Codorna-pequena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaCodorna-pequena
Codorna-pequena

Codorna-pequena
Estado de conservação
Status iucn3.1 VU pt.svg
Vulnerável
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Tinamiformes
Família: Tinamidae
Género: Taoniscus
Gloger, 1842
Espécie: T. nanus
Nome binomial
Taoniscus nanus
(Temminck, 1815)

A codorna-buraqueira (Taoniscus nanus), também conhecida como: Inhambu-carapé, codorninha, carapé, perdizinha e perdigão. O termo "carapé" vem do tupi, significando anão.

Este é o menor representante conhecido da família dos Tinamídeos, com o tamanho variando de 14 a 16 cm e peso entre 43 e 46 g. Sendo encontrado em regiões de cerrado e campos naturais; havendo relato de sua ocorrência também para as bordas de florestas secundárias.

Essa espécie apresenta diferentes tonalidades de coloração em sua plumagem, que vão do ocre-rosado ao ocre-acinzentado, apresentando um padrão aproximado ao das codornas (Nothura) e da perdiz (Rhynchotus). De hábitos terrícolas, Taoniscus nanus busca refúgios em buracos ou tocas de outros animais, para se ocultar de predadores como o falcão-de-coleira (Falco femoralis) e o gavião-de-rabo-branco (Buteo albicaudatus).

Não há informações disponíveis sobre os aspectos reprodutivos desse tinamídeo na natureza, consta apenas que seu período de reprodução se dá nos meses de setembro e outubro. Exemplares mantidos em cativeiro, apresentaram postura de três ovos.

É onívoro, e sua alimentação é constituída de pequenos invertebrados como pequenos artrópodes, cupins, e de sementes. Essa ave ocorre em altitudes entre 700 e 1000 metros. Sua vocalização é bem diferenciada da de outras espécies de tinamídeos campestres, como as das codornas Nothura maculosa e Nothura boraquira.

Os tinamídeos campestres em geral, apresentam uma melhor capacidade de voo em comparação às espécies florestais; mas em Taoniscus nanus ocorre o contrário, pois o mesmo estaria perdendo sua capacidade de voo; sendo esse voo muito curto, quase um salto alongado. As observações em campo são difíceis, devido ao pequeno tamanho dessa ave, quase sempre oculta pela vegetação. Essa espécie também é comummente confundida com os filhotes de outras espécies de tinamídeos.

Sua pressuposta distribuição geográfica no Brasil, abrangeria os estados de São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Goiás, Distrito Federal e Mato Grosso do Sul. Também encontrada na Argentina. Considerada em via de extinção devido às alterações antrópicas em seu ambiente natural, consta da lista oficial das espécies em extinção no estado de São Paulo. Mas as naturais dificuldades para sua observação em estudos de campo, concorrem para a possível inexatidão dessa classificação.

A espécie carece de expressiva documentação fotográfica e comportamental.

Exemplares mantidos em cativeiro apresentam comportamento manso, e de relativa adaptação ao mesmo.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • MASSARIOLI, M. (2003). UNIABC-SP. Tinamiformes do Brasil. Artigo Científico.
  • del HOYO, J.; ELLIOT, A.; SARGATAL, J. (eds.). Handbook of the Birds of the World volume 1: Ostrichs to Ducks. Barcelona: Lynx Edicions, 1992.
  • SIBLEY, C. G.; MONROE, B. L. Jr. Distribution and Taxonomy of Birds of the World. New Haven: Yale University Press, 1990.
  • SIBLEY, C. G.; MONROE, J. E. Jr. A Supplement to Distribution and Taxonomy of Birds of the World. New Haven: Yale University Press, 1993.
  • DICKINSON, E. C. (ed.). The Howard and Moore Complete Checklist of the Birds of the World. 3ª ed. Princeton: Princeton University Press, 2003.
  • CLEMENTS, J. F. The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press, 2005.
  • REMSEN, J. V.; CADENA, C. D.; JARAMILLO, A.; NORES, M.; PACHECO, J. F.; ROBBINS, M. B.; SCHULENBERG, T. S.; STILES, F. G.; STOTZ, D. F.; ZIMMER, K. J. Version [8 de agosto de 2008]. A classification of the bird species of South America. American Ornithologists' Union. Acessado em 11 de gosto de 2008 em <http://www.museum.lsu.edu/~Remsen/SACCBaseline.html>.
  • BirdLife International (2008). Taoniscus nanus. Acessado em 11 de agosto de 2008 em The BirdLife checklist of the birds of the world, with conservation status and taxonomic sources. Version 1.
  • GILL, F.; WRIGHT, M.; DONSKER, D. (2008). Ratites. Acessado em 11 de agosto de 2008 em IOC World Bird Names (version 1.6).
  • Integrated Taxonomic Information System. Taoniscus nanus. Acessado em 11 de agosto de 2008 em ITIS.
  • MYERS, P., ESPINOSA, R.; PARR, C. S.; JONES, T.; HAMMOND, G. S.; DEWEY, T. A. 2008. Genus Taoniscus. Acessado em 11 de agosto de 2008 em The Animal Diversity Web (online).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]