Clube Desportivo Montijo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
CD Montijo
Nome Clube Desportivo Montijo
Alcunhas Montijenses
Fundação 1948 (66 anos)
Estádio Campo da Liberdade
Capacidade 3.000 Pessoas
Competição Campeonatos Distritais
Website www.fpf.pt
Kit left arm.png Kit body greenstripes.png Kit right arm.png
Kit shorts.png
Kit socks.png
Uniforme
titular
Kit left arm.png Kit body.png Kit right arm.png
Kit shorts.png
Kit socks.png
Uniforme
alternativo
editar

O Clube Desportivo Montijo era um clube português, localizado na cidade de Montijo, distrito de Setúbal.

Foi fundado em 2007, um novo clube com o intuito de substituir o antigo, nasceu o Clube Olímpico do Montijo.

História[editar | editar código-fonte]

O clube foi fundado em 1948 e o seu último presidente foi António Grade. Este clube esteve entre os maiores do futebol português na década de 1970, disputando a 1.ª divisão nacional por três ocasiões nas épocas :

Campeonato português de futebol (1972-73)

Campeonato português de futebol (1973-74)

Campeonato português de futebol (1976-77)

O Clube Desportivo do Montijo foi também Campeão Nacional da III Divisão nas temporadas de 1965/66 e 1989/90.

Além daquele período auge vivido durante os anos 70, o Montijo é também conhecido a nível nacional por ter sido a casa onde despontaram jogadores como José Neto (bicampeão europeu pelo SL Benfica), Custódio Pinto (Cabecinha d'ouro), Barrigana (FC Porto), Porfírio(Sporting), José Pedro (Belenenses), Kali (internacional angolano), Fernando Mendes, Idalécio ou o guarda-redes Ricardo Soares Pereira, que mais tarde se tornariam conhecidos internacionais portugueses. Além destes, é comum ainda realçar a passagem de João António Ferreira Resende Alves (o famoso luvas pretas) por aquele clube, no início da sua carreira como sénior.

Presentemente, depois de mais de 60 anos de história, o CD Montijo já não existe, vivendo apenas na nostalgia das suas gentes. Como tantos outros clubes da margem sul do Tejo, o CD Montijo viveu, desde finais dos anos 1980, imensas dificuldades financeiras, passando por sucessivas crises de subsistência que levou ao seu encerramento em 2007.

Nos primeiros vinte anos de vida, o CD Montijo dedicou essencialmente à prática do futebol, mas também a outras modalidades como o basquetebol, andebol e o ténis de mesa, conquistando diversos títulos regionais, nos escalões seniores e na formação.

Em 1965/66 ocorreu o primeiro feito de realce nacional. A equipa de futebol principal do CD Montijo conquistou o título de Campeão Nacional da 3.ª Divisão. Depois de alguns anos na 2ª Divisão Nacional, o CD Montijo chegou pela primeira vez na sua história à 1.ª Divisão Nacional, vencendo destacado a Zona Sul do segundo escalão do futebol português na época de 1971/72.

No ano de estreia na principal prova futebolística portuguesa, o CD Montijo, atravessando algumas adversidades, nomeadamente pela instabilidade técnica devido à passagem de 3 treinadores pelo comando da equipa, poderá dizer-se que teve um excelente desempenho, garantindo no final a manutenção na competição, naturalmente o grande objectivo.

Foi o 13.º classificado no Campeonato Nacional da 1.ª Divisão, contabilizando 23 pontos, resultantes de 9 vitórias e 5 empates, em 30 partidas. Naquela altura, registe-se, a equipa do CD Montijo, actuava no Campo Luís de Almeida Fidalgo, um recinto pelado sem iluminação para jogos oficiais.

Participou novamente no Campeonato Nacional da 1.ª Divisão na temporada de 1973/74, mas desta vez, não foi capaz de alcançar a manutenção no principal escalão do futebol português. Na segunda época consecutiva entre os melhores, numa altura em que a equipa montijense já contava com o contributo de João Alves, o CD Montijo não conseguiu fugir ao último lugar na tabela classificativa e assim desceu novamente à 2.ª Divisão Nacional.

