Cneu Domício Enobarbo (cônsul em 32)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cneu Domício Enobarbo
Morte 40

Cneu Domício Enobarbo que, pela convenção romana de nomes era chamado de Cneu Domício, filho de Lúcio, neto de Cneu, Enobarbo ou CN. DOMITIUS L. F. CN. N. AHENOBARBUS, foi o pai do imperador Nero.[1]

Família[editar | editar código-fonte]

A família Enobarbo, a partir do primeiro, Lúcio Domício, que ganhou uma barba vermelha como sinal de divindade de dois gêmeos,[2] adotou como prenomes (praenomena) três gerações seguidas de Lúcios, seguidos de três gerações de Cneus, e, a partir daí, alternando entre Lúcio e Cneu.[3] Os Enobarbos tiveram, antes de Nero, sete cônsules, um triunfo e dois censores.[3]

Cneu era filho de Lúcio Domício Enobarbo e Antónia, a Velha.[4] Seu pai, Lúcio, era filho de Cneu Domício Enobarbo[5] e sua mãe, Antónia, era a filha mais velha de Marco Antônio e Octávia.[6] Alguns historiadores modernos especulam que o nome de sua avó materna fosse Emília Lépida, baseados no nome da sua irmã, Domícia Lépida.[7]

Personalidade[editar | editar código-fonte]

Segundo Suetônio, Cneu tinha um comportamento odioso em todos os aspectos;[4] ele ilustra este comportamento através de vários episódios de sua vida. Quando Cneu se uniu ao jovem Caio César no Leste, ele matou um dos seus libertos porque este não quis beber tanto quando ele havia ordenado.[4] Em uma vila da Via Ápia, de propósito, ele atropelou e matou um jovem.[4] No Fórum Romano, ele vazou o olho de um cavaleiro, que o havia admoestado.[4]

Ele também era desonesto: ele enganava os banqueiros, e, quando se tornou pretor, ele fraudava os vencedores das corridas de carros.[8]

Pouco antes da morte de Tibério, ele foi acusado de traição, assim como de adultério e incesto com sua irmã Domícia Lépida, mas escapou com a morte do imperador, morrendo de edema em Pirgi.[8]

Filho[editar | editar código-fonte]

Pouco antes de morrer, ele reconheceu Nero (então chamado de Lúcio) como seu filho.[8] A mãe de Nero era Agripina, filha de Germânico.[8] Nero nasceu em Âncio, nove meses após a morte de Tibério, no 18o dia antes das calendas de janeiro e no momento em que o Sol nascia.[9] Cneu, ao saber do nascimento do filho, comentou que nada além do que fosse uma abominação e a ruína pública poderia nascer dele e de Agripina.[9] Quando Nero castrou um jovem chamado Sporus e casou-se com ele, Suetônio cita um romano que viveu nesta época que o mundo estaria melhor se o pai de Nero tivesse se casado com alguém como o jovem castrado.[10]

Cneu morreu quando Nero tinha três anos de idade, e legou ao filho um terço dos seus bens, porém outro herdeiro, Caio,[Nota 1] tomou toda a propriedade e baniu Agripina.[11]


Notas e referências

Notas

  1. Caio é o imperador Calígula, irmão de Agripina e tio de Nero.

Referências