Clube Esportivo Lajeadense

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lajeadense
CE Lejaedense (RS).svg
Nome Clube Esportivo Lajeadense
Alcunhas Alviazul
Fundação 23 de abril de 1911 (103 anos)
Estádio Estádio Alviazul
Capacidade 7.000
Localização Lajeado, RS
Presidente Brasil Mario Dutra
Treinador Brasil Fabiano Daitx
Patrocinador Brasil Fruki,
Brasil Charrua,
Brasil Certel,
Brasil STR
Brasil Languiru
Material esportivo Weefe
Competição Rio Grande do Sul Campeonato Gaúcho
Brasil Campeonato Brasileiro - Série D
Kit left arm thinwhiteborder.png Kit body lajeadense13dh.png Kit right arm thinwhiteborder.png
Kit shorts lajeadense13dh.png
Kit socks.png
Uniforme
titular
Kit left arm.png Kit body lajeadense13da.png Kit right arm lajeadense13da.png
Kit shorts lajeadense13da.png
Kit socks.png
Uniforme
alternativo
Kit left arm thinwhiteborder.png Kit body lajeadense13dt.png Kit right arm thinwhiteborder.png
Kit shorts lajeadense13dh.png
Kit socks.png
Uniforme
alternativo
editar

O Clube Esportivo Lajeadense é um clube de futebol sediado na cidade de Lajeado, no Estado do Rio Grande do Sul. Atualmente disputa a primeira divisão do Campeonato Gaúcho e a Copa FGF. Fundado em 1911, é um dos 25 clubes de futebol mais antigos do Brasil, tendo sido o vice-campeão gaúcho de 2013. Suas cores oficiais são azul-celeste,branco e ouro.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Os primeiros atletas do Lajeadense também eram diretores e sócios do clube, que se mantinha com contribuições mensais. Os primeiros craques do Alviazul eram: Lima, Plei, Plein II; Edmundo Fett, Ernesto Schmidt e Oliveira; João Petry, Henrique Ritter, França Moersch e Willi Hexsel.

Na sua primeira década de existência, o Alviazul já se destacava no cenário regional. Sagrou-se campeão do Alto Taquari, enfrentando equipes dos municípios de Estrela, Encantado e Guaporé. Mas os campeonatos eram escassos e por isso o clube realizava amistosos pela região. O transporte dos jogadores e comissão técnica, para os jogos fora de casa, era realizado com um caminhão de carga, as viagens eram complicadas, principalmente pela precariedade das estradas.

Naquela época, os times eram recebidos com foguetórios e após os jogos, ocorria um jantar-baile. As competições no âmbito regional só começaram acontecer no ano de 1918, quando foi fundada a Federação Gaúcha dos Desportos.

Anos 20[editar | editar código-fonte]

Mesmo sem uma estrutura adequada para treinamento, numa época em que não havia estádio, o Lajeadense destacava-se em âmbito regional. Treinava em um campo irregular, sem drenagem ou terraplenagem, com uma cerca de madeira e uma carreira de tábuas que serviam de arquibancada. O antigo Estádio Florestal, localizado na Avenida Benjamin Constant, era palco de lazer para os jovens nos fins de semana.

O campo ficava no meio do mato. E no meio do mato e da roça existia uma calçada, por onde os torcedores e jogadores se deslocavam em fila indiana.

Na época, o futebol era praticado por amor à camisa, pois nenhum jogador recebia salário. Os atletas do Alviazul vinham com seu fardamento de casa, tendo em vista que não existiam vestiários no campo. Aliás, os fardamentos eram adquiridos com os salários que os futebolistas recebiam em seus empregos.

Em 23 de janeiro de 1922, foi registrado o primeiro estatuto do clube estabelecendo que a direção deveria ser composta por um presidente, vice, primeiro-secretário, segundo-secretário, primeiro-tesoureiro, segundo-tesoureiro, um orador, um guarda-sport (roupeiro), um diretor de campo, primeiro e segundo captain (assim eram chamados, na época, os técnicos, um porta estandarte e uma Comissão de Contas.