No Campeonato Nacional da 1.ª Divisão da temporada de 1973/74, o CD Montijo amealhou somente 20 pontos, em resultado de 7 vitórias e 6 empates nas 30 partidas da prova.

CD Montijo regressaria novamente à 1.ª Divisão Nacional na temporada de 1976/77, depois de 3 épocas a disputar a Zona Sul da 2ª Divisão Nacional. Nesta época de 1976/77, o ano do regresso e ao mesmo tempo o último deste clube no escalão máximo do futebol português, o CD Montijo voltou a descer de divisão e desta vez para sempre.

Classificou-se em 14º lugar com 23 pontos contabilizados, decorrentes das 7 vitórias e 9 empates nos 30 desafios do Campeonato Nacional da 1ªDivisão! A partir de então o CD Montijo teve momentos altos e momentos baixos. Muitas vezes tentou o regresso à 1ª Divisão Nacional, enquanto em outras alturas acabou mesmo relegado à 3.ª Divisão Nacional. O único factor que atravessou praticamente todo o período até à extinção do clube foi mesmo as constantes dificuldades financeiras.

Na época de 1988/89, depois de quase uma década na 2ª Divisão Nacional, o CD Montijo desceu à 3ª Divisão Nacional. Na época seguinte de 1989/90 regressaria novamente ao segundo escalão do futebol português, conquistando, registe-se, o ceptro de Campeão Nacional da 3ª Divisão.

Pareceu então que o clube entraria em recuperação. Andou nos anos seguintes sempre classificado pelos lugares cimeiros da Zona Sul da 2ª Divisão B, muitas vezes perto de ascender à 2ª Divisão de Honra.

Porém, no final da época de 1995/96 voltou a ser relegado à 3ª Divisão Nacional e no final de 1998/99 caiu mesmo nos distritais da AF Setúbal. Em 2000/01 voltou a subir aos nacionais, mas em 2006/07 voltou ao Campeonato Distrital da AF Setúbal.

Neste último período o clube perdeu ainda o Estádio Luís Almeida Fidalgo, o seu recinto de jogos, pois os terrenos onde o mesmo estava implantado eram propriedade privada, e os seus donos decidiram vender aquele espaço para a construção habitacional.

Passou então a jogar no Campo da Liberdade no Montijo, um pequeno recinto com capacidade para pouco mais de 1500 espectadores.

Este clube, que era uma referência no distrito de Setúbal e o principal embaixador da cidade do Montijo, que chegou a ter mais de 500 praticantes no futebol e outras modalidades com expressão nacional como o andebol, atletismo com atletas olímpicos, ginástica com campeões nacionais, basquetebol onde teve uma equipa na 1ª Liga Profissional existente em Portugal, estava nesta altura próximo do fim.

Devido a dificuldades financeiras que se revelaram inultrapassáveis, essencialmente depois de penhorados os subsídios anuais da própria autarquia, o CD Montijo, sem recursos monetários, decidiu no ano de 2007 extinguir o clube no decorrer de uma assembleia-geral convocada para o efeito, onde os sócios votaram o pesaroso fim de uma forma talvez um pouco brusca e com pouco conhecimento por parte de todos os habitantes da Cidade.

Actualmente, a cidade de Montijo tem um novo clube, que participa na 1.ª Divisão Distrital da Associação de Futebol de Setúbal. O Clube Olímpico do Montijo, que no 1.º ano de existência subiu logo de escalão, bem como as equipas de iniciados e juvenis que foram campeões.

Estádio[editar | editar código-fonte]

A equipa disputa os seus jogos no Campo da Liberdade (3000 lugares sentados e relvado sintético).

Destaque histórico para o estágio da Selecção Nacional A de Futebol feito no Campo Luís Almeida Fidalgo para o Campeonato do Mundo do México em 1986. A bancada amovível na imagem fazia parte da principal estrutura do estádio na altura.

Campo da Liberdade, Montijo.

Marca do equipamento e patrocínio[editar | editar código-fonte]

A equipa enverga equipamento da marca Futre e tem o patrocínio de Imobiliária Carmo.

Cores do equipamento (Amarelo e Verde)

Foto : CD Montijo - At. Cacém 2006-07[editar | editar código-fonte]

Cdmontijo.jpg