Cleópatra Teia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Maio de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Cleópatra Teia (é) foi uma princesa ptolemaica casada com vários reis selêucidas. Era filha de Ptolemeu VI Filometor 1 e da esposa e irmã deste, Cleópatra II.

Por volta de 162 a.C. o rei selêucida Antíoco V seria sucedido pelo seu primo Demétrio I Sóter. Contudo, este tornou-se impopular junto da população. Em 150 a.C. surge no reino selêucida um pretendente ao trono, Alexandre Balas, que desafiava Demétrio. O rei egípcio Ptolemeu VI Filometor, bem como o senado romano, decidem apoiar Alexandre Balas. No contexto deste apoio Ptolemeu VI oferece a sua filha Cleópatra Téia em casamento a Alexandre Balas.1 2 Com este Cleópatra viria a ter um filho, que recebeu o nome de Antíoco.

Ptolemeu VI viria a retirar o apoio a Alexandre Balas, tendo considerado inválido o casamento da filha com este. Decidiu então transferir Cleópatra de Alexandre para Demétrio II Nicator,3 filho de Demétrio I.4 Alexandre Balas e o Ptolemeu VI acabariam por morrer os dois na mesma batalha, a batalha de Antioquia (145 a.C.), em que também participou Demétrio II Nicator, que sobreviveu.4

O novo marido de Cleópatra tornou-se também impopular, tendo sido acusado de perseguir os antigos apoiantes de Alexandre Balas. Diodoto, governador da Síria, chega a raptar o filho de Cleópatra e a declará-lo como rei em Antioquia, mas manda matá-lo um ano depois da coroação.

Demétrio II consegue derrotar Diodoto e reconquistar o poder, mas foi feito prisioneiro pelos Partos. Ele permaneceu prisioneiro por dez anos, e voltou para reinar na Síria.5 Cleópatra decide então embarcar num novo casamento, desta feita com o seu cunhado Antíoco VII.

Antíoco VII revelou-se um soberano competente, tendo conseguido libertar o irmão, antes de morrer em 129 a.C. em luta contra os Partos.

Referências

  1. a b Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XIII, 12.4 (en) / 12.82 (ael) [em linha]
  2. Bar Hebraeus, Cronografia, Livro VII, O primeiro reino dos gregos, Aqui começa a sétima série, que passa dos reis dos persas até os gregos pagãos
  3. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XXXII, 9c
  4. a b Eusébio de Cesareia, Crônica, 96, Os reis da Ásia Menor após a morte de Alexandre, o Grande
  5. Eusébio de Cesareia, Crônica, 97, Os reis da Ásia Menor após a morte de Alexandre, o Grande


Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.