Primeiras participações estaduais[editar | editar código-fonte]

A primeira participação do Clube Esportivo Lajeadense em campeonatos estaduais ocorreu em 1926. Naquela época, os confrontos se davam entre regiões. O Alviazul era o único representante da 3ª região e enfrentou o Juventude na final da Zona Noroeste. Aplicou 5x4 na equipe caxiense e conquistou o título em dezembro daquele ano. Formavam o time campeão da Zona Oeste: Fluck, Billo, Raymundo, Schneider, Mello, Norberto, Romualdo, Stein, Dante, Walter e Kasper. O presidente era Carlos Gravina, e o capitão-geral, Mário Jaeger. Em 1927, o Lajeadense voltou a conquistar o título da 3ª região, vencendo o Santa Cruz por 3x0. Pela final da Noroeste, foi derrotado pelo Nacional de São Leopoldo, por 3x0. Na década, essa seria a última participação do clube em campeonatos estaduais.

Anos 30[editar | editar código-fonte]

Somente na metade da década de 30, o Lajeadense disputaria uma competição estadual. Então foi criada uma liga no Vale do Taquari para organizar competições regionais, chamada Liga de Futebol do Alto Taquari (LFAT). Tendo como presidente pioneiro Albino Arruda, o primeiro campeonato organizado pela liga contou com a participação de seis times: Lajeadense, Estrela, Encantado, Corvense, Concórdia de Roca Sales e Avante.

Como maior clube da cidade, além do futebol, o Lajeadense tinha equipe de cestoball (basquete), tênis, bolão e de tiro. Na sede social, bailes e sessões de cinema.

Numa era de amador, o Lajeadense fazia seus amistosos com os dois times, primeiro e segundo quadros. O alviazul tinha como adversários equipes como Conventos FBC e Americano FBC, de Lajeado. Estrela, Montenegro, América de Rio Pardo, Esportivo de Bento e P.A. Colegge.

Anos 40[editar | editar código-fonte]

A década de 40 ficou marcada pela proibição dos jogos entre Lajeadense e Estrela por causa da violência, seguindo ordem do policiamento estadual. Depois de alguns anos, os presidentes dos clubes assinaram um documento para a disputa da Taça da Paz. A agência Chevrolet na época, chefiada por J.A. Spohr, caprichou no troféu. Seriam dois jogos. O público compareceu e lotou o estádio estrelense, mas a partida acabou em pancadaria novamente.

Pelo Esportivo Maior (PEM) era o nome da torcida organizada do clube naquela época. Chefiado por Ademar Hessel, o grupo sempre comparecia ao estádio com muitas faixas e bandeiras coloridas. Faziam parte jovens e mulheres da sociedade, que apoiavam o time tanto nos jogos em casa, quanto fora de casa.

Uma das maiores curiosidades do fim da década de 40 era a formação do ano de 1949, quando os onze titulares formavam um grande time, mas não tinha reservas. O time: Schimitão, Oli e Baldo; Darci Schimitt, Ivo Brenner e Agenor Gravina; Rudi Grun, Biquinho, Ênio, Costinha e Kasper.

Os maiores adversários do clube eram Estrela e Encantado. Os treinamentos eram realizados duas vezes por semana, porque todos tinham outras atividades. Sobre esquema de jogo, era utilizado o M-W. Uma linha com dois zagueiros, depois vinha um lateral de cada lado e um center-alfa. Daí vinha a linha de frente, com cinco jogadores.

Em 1948, um pavilhão de madeira foi construído no antigo Florestal. E alguns camarotes eram reservados para quem pagasse um valor diferenciado pelo ingresso.

No Campeonato Estadual de 1949 ocorreu uma das grandes vitórias da história do Lajeadense. A vitória por 3x1 sobre o Juventude, no antigo Florestal, classificou o Alviazul para a decisão da Zona Leste. Os três gols foram marcados pelo centroavante Ênio, e o Lajeadense atuou com Schmitão, Oli e Baldo; Darci, Ivo Brener e Klein; Rudi, Kaspinha, Ênio, Costinha e Biquinho. O técnico era Risada.

Anos 50[editar | editar código-fonte]

No início da década, em março de 1952, o antigo Florestal recebia melhorias. Em amistoso diante do expressinho do Grêmio, o Lajeadense inaugurava o sistema de iluminação. Dentro de campo, vitória por 5x2. Ênio, o “Canhão do Vale do Taquari”, marcou três vezes. Ressoli fez os outros dois do Alviazul.

