Coalização Blue Dog

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Os políticos da Coalizão Blue Dog em encontro com o Presidente Obama.
Bancada dos Blue Dogs em 2009.

A Coalizão Blue Dog (em inglês: Blue Dog Coalition) é um grupo de políticos do Partido Democrata dos Estados Unidos que adotam uma posição política centrista, mais afastada das linhas gerais do partido, e próximas aos ideais republicanos, como o controle de gastos do governo e o conservadorismo social. Fundada em 1995[1] [2] , após a vitória dos republicanos nas eleições de 1994, a Coalizão Blue Dog tem maior força nos estados do Sul dos EUA, onde o ambiente político é mais conservador que no restante dos Estados Unidos.

Os membros da Coalizão Blue Dog são vistos por alguns analistas políticos como os sucessores dos boll weevils dos anos 80 e dos dixiecratas da primeira metade do século XX.[3] [4] Todos esses grupos foram criados por democratas conservadores, pouco alinhados à política do partido nos grandes centros, e prosperaram principalmente no Sul dos Estados Unidos, área de população historicamente conservadora.

A influência dos Blue Dogs representou um problema para os líderes democratas, pois seus votos no Congresso nem sempre se alinhavam aos princípios do partido. De 2008 a 2010, eles alcançaram proeminência ao se opor a projetos como a reforma da saúde[5] e ao propor mudanças na lei de reforma de Wall Street, que amenizariam seus efeitos.[6]

Nas eleições legislativas de 2010, a bancada dos Blue Dogs teve grandes perdas, passando de 54 para 26 cadeiras na Câmara dos Representantes.

Referências

  1. Blue Dog Coalition House.gov (2009-04-27). Visitado em 2010-03-17.
  2. Blue Dog Coalition
  3. Parties, Rules, and the Evolution of Congressional Budgeting, Lance T. LeLoup, 2005, pp. 185
  4. Encyclopedia of American Parties, Campaigns, and Elections, William C. Binning et al, 1999, pp. 307
  5. "The Democratic Party's centrists: Blue Dog days", The Economist, 2009-07-30.
  6. Moderate Democrats may buck Barack Obama's plan