Cleópatra Selene II

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Fevereiro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Cleópatra Selene II
Rainha consorte da Numídia
Rainha consorte da Mauritânia
Moeda do antigo Reino da Mauritânia. Juba II da Numídia no verso e Cleópatra Selene II no reverso.
Governo
Consorte Juba II
Dinastia Dinastia ptolemaica
Vida
Nascimento 25 de dezembro de 40 a.C.
Alexandria, Egito
Morte 6 (45 anos)
Cherchell, Mauritânia
Filhos Ptolomeu da Mauritânia, Drusila da Mauritânia
Pai Marco António
Mãe Cleópatra VII

Cleópatra Selene II (em grego antigo: η Κλεοπάτρα Σελήνη; Alexandria, 25 de dezembro de 40 a.C.Cherchell, 6) foi filha da rainha Cleópatra VII do Egipto e do general Marco António.

Antepassados[editar | editar código-fonte]

Marco António e Cleópatra VII tiveram três filhos, Cleópatra Selene II, Alexandre Hélios e Ptolomeu Filadelfo.[1]

Marco Antônio era filho de Marco Antônio Crético e Júlia, sobrinha de Júlio César.[2]

Cleópatra VII era filha de Ptolemeu Auletes.[3] O nome de sua mãe é desconhecido, alguns historiadores supõem que Cleópatra Trifena, que governou o Egito junto com Berenice IV na ausência de Ptolemeu Auletes, e que é dada por Porfírio como filha de Auletes,[3] fosse, na realidade, a esposa de Auletes, o que é corroborado por inscrições no Egito.[4] Seguindo esta linha de raciocínio, Cleópatra VII seria filha de Cleópatra Trifena, e esta seria a filha de Ptolemeu Alexandre I e Cleópatra Berenice.[5]

Além dos irmãos, Cleópatra Selene teve vários meios-irmãos. Dentre os vários filhos de Marco Antônio, se destacam Antonia Maior, avó de Nero, e Antónia Menor, cunhada de Tibério, mãe de Cláudio, avó de Calígula e bisavó de Nero. Cleópatra VII teve um filho com Júlio César, Cesarião.

Curiosamente, tanto seu pai,[Nota 1] quando seu avô materno,[Nota 2] quanto seu marido,[Nota 3] eram descendentes de Héracles.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aos 7 anos de idade foi nomeada rainha de Cirene por seu pai, durante as Doações de Alexandria. Foi educada em Roma por Octávia, após o suicídio dos seus pais. Foi casada com o rei e erudito Juba II de Mauritânia, também órfão da guerra. Reinaram em Cherchell na Algéria.

Após os suicídios de Cleópatra VII e de Marco António,[1] [6] no 4o ano da 187a olimpíada,[6] [Nota 4] a princesa Cleópatra Selene II e seus irmãos, Alexandre Hélios e Ptolomeu Filadelfo foram capturados por Otávio,[1] [6] [Nota 5] quando fugiam para Tebas.[6] Ele foram levados para Roma e expostos no cortejo triunfal.[1] Otávio designou a irmã dele próprio como tutora dos jovens órfãos e fez com que recebessem uma educação romana. Entre 26 e 20 a.C., Otávio preparou o casamento de Cleópatra Selene II com o rei africano Juba II, que também havia crescido em Roma.[7] Como presente a Cleópatra Selene II, Otávio ofereceu-lhe um grande dote e designou-a como a rainha de Numídia. Cleópatra Selene II tornou-se assim uma grande aliada de Roma.

Cleópatra Selene II e Juba II reinaram pouco tempo na Numídia, cujo povo rebelou-se contra os modos e costumes romanos impostos por Juba II. Retiraram-se para a Mauritânia, onde batizaram a capital de Cesarea (atual Cherchell, Argélia) em homenagem ao imperador Augusto. Cleópatra Selene teve grande influência na política do marido e juntos contribuíram para trazer prestigío para o reino através do comércio no mediterraneo.

Filhos e descendentes[editar | editar código-fonte]

Cleópatra e Juba tiveram um filho, Ptolomeu da Mauritânia [8] (nasceu em 19 a.C. e faleceu em 40 d.C. em Roma),[carece de fontes?] que foi assassinado a mando do imperador Calígula, seu primo [9] ) e foi o último rei de Mauritânia, reinando de 23 a 40.

Eles também tiveram uma filha, de nome desconhecido;[10] alguns historiadores a chamam de Drusila, ou seu nome poderia ser Cleópatra.[5]

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. Os Antonii, gens de Marco Antônio, são chamados de Heráclidas, pois seu ancestral, segundo a tradição da família, era Anton, filho de Hércules, conforme Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Marco Antônio, 4.1
  2. Porque Ptolemeu I Sóter poderia ser filho bastardo de Filipe II da Macedónia, e este era descendente de Héracles.
  3. Segundo Plutarco, para agradar Juba, foi construída uma genealogia em que os reis da Numídia eram descendentes de Sufax, filho de Héracles e Tinjis.
  4. A 187a olimpíada ocorreu no ano 32 a.C., por esta conta, o quatro ano da olimpíada corresponderia a 29 a.C.
  5. Júlio Africano menciona apenas dois filhos, Hélio e Selene.

Referências

  1. a b c d Dião Cássio, História de Roma, Livro LI, 21.8
  2. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Marco Antônio, 15.3
  3. a b Eusébio de Cesareia, Crônica, 60, Sobre os que governaram o Egito e a cidade de Alexandria após Alexandre da Macedônia. Dos escritos de Porfírio
  4. E. R. Bevan, The House of Ptolemy, Chapter XII, Berenice III, Ptolemy X Alexander II, Ptolemy XI Auletes [em linha]
  5. a b Chris Bennett, Cleopatra V [em linha]
  6. a b c d Júlio Africano, Cronografia, Livro III, XVII, Sobre a fortuna de Hircano e Antígono, e sobre Herodes, Augusto, Antônio e Cleópatra, em resumo, 4 [em linha]
  7. Dião Cássio, História de Roma, Livro LI, 15.6
  8. Suetônio, A Vida dos Doze Césares, Vida de Calígula, 26.1
  9. Dião Cássio, História de Roma, Livro LIX, 25.1
  10. IG II2 3439 [em linha]
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.