Três anos mais tarde, em 1955, o Lajeadense foi vice-campeão da Segundona. Era a primeira conquista do clube, que voltou a se repetir em 1957. Na época, a Segunda Divisão tinha apenas quatro times na disputa.

Foi em 1959 que o Lajeadense conquistou o primeiro título de sua história. A competição iniciou em setembro de 1959 e terminou somente em 1960, com a participação de 25 clubes. O Alviazul ficou em primeiro na Zona Centro, disputada com Encantado, Estrela e Avenida. No triangular final, obteve vitórias sobre o Atlântico em Erechim (3x2) e Nacional (1x0). Na sequência foi derrotado pelo Atlântico e empate sem gols com o Nacional. Com o empate por 1x1 entre Atlântico e Nacional na última rodada, o time fez a festa com o primeiro título estadual da história.

Anos 60[editar | editar código-fonte]

Depois da conquista do título de 1959, os jogadores que marcaram história no clube continuaram na ativa até a metade da década seguinte. Em uma época difícil craques como Rogério e Roque Lopes, Nestor e Paulo Heineck, Paulo Kieling, Luciano Scherer, Hélio Mallmann, Antoninho e Ênio Chaves penduraram as chuteiras. Os torcedores deixaram de frequantar os estádios e o desafio era encontrar uma geração capaz de retomar o caminho das vitórias e da popularidade. Numa época de renovação, Jacy Pretto, hoje radialista, que integrou a equipe a partir de 1965, destaca que o torcedor não aceitava a ideia de novos jogadores. “Eles diziam que o futebol antigo era o melhor”.

Há quem afirma que as equipes de 1965, 66 e 67 foram as melhores formadas no Vale do Taquari. Entre os jogadores que se destacaram nessa década estão Volmir e Poletto, zagueiros, Milton Klein, lateral direito e Jacy.

Na época, a maioria dos jogadores tinham empregos e tratavam o futebol como hobby. Dentro de campo, as irregularidades do gramado dificultavam a melhor performance dos atletas. Na época, eram os times amadores que formavam jogadores para o Alviazul. Muitos pararam de jogar em razão do processo de profissionalização do Lajeadense.

Em 1963, depois de adquirir uma nova área, o Lajeadense passou a treinar em seu novo estádio. O Florestal foi inaugurado numa partida diante do São José: o primeiro gol foi marcado por Antoninho, no goleiro do Zequinha, chamado Eulálio Tombini. O padre Érico Schmidt foi quem deu o pontapé inicial.

Anos 70[editar | editar código-fonte]

Com o futebol profissional parado em 1973, os departamentos de futebol de Clube Esportivo Lajeadense e São José resolveram se unir e fundar a Lajeado Associação de Esportes (LAE).

Surgiram rumores de que muitos torcedores do Lajeadense ficaram insatisfeitos, pois os times fundidos eram rivais. O então presidente da LAE era Erni Teixeira. A prefeitura comprou o campo do São José. O Lajeadense cedeu para a LAE toda sua estrutura. O uniforme tinha as cores preto, branco, vermelho e até azul.

A LAE disputou, em 1974, sua primeira competição na Segunda Divisão. Depois de uma vitória sobre o Igrejinha, garantiu vaga a primeira, em 1975. Nesse ano, houve grandes confrontos no Florestal, diante do Inter de Falcão. Com o torcedor já acostumado com a fusão, o Florestal lotava em dia de clássicos contra Estrela, Encantado e em grandes confrontos com a Dupla Gre-Nal.

Em 1979, o Lajeadense superou adversários de todas as regiões do Estado para conquistar a Segundona daquele ano, numa competição que se estendeu por mais de seis meses. O título veio com uma rodada de antecedência ao vencer o Aimoré, no Florestal, com gol de Itamar. A formação vitoriosa teve Júlio, Catarina, Bruno, Kety e Pete; Cléber, Itamar e Luis Carlos; Nilo, Darci e Müller. O técnico era Chaveco.

