Clientelismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

O clientelismo era um sub-sistema de relação política, com uma pessoa recebendo de outra a proteção em troca do apoio político.

O clientelismo nada tem em comum com o coronelismo, nem se reedita relação análoga àquela entre suserano e vassalo do Sistema Feudal. O coronelismo foi definido como um compromisso entre o poder central e as aristocracias estaduais para garantir governabilidade de 1898 a 1930.[1] O feudalismo é sistema de produção datado até o advento do Estado moderno.

O que caracteriza o clientelismo é o sistema de troca.

Como nota característica o cliente fica em total submissão ao patrão, independentemente de com este possuir qualquer relação familiar, empregatícia ou qualquer outra.

No Brasil e em alguns países da América Latina, suas raízes remontam às origens patriarcais destas sociedades.

A terminologia tem sua origem provavelmente em Roma.[2]

Desenvolvimento social[editar | editar código-fonte]

O clientelismo é uma ferramenta utilizada para enfraquecer o capital social e humano de uma determinada localidade, ou de uma nação por inteiro. Ao se privilegiar a obtenção de benefícios oriundos de entes externos a uma localidade, ocorre o enfraquecimento das relações horizontais, homem a homem; cidadão a cidadão, diminuindo a capacidade de colaboração destes indivíduos e ampliando a competição por mais recursos exógenos, e que não geram riquezas locais. Este processo gera um círculo vicioso que ao longo do tempo é capaz de desmobilizar completamente uma comunidade[3] .

Por isso, e segundo Augusto de Franco, o clientelismo busca manter a verticalização da esfera pública e "modos de regulação autocráticos", dificultando a democratização da sociedade. Franco acrescenta ainda que da maneira os programas de combate a pobreza são desenhados, não faz com que se diminua a pobreza, pois alimenta "continuamente a cadeia vertical de subordinações e favores pela qual se exerce o clientelismo".

Referências

  1. Victor Nunes Leal, Coronelismo, Enxada e Voto, editora Forense, 1948 e Coronelismo e o Coronelismo de cada um, Dados-IUPERJ, 198.
  2. Luiz Henrique Nunes Baía, O poder do clientelismo, raízes e fundamentos da troca política, Editora Renovar.[citar página]
  3. Augusto de Franco. Pobreza & Desenvolvimento Local. Agência de Educação para o Desenvolvimento. 2002.[citar página]

Ver também[editar | editar código-fonte]