemorações.
  • Os seus números na última Copa do Mundo foram excelentes; tocou mais vezes na bola do que Zidane (quase 400) e recuperou mais de 100 vezes o esférico para os "bleus".
  • Custa-lhe muito marcar gols. No Real Madrid marcou apenas um em trés épocas, pelo Chelsea, equipa onde joga desde 2003/2004, contabiliza dois e com a selecção francesa nunca conseguiu nenhum.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Nantes
Real Madrid
Chelsea
Paris Saint-Germain

Referências

Bandeira de FrançaSoccer icon Este artigo sobre futebolistas franceses é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.