Anos 80[editar | editar código-fonte]

Em julho de 1981, mais de cinco mil pessoas compareceram ao estádio do Florestal para o jogo entre Lajeadense e Internacional. Falcão, craque colorado, havia sido vendido para a Roma e se despedia do time. Naquela noite de quinta-feira, o Lajeadense venceu por 1 à 0, com gol de Mauro Farias. Com o resultado, o Grêmio foi o campeão gaúcho. Pela Libertadores, o Inter disputaria o título na quarta-feira seguinte, contra o Nacional, em Montevidéu.

O Lajeadense, na vitória sobre o Inter, atuou com Júlio, Catarina, Bruno, Tasca e Pedro; Máximo, Mauro (Reinaldo) e Itamar; Muller, Nonda (Chiquinho) e Volnei, tendo Chaveco como treinador. O Inter tinha Gasperín, Toninho, Mauro Pastor, Mauro Galvão e André Luís; Batista, Tonho (Popéia) e Falcão; Jair, Chico Espina (Jones) e Mário Sérgio. O técnico era Ênio Andrade. Pagaram para assistir ao jogo 5.974 pessoas.

Em 1983, o Lajeadense caiu para o "Grupo da Morte", na Segundona. Mesmo com uma campanha irregular, conseguiu recuperação e se manteve vivo para o próximo ano. O Alviazul foi campeão da repescagem e era treinado por Élio Giovanella. O time tinha Ricardo, Juarez, Rogério, Marcão, Mauro Espumoso, Duarte, Luís Muller, Garibaldi, Paulinho, João Luís, Roberto, Volney, Marquinhos, Bruno, Joel, Betinho e Airton.

Após cinco anos afastado da Primeira Divisão do futebol gaúcho, em 1986, o Lajeadense disputou com 30 equipes as duas vagas que garantiram, além do Alviazul, o Passo Fundo de volta à elite do Gauchão. Depois de 13 jogos no octogonal final, a partida decisiva ocorreu em Erechim. Com o placar em 0x0, a torcida era para que o confronto entre São José e Passo Fundo terminasse empatado. Todos ajoelhados, na metade do gramado, comemoraram o vice-campeonato e a vaga garantida na elite do futebol gaúcho, em 1987. Torcedores lotaram seis ônibus para ir a Erechim. No retorno, Lajeado parou esperando os novos heróis. Naquele ano, a formação tinha Edison, Giba, Gilmar, Eliseu, Nico e Juarez; João Luiz, Peninha, Manoel, Volnei e Betinho.

Anos 90[editar | editar código-fonte]

Um dos maiores times da história do Clube Esportivo Lajeadense surgiu em 1991. Alcançando o melhor resultado de todos os tempos na elite do futebol gaúcho, a equipe era formada por atletas jovens, promissores e competentes. O Lajeadense daquele ano ficou na quarta colocação do Campeonato Gaúcho, somente atrás de Grêmio, Inter e Juventude. Revelou Ênio, Vandeco, Gélson, Everton e Leco, que até hoje são lembrados pelo torcedor Alviazul.

O ano de 1991 começou com a disputa da Copa Governador. O objetivo era dar experiência aos meninos oriundos da base e outros amadores que foram contratados. Enfrentando dificuldades financeiras, o então presidente Lourival Machado precisou deixar o cargo: Élio Giovanella assumiu a presidência do clube. Mesmo com a situação financeira delicada, em campo a gurizada mostrava seu potencial. Em julho de 1991, o Lajeadense recebia destaque nacional. Foi escolhido como adversário da Seleção Brasileira graças à campanha que desempenhava e tendo em vista a disciplina demonstrada em campo. O Brasil era treinado por Falcão, se preparava para a Copa América e enfrentou o Alviazul num amistoso. O Lajeadense perdeu por 4x0.

Os grandes destaques da equipe eram Everton, filho do histórico ex-presidente Élio Giovanella, e o goleador Gélson Conte, hoje treinador de futebol. Gélson marcou 17 gols na temporada e foi o goleador do Gauchão. O time-base era formado com Alfonso, Evandro, André, Luís Fernando e Paulão; Ênio, Vandeco, Ivan e Éverton; Leco e Gélson. Chaveco era o técnico ao assumir a vaga de Gilberto Machado.

Em 1993, o Lajeadense esteve outra vez entre os melhores. Após uma fraca campanha em 1992, o ousado presidente Ney Fensterseifer montou uma equipe forte, com o retorno de alguns ídolos e a contratação de novos nomes. Com ideias avançadas para a época, projetou sua equipe disputando as primeiras colocações daquele ano, além de melhorias no estádio. Em campo, o Lajeadense terminou a primeira fase do Gauchão na 3ª colocação, somente atrás de Caxias e Ypiranga. Pelo grupo C, disputou a segunda fase da competição e conquistou uma das vagas ao octogonal final. Diante de Grêmio, Inter, Juventude, Pelotas, Inter-SM, Guarany de Cruz Alta e Grêmio Santanense, o Lajeadense conseguiu quatro vitórias, uma delas sobre o Inter, em Lajeado, pelo placar de 2x1, com gols de Vandeco e Renato Teixeira.

O julgamento não contou com a presença de representante do Lajeadense, o que resultou em punição para o atacante Renato Teixeira. Sem que o resultado fosse de conhecimento do clube, Teixeira foi escalado na rodada seguinte. O Lajeadense perdeu cinco pontos, deixou de ser vice-campeão e viu o Inter conquistar a vaga para a Copa do Brasil.

Nos anos seguintes, o Lajeadense sofreu com quedas para a Série B, em [[1995] e Segundona, em 1996. No ano seguinte, com um novo projeto, conquistou o vice-campeonato da competição e retornou para a série B.

No segundo semestre de 1998, depois de ter realizado uma excelente cempanha na Segundona, o Alviazul participou da Copa Abílio dos Reis. O Lajeadense terminou na primeira posição, com 29 pontos somados, conquistando o título e também a classificação para a Primeira Divisão. Naquele ano, os principais jogadores eram Ênio, Vandeco e o artilherio Jorjão, um dos maiores da história do clube. Entre 1997 e 2003, garante que chegou próximo de uma centena de gols.

Anos 2000[editar | editar código-fonte]

No início do novo milênio, o presidente do Lajeadense Antonio Carlos Ruaro mantinha parceria com o empresário José Asmuz. Através disso, muitos jogadores do Alviazul se transferiram para clubes europeus. Mas, no estadual da Segunda Divisão, os melhores resultados foram registrados em 2003, quando o time chegou no octogonal final da competição. Nos outros anos, muitas dificuldades.

Depois de anos acumulando dificuldades financeiras, o Lajeadense teve as portas fechadas pelo presidente Darlei Christ, durante um ano. Um grupo de empresários locais, chefiados por Nilson Giovanella, com seu primo Everton, recém-chegado da Espanha, resolve reabrir o clube com uma nova ideia. Nilson Giovanella, Ilvo Poersch, Moacir Mantovani, Mário Dutra, José Arenhart, Everton Giovanella, Marcos Mallmann, Mozart Lopes, Elton José Fischer, Jorge Baldo, Nestor Heineck e Evandro Muliterno de Quadros formaram a chapa que assumiu o clube para a temporada de 2009.

Com iniciativa de recuperar o clube, a ideia de vender a área localizada em região nobre da cidade, e construir um estádio moderno, num bairro mais afastado, foi posta em prática: depois de várias reuniões e assembléias, ocorreuo anúncio da negociação com um grupo de empresários, pelo valor de R$ 6,5 milhões.

Atualmente[editar | editar código-fonte]

Na projeção da direção, o clube voltaria à elite no ano de seu centenário, em 2011. Com um time modesto, a comunidade pode comemorar - e muito - a volta à Primeira Divisão ainda em 2010.

No dia 30 de janeiro de 2010 que o Lajeadense estreou sua caminhada de volta à elite do futebol gaúcho. Com a campanha "Lajeadense rumo ao seu coração", conquistava novos sócios e muitas vitórias. No primeiro turno, foram seis vitórias, cinco empates e cinco derrotas; 17 gols marcados e 11 sofridos. Muitos meninos do elenco, selecionados em peneirões no início de 2009, agora eram titulares da equipe.

Na segunda fase, o Alviazul terminou na segunda colocação da chave. Na terceira fase, contra adversários mais fortes, o Lajeadense mostrou que queria chegar na frente: venceu cinco, empatou uma e não perdeu. Terminou líder do grupo, com sete pontos a frente do segundo colocado. Na quarta e decisiva fase, o Lajeadense manteve o ritmo e em 19 de junho de 2010, venceu o Cruzeiro por 3 à 0 e garantiu vaga no Gauchão do ano seguinte. Os gols foram marcados por Robert, Rudiero e Castiano. O time de Lajeado teve Gallas, Celsinho, Bergamin, Gonçalves e Castiano; Cris Beato, Serginho, Rudiero e Marquinhos; Robert (Bruninho) e Maicon. A torcida invadiu o gramado com o canto de "Ôôôô o Lajeadense voltou". O Lajeadense retornava para a Primeira Divisão, 12 anos depois.

Hoje atua no Rio Grande do Sul Campeonato Gaúcho e, em 2013, participou pela primeira vez do Brasil Campeonato Brasileiro - Série D representando o futebol gaúcho. Em 2014, disputará pela primeira vez a Copa do Brasil.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Estaduais
Competição Títulos Temporadas
Rio Grande do Sul Campeonato Gaúcho - 2ª Divisão 2 1959 e 1979
Rio Grande do Sul Copa Abílio dos Reis 1 1998
Campanha em Destaque
Competição Colocação Temporadas
Rio Grande do Sul Campeonato Gaúcho - 1ª Divisão Vice-campeão 2013
Rio Grande do Sul Campeonato Gaúcho - 2ª Divisão Vice-campeão 1955, 1957, 1986, 1997, 2010
Rio Grande do Sul Copa FGF Vice-campeão 2011

Estádio[editar | editar código-fonte]

Inaugurado em 25 de janeiro de 2012, o Estádio Alviazul possui estrutura moderna, atendendo às exigências para o padrão Fifa de estádios de futebol. Com ampla área física, a futura Arena está situada dentro do Complexo Nilson Giovanella, junto com os campos suplementares de treinamento. Tem capacidade para 7 mil pessoas sentadas, 19 camarotes, academia de musculação, sala de fisioterapia, cozinha e refeitório. Está localizada no bairro Floresta, distante cerca de 5 quilômetros do Centro de Lajeado, às margens da RS-130, no caminho para Cruzeiro do Sul.[2]

Até 2011, o Lajeadense utilizava o Estádio Florestal, localizado no bairro de mesmo nome. Inaugurado em 1961, foi o primeiro estádio do interior do Rio Grande do Sul com pavilhão. Foi vendido a um grupo de empresários em 2010 e demolido em 2012. Ainda não há planos públicos para o que será construído no local do velho Florestal.

Antes, o clube utilizava um outro estádio, também chamado de Florestal, localizado na hoje Avenida Benajmin Constant.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Atualizado em 23 de janeiro de 2014[3]

Goleiros
Jogador
Brasil Eduardo Martini Capitão
Brasil Matheus Cavichioli
Brasil Henrique Becker
Defensores
Jogador Pos.
Brasil Micael Z
Brasil Gabriel Atz Z
Brasil Ênio Z
Brasil Oliveira Z
Brasil Laércio Z
Brasil Romário Scherer Z
Brasil Léo Paulista Z
Brasil Márcio Gabriel LD
Brasil William LD
Brasil Márcio Goiano LE
Brasil Higor LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
Brasil Rudiero V
Brasil Marabá V
Brasil Fábio Rosa V
Brasil Everton V
Brasil Mateus V
Brasil Fernando Urnau V
Brasil Cleverson M
Brasil Almir M
Brasil Gustavo Salgueiro M
Brasil Mikael M
Brasil João Felipe M
Brasil Mateus Quaresma M
Brasil Batista M
Brasil Diego Bregalda M
Atacantes
Jogador
Brasil Japa
Brasil Éber
Brasil Rennan Oliveira
Brasil Lima
Brasil Leonardo
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Fabiano Daitx T


Artilheiros[editar | editar código-fonte]

  1. Brasil Gélson - 1991 (17 gols).
  2. BrasilRenato Teixeira - 1992 (23 gols).
  1. BrasilJoão Luís Menezes - 1985 (11 gols).


Publicações sobre o Lajeadense[editar | editar código-fonte]

Reportagem Especial dos 100 anos.
  • Jornal Informativo do Vale edição especial dos 100 anos do Clube Esportivo Lajeadense.


Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre clubes brasileiros de futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.