Claudio Magris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Claudio Magris em Frankfurt am Main, 2009

Claudio Magris (Trieste, 10 de abril de 1939) é um escritor, germanista italiano. Foi também senador de 1994 a 1996 durante a XII Legislatura da República Italiana.

O seu nome é frequentemente indicado nas listas de finalistas ao Prémio Nobel de Literatura.

Obras[editar | editar código-fonte]

Ensaios[editar | editar código-fonte]

  • Wilhelm Heinse. 1968.
  • Tre studi su Hoffmann. 1969.
  • Lontano da dove. 1971.
  • Joseph Roth e la tradizione ebraico-orientale. 1971.
  • com Cesare Cases, L'anarchico al bivio. Intellettuale e politica nel teatro di Dorst. 1974.
  • L'altra ragione. Tre saggi su Hoffmann. 1978.
  • Dietro le parole 1978
  • con Angelo Ara, Itaca e oltre e Trieste. Un'identità di frontiera. 1982.
  • L'anello di Clarisse. 1984.
  • Utopia e disincanto. Saggi 1974-1998. 1999.
  • L'infinito viaggiare. 2005.
  • La storia non è finita. Milão, Garzanti, 2006.
  • Alfabeti. Milão, Garzanti, 2008.

Romances[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Entrevista, por Alexandre Lacroix. Philosophie Magazine n° 30, 2 de junho de 2009. (em francês)
Commons
O Commons possui multimídias sobre Claudio Magris
Ícone de esboço Este artigo sobre a biografia de um(a) escritor(a), poeta ou poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.