Claudionor Germano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Claudionor Germano da Hora (Recife, 10 de agosto de 1932)é um cantor brasileiro.
Claudionor é irmão do artista plástico Abelardo da Hora e do médico escritor Bianor da Hora, e pai do também cantor de frevo Nonô Germano.

O seu trabalho sempre esteve relacionado a composição e interpretação do Frevo, sendo um dos principais intérpretes de Capiba e Nelson Ferreira[1] .

Carreira[editar | editar código-fonte]

Claudionor Germano iniciou sua carreira artística em 1947, na Rádio Clube de Pernambuco, compondo um conjunto musical denominado Ases do ritmo.

Em 1948 o grupo foi escolhido o melhor grupo vocal do ano em Pernambuco.

Claudionor iniciou carreira-solo, sem, no entanto, desligar-se dos Ases do Ritmo.

Depois do seu contrato com a Rádio Clube, também foi contratado pela Rádio Jornal do Commercio e pela Rádio Tamandaré.

Em 1951 gravou com os Ases do Ritmo o samba Eu não posso viver sem mulher, de Victor Simon e David Raw, e a marcha Vai ser pra mim, de José Roy, Vladimir de Melo e Orlando Monello.

Em 1955 a gravadora pernambucana Rozenblit, através do selo Mocambo, lançou o disco com sua interpretação de Boneca, frevo-canção de Aldemar Paiva e José Menezes, e, em 1957 o Frevo nº 3, de Antônio Maria. Até então dividia os discos com outros intérpretes, utilizando-se de apenas um lado.

Em 1966 partipou do I Festival Internacional da Canção, na TV Rio, do Rio de Janeiro, com A canção do amor que não vem, de Capiba.

Voltou a participar em 1967 (São os do Norte que vêm, de Capiba e Ascenso Ferreira - quinto lugar) e em 1968 (Por causa de um amor, de Capiba).

Em 1979 participou do festival recifense Frevança.

Em 1990 e 1995 participou do Recifrevo.

Discografia[editar | editar código-fonte]

LP[editar | editar código-fonte]

  • O que eu fiz... e você gostou - Carnaval cantado de Nelson Ferreira - 1959;
  • Capiba - 25 anos de frevo - 1959;
  • Carnaval começa com C - 1961;
  • O bom do carnaval - 1980 (pela RCA);
  • Baile da Saudade- volumes I e II - 1980 (pela Rozenblit), com a Orquestra de Frevos de Nelson Ferreira;

CD[editar | editar código-fonte]

  • Em 2000 produziu e lançou 3 CD, com o título de Paranambuco, utilizando os ritmos:
  1. Frevo-canção;
  2. Frevo de bloco;
  3. Maracatu e Caboclinho.
  • Em 2002 lançou Mestre Capiba.

Sucessos[editar | editar código-fonte]

  • Nem que chova canivete (Capiba);
  • Maria Bethania (Capiba);
  • É de amargar (Capiba);
  • Saudades do Recife (Arlete Santos);
  • A dor de uma saudade (Edgar Moraes);
  • A mesma rosa amarela (Capiba e Carlos Pena Filho);
  • Colombina (Miguel Brito e Armando Sá);

Excursões[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]