Clitemnestra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Mitologia.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde dezembro de 2009.

Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Depois do assassinato (1882), de John Collier (1850-1934), exposto na Guildhall Art Gallery de Londres.

Clitemnestra ou Clitenestra (em grego Κλυταιμνήστρα) era, na mitologia grega, esposa de Agamemnon, líder dos exércitos gregos em Troia. A bela rainha era irmã gêmea não-idêntica de Helena, de Castor e Pólux, e filha de Leda com Tíndaro.

Casada em primeiras núpcias com Tântalo II, filho de Tiestes, teve seu marido assassinado por Agamemnon que a desejava. Casou-se com ele, mas seus irmãos, revoltados com o crime, partiram contra o cunhado declarando-lhe guerra. Tíndaro, porém, que havia aconselhado ao genro que raptasse sua própria filha, deu guarida a Agamemnon em sua corte e a duras penas, dissuadiu os filhos da desforra, convencendo-os a se conciliarem com o cunhado.

Clitemnestra, revoltada com o sacrifício a Ártemis de sua filha Ifigênia pelo próprio pai Agamemnon, vingou-se de seu esposo unindo-se a um primo deste, Egisto, para assassiná-lo e depois reinar sobre o povo de Micenas. Após isso, rejeitou seus outros dois filhos, Electra e Orestes. Electra continuou vivendo no castelo, mas ao descobrir que Egisto tramava a morte de seu irmão, levou-o para morar na corte do rei Estrófio, seu tio, e ficou vivendo como escrava de sua própria mãe.

Mais tarde, quando Orestes se torna adulto, se junta com sua irmã, e vinga o assassinato do pai. Arrependida, Clitemnestra se desculpa por ter abandonado e rejeitado os filhos, fala que nunca tinha deixado de pensar em Orestes nenhum momento, que tratava Electra como escrava com medo que Egisto fizesse algo à filha, e ainda diz que sempre amou-os, mostrando os seios que os haviam amamentado. Sem efeito. Orestes e Electra mataram Clitemnestra e Egisto, na trama contada por Ésquilo, de nome Oresteia (também chamada de Orestéia, Oréstia ou Orestíada). Orestes e Pílade entram, no palácio e põem o projeto em execução. Orestes hesita por um instante, ao ver sua mãe; mas a lembrança do pai degolado o arrebata, e Clitemnestra é golpeada ao mesmo tempo que Egisto. Em alguns monumentos antigos, aparece esta cena, em baixos relevos e pedras gravadas. Nas representações antigas Egisto é sempre golpeado por Pílade e Clitemnestra por Orestes.Em um baixo relevo antigo do museu Pio-Clementino, Electra participa da cena.1


Referências

  1. Menard, Rene. Mitologia grega. São Paulo: Editora das Américas, 1953.
Erro de citação: A etiqueta <ref> com nome "refname1" definida em <references> não é utilizada no texto acima.
Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia grega é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.