Codex Alexandrinus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Manuscritos do Novo Testamento
PapirosUnciaisMinúsculosLecionários
Uncial 02
Fólio 41v do Codex Alexandrinus contém o final do Evangelho de Lucas com decoração tailpiece achada no final de cada livro.

Fólio 41v do Codex Alexandrinus contém o final do Evangelho de Lucas com decoração tailpiece achada no final de cada livro.
Nome Alexandrinus
Sinal A
Texto Novo Testamento
Data 400-440
Escrito grego
Agora está Biblioteca Britânica
Tamanho 32 x 26 cm
Tipo Texto-tipo Bizantino nos Evangelhos, alexandrino no restante do NT
Categoria III (nos Evangelhos), I (no restante do NT)
Mão elegantemente escrito mas com erros
Nota perto do \mathfrak{P}74 em Atos, e do \mathfrak{P}47 no Apocalipse


O Codex Alexandrinus, também conhecido como Manuscrito 'A', pertence à primeira metade do século V. Este códice contém a Septuaginta e grande parte do Novo Testamento. Juntamente com o Codex Sinaiticos e com o Codex Vaticanus, este é um dos mais completos manuscritos gregos antigos da Bíblia. Este manuscrito recebe o nome de Alexandria, lugar onde se acredita que ele foi originalmente escrito.

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

O texto deste codex foi escrito em grego uncial, disposto em duas colunas, com 46 a 52 linhas por coluna e 20 a 25 letras por linha. As linhas iniciais de cada livro são escritas em vermelho e cada uma das seções é marcada com uma grande letra na margem.[1]

O manuscrito contém a cópia completa da LXX, incluindo os livros deuterocanônicos de III e IV Macabeus, Salmo 151 e o 14 Odes. A Epístola a Marcellinus, atribuída a Atanásio, bem como o sumário dos Salmos, atribuído a Eusébio, foram acrescentados antes do Livro de Salmos. Este codex também contém todos os livros do Novo Testamento, incluindo acrécimos de I e II Clemente.

Contém tábulas do κεφαλαια, κεφαλαια, τιτλοι, as Seções Amonianas, e os Cânones Eusebianos.[2]

Proveniência[editar | editar código-fonte]

A proveniência original deste manuscrito é desconhecida. Uma nota em Latim, provavelmente do século XVII, declara que o manuscrito foi dado de presente para o patriarca de Alexandria no ano de 1098. Em 1621, o patriarca de Constantinopla, Cirilo Lucas, presenteou-o a Carlos I de Inglaterra. Hoje encontra-se no Museu Britânico.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Kurt Aland, and Barbara Aland, The Text of the New Testament: An Introduction to the Critical Editions and to the Theory and Practice of Modern Textual Criticism, transl. Erroll F. Rhodes, William B. Eerdmans Publishing Company, Grand Rapids, Michigan, 1995, p. 107, 109.
  2. Bruce M. Metzger, Manuscripts of the Greek Bible: An Introduction to Greek Palaeography, New York, Oxford: Oxford University Press, 1991, p. 86.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. B. H. Cowper, Codex Alexandrinus. Η ΚΑΙΝΗ ΔΙΑΘΗΚΗ. Novum Testamentum Graece. Ex Antiquissimo Codice Alexandrino a C. G. Woide (London 1860)
  2. Kenyon, Frederick G.. Codex Alexandrinus. [S.l.]: London: British Museum (Facsimile edition), 1909.
  3. Kenyon, Frederick G.. Codex Alexandrinus in Reduced Photographic Facsimile. [S.l.]: London: British Museum (Facsimile edition), 1915.
  4. Thompson, Edward Maunde. Facsimile of the Codex Alexandrinus (4 vols.). [S.l.]: London, 1879-1883.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Codex Alexandrinus