BB Tecnologia e Serviços

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cobra Tecnologia)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde janeiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
BB Tecnologia e Serviços
Slogan Não importa a complexidade do seu desafio a solução é BB Tecnologia e Serviços S.A!
Tipo Sociedade anônima
Fundação 18 de Julho de 1974 (no Rio de Janeiro)
Sede Rio de Janeiro,  Brasil
Locais mais de 75 unidades e centros de processamento.
Pessoas-chave Luís Aniceto
Empregados mais de 3000
Produtos Serviços técnicos de informática e assistência técnica especializada. Projeto e implantação de redes de comunicação de voz, dados e imagens. Gerenciamento eletrônico e impressão de documentos. Serviços de retaguarda de atividades bancárias. Supervisão e execução de atividades inerentes a terminais eletrônicos de autoatendimento e a centros de atendimento. Projetos e desenvolvimento de soluções em Software Livre.
Acionistas Banco do Brasil.
Página oficial www.cobra.com.br

A BB Tecnologia e Serviços, anteriormente denominada Cobra Tecnologia, é uma empresa de informática brasileira que atualmente pertence ao conglomerado Banco do Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

Fundada em 1974, a Cobra Computadores, hoje BB Tecnologia e Serviços S.A, foi pioneira no desenvolvimento, produção e comercialização de tecnologia genuinamente nacional. Do início da década de 60 até o começo dos anos 70, era enorme a insatisfação com a situação brasileira no setor tecnológico. Nessa época, todos os computadores no país eram importados. No mesmo período a Marinha comprou modernas fragatas inglesas controladas por computador. O almirantado espantou-se com o alto preço dos computadores em embarcações de combate e com a dependência tecnológica. Um grupo de oficiais, entre eles o Comandante Guaranis, conseguiu que parte do equipamento passasse a ser fabricado por empresas brasileiras, reivindicando a criação de uma indústria de eletrônica digital.

Em 18 de julho de 1974, a E.E. Eletrônica, o BNDE e a inglesa Ferranti associaram-se para formar a COBRA - Computadores e Sistemas Brasileiros Ltda, empresa cuja história se liga estreitamente à política de informática no Brasil, foi à primeira empresa a desenvolver, produzir e comercializar tecnologia genuinamente brasileira na área de informática. Através de parcerias com a inglesa Ferranti e a americana Sycor Inc. a Cobra acumulou conhecimento técnico-industrial. Do início, quando tudo era novo e precisava ser desvendado, passou-se rapidamente ao desenvolvimento de tecnologia e geração de seus próprios produtos em Software e Hardware.


O Cobra 530, lançado no início da década de 80, foi o primeiro computador totalmente projetado, desenvolvido e industrializado no Brasil. Nessa época foram lançados os modelos da mesma linha do C-530, como o C-520, C-540, C-480 e C-580, até chegar a linha X. Também foram lançados os primeiros microcomputadores de 8 bits - o Cobra 300, Cobra 305 e o Cobra 210, além de terminais remotos. Nessa fase, uma série de sistemas operacionais como o SOM, SOD, SPM e SOX (compatível com o Unix), e várias linguagens como LPS, LTD, Cobol e Mumps foram criadas. Em 1987, a Cobra havia lançado o XPC, o seu compatível PC-XT.

Na segunda metade da década de 80, o controle de preços e o aumento das despesas com os sucessivos planos econômicos descapitalizaram as empresas. Além disso, com o fim da reserva de mercado da informática, trouxe as gigantes mundiais do setor de informática. Foi um período em que muitas empresas nacionais sucumbiram. A Cobra buscou novos caminhos e tornou-se integradora de soluções tecnológicas e prestadora de serviços.

No início da década de 90, a Cobra se afinou à tendência mundial de parcerias, dentre as quais a Sun Microsystems, IBM, Cisco Systems, Microsoft, Oracle e SCO. Por essa época, o Banco do Brasil passou a acionista majoritário da Cobra. No final dos anos 90, entrou firme e forte no mercado de serviços para a área bancária. Em 2009 a Cobra torna-se centro de excelência em Software Livre.

O faturamento da BB Tecnologia e Serviços S.A origina-se principalmente em seus contratos com empresas estatais.[1]

Desde 2004 a BB Tecnologia e Serviços S.A se viu alvo de investigações do TCU, que considerou que a empresa estaria sendo utilizada para contratação irregular de serviços privados de empresas terceirizadas. Interpretando que tal modelo de prestação de serviços burla os processos regulares de contratação do governo, exigiu que os processos de contratação de pessoas e serviço sejam realizados através de concurso e licitação.[2] A diretoria da instituição foi acusada e condenada "por infringir os princípios da moralidade e impessoalidade" que devem reger a administração pública.[3] [4]

Atualmente, a empresa está envolvido num suposto esquema de corrupção iniciada por Rosemary Nóvoa Noronha, ex-chefe de gabinete da Presidência da República, que em 2010 conseguiu da BB Tecnologia e Serviços S.A um contrato de R$ 1,12 milhão para uma empresa que tem o atual marido dela, João Vasconcelos, como diretor e um genro como sócio.[5]

Evolução das Marcas[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.