Cneu Domício Enobarbo (cônsul em 96 a.C.)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cneu Domício Enobarbo
Gnaeus Domitius Aenobarbus
O gens dos Domício Enobarbo
Nascimento
Roma
Morte 88 a.C.
Roma
Nacionalidade Spqrstone.jpg romano
Progenitores Pai: Cneu Domício Enobarbo
Filho(s) Lúcio Domício Enobarbo, Cneu Domício Enobarbo
Ocupação jurista, político
Título Cônsul da República Romana

Cneu Domício Enobarbo (em latim: Gnaeus Domitius Aenobarbus; Roma, ? - Roma, 88 a.C.) foi um jurista e político romano.

Foi tribuno da plebe em 104 a.C.[1] Era filho de Cneu Domício Enobarbo, e irmão de Lúcio Domício Enobarbo. O Colégio dos Pontífices elegeu-o pontífice máximo (pontifex maximus) em 103 a.C. (sucedendo Lúcio Cecílio Metelo Dalmático).[2] [3] [4]

Ele processou em seu tribunal, vários de seus inimigos particulares, como Marco Emílio Escauro (a quem culpou por não ter sido eleito para o pontificado na primeira vez) e Marco Júnio Silano.[4] [5] [6]

Foi eleito cônsul em 96 a.C. e censor em 92 a.C. juntamente com Lúcio Licínio Crasso, o orador, com quem ele estava frequentemente em discórdia. Eles realizaram uma ação conjunta, no entanto, suprimindo as recém-criadas escolas latinas de retórica, que consideraram prejudiciais à moralidade pública.[7] [8]

Sua censura foi muito marcada pelas disputas. Domício tinha um temperamento violento, e era além disso a favor da antiga simplicidade de viver, enquanto que Crasso amava o luxo e encorajava as artes. Entre os muitos dizeres registrados de ambos, nos é dito que Crasso observou, "que não era de se admirar que um homem tivesse uma barba de bronze, que tivesse uma boca de ferro e um coração de chumbo."[9] [10] [11] [12] Cícero escreveu que Domício não era para ser considerado um orador, mas que ele falava muito bem e tinha talento suficiente para manter seu alto posto.[13]

Enobarbo aparentemente morreu em 88 a.C., durante o consulado de Lúcio Cornélio Sula, e foi sucedido como pontífice por Quinto Múcio Cévola. Teve dois filhos: Cneu Domício Enobarbo e Lúcio Domício Enobarbo.[1]

Referências

  1. a b Smith, William (1867), "Gnaeus Domitius Ahenobarbus (4)", in Smith, William, Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology, 1, Boston: Little, Brown and Company, pp. 84–85, http://www.ancientlibrary.com/smith-bio/0093.html 
  2. Tito Lívio, Epit. 67
  3. Cícero, pro Deiot. 11
  4. a b Valério Máximo, vi. 5. § 5
  5. Dião Cássio, Fr. 100
  6. Cícero, Div. in Caecil. 20, Verr. ii.47, Cornel. 2, pro Scaur. 1
  7. Aulo Gélio, xv. 11
  8. Cícero, de Orat. iii. 24
  9. Caio Plínio Segundo, Naturalis Historia xviii. 1
  10. Suetônio, Nero, 2
  11. Valério Máximo, ix. 1. § 4
  12. Macróbio, Saturnalia ii. 11
  13. Cícero, Brutus 44


Títulos Religiosos
Precedido por
Lúcio Cecílio Metelo Dalmático
Pontífice máximo da República Romana
103 a.C.
Sucedido por
Quinto Múcio Cévola
Cargos Políticos
Precedido por
Cneu Cornélio Lêntulo
e
Públio Licínio Crasso Dives
Cônsul da República Romana
com Caio Cássio Longino
96 a.C.
Sucedido por
Lúcio Licínio Crasso
e
Quinto Múcio Cévola
Precedido por
Lúcio Valério Flaco
e
Marco Antônio
Censor da República Romana
com Lúcio Licínio Crasso
92 a.C.
Sucedido por
Lúcio Júlio César
e
Públio Licínio Crasso Dives