Cocotá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cocotá
Cocotá.svg
Bairro do Rio de Janeiro Bandeira do Município do Rio de Janeiro.png
Área: 49,01 ha (em 2003)
Fundação: 23 de julho de 1981
IDH: 0,861[1] (em 2000)
Habitantes: 4 877 (em 2010)[2]
Domicílios: 1 880 (em 2010)
Limites: Cacuia, Bancários, Tauá, Jardim Carioca
e Praia da Bandeira[3]
Região Administrativa: XX R.A.(Ilha do Governador)

Cocotá é um bairro de classes média e média baixa da Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. Se localiza na Ilha do Governador.

Faz limite com os seguintes bairros: Cacuia, Bancários, Tauá, Jardim Carioca e Praia da Bandeira.[4]

Seu IDH, no ano 2000, era de 0,861, o 41º melhor da cidade do Rio de Janeiro.[5]

História[editar | editar código-fonte]

O bairro recebeu este nome por abrigar a Praia de Cocotá. Floresceu pela proximidade com o bairro Cacuia. Possui um comércio bem diversificado e alguns referenciais históricos, como a antiga Estação de Bondes de Santa Cruz, a Biblioteca Regional, o Parque Poeta Manuel Bandeira e a Paróquia de São Sebastião.

O nome indígena, COG-ETÁ ou COG-ATÁ, ou seja, “roças”, refere-se aos cultivos feitos pelos primeiros habitantes da Ilha do Governador. A região era conhecida como praia da Olaria, devido na segunda metade do século XIX, haver produção de artefatos de cerâmica para a construção civil na região. O bonde começou a circular em 1922, partindo da Ribeira até Cocotá e, como referencial histórico, existe ainda a Estação de Bondes Santa Cruz, na esquina da estrada da Cacuia com a rua Capitão Barbosa, hoje com outro uso.

Em 1938, houve registros de loteamento na praia da Olaria, dando origem a diversas ruas. Vias importantes do bairro são a estrada da Cacuia, a rua Tenente Cleto Campelo e a avenida Paranapuã. O comércio é expressivo e no bairro ficam o Centro Cultural Euclides da Cunha, o Fórum da Ilha do Governador e a Igreja de São Sebastião. O antigo saco e praia da Olaria foram aterrados, para a implantação do Parque Poeta Manuel Bandeira, inaugurado em 19 de abril de 1978, com mais de 180 m2 de área.

Em 2003, beneficiado pelo Projeto Rio-Cidade da Prefeitura, o Parque passou por ampla reforma, ganhando pista, ciclovia, novas quadras poliesportivas, pista de skate e campo de futebol com grama sintética. E tudo começou com um espanhol, Ramon Rodriguez Y Rodriguez que veio para o Cocotá no final do século XIX e construiu a primeira empresa da Ilha do Governador, uma fábrica de cal (caieira), na praia de Cocotá, onde hoje está o Edifício “Sobre as Ondas”.

Destaca-se, também, o Esporte Clube Cocotá, inaugurado em 3 de dezembro de 1922, em um terreno de 11.500 m2, entre as ruas Graná e Moravia. No limite entre os bairros do Cocotá e da Cacuia, fica o Hospital Municipal Paulino Werneck, inaugurado em 06 de agosto de 1935, com o nome “dispensário”, para tratamento de tuberculosos, atualmente funciona como emergência em regime de 24 horas, absorvendo urgências clínicas e cirúrgicas de médio porte e uma tradicional maternidade (única em toda a ilha), com enfermarias e ambulatórios.

A mais recente grande obra beneficiando o Cocotá e a Ilha do Governador foi a construção do novo Terminal Hidroviário do Cocotá, inaugurado no dia 16 de novembro de 2006. As obras duraram um ano e meio e o trajeto das barcas é único: Praça 15-Cocotá-Praça 15, também com Catamarãs, possui integração com linhas de ônibus da região e dois estacionamentos. Ele substitui o da Ribeira, que será desativado.

Possui, como característica marcante, suas festas comemorativas realizadas no entorno do Parque Poeta Manuel Bandeira.

Na década de 70, o Esporte Clube Cocotá, clube dos mais tradicionais da Ilha do Governador, funcionava como palco dos ensaios semanais da famosa escola de samba do bairro, a União da Ilha.

Localizam-se, no bairro, o Fórum da Ilha do Governador, um posto de vistoria do Detran e uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento), nas proximidades da Praia da Olaria. Possui ligação hidroviária com o Centro da cidade, porém somente de segunda a sexta-feira[6] .